Renúncia de Temer 'pouparia país de mais sofrimento', diz Janaína Paschoal

Jurista Janaína Paschoal Direito de imagem Agência Brasil
Image caption Apoiadora de impeachment de Dilma, jurista agora defende saída de Temer

A jurista Janaína Paschoal, uma das autoras da ação que culminou no impeachment da presidente Dilma Rousseff, diz que renúncia de Michel Temer seria o melhor para o Brasil.

"Preferiria que ele renunciasse, para poupar o país de mais sofrimento", disse Paschoal em entrevista à BBC Brasil neste sábado. Ela também afirmou que fará o possível para que isso ocorra.

"Quem tiver que cair, vamos até o fim nesse processo de depuração."

Em pronunciamento também neste sábado, o presidente disse que continuará à frente do governo.

Na quinta-feira, o jornal O Globo revelou a delação de Joesley Batista, um dos donos da JBS, que disse que Temer deu aval a uma operação de compra de silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. Desde então, o áudio da conversa entre os dois foi divulgado pelo Supremo Tribunal Federal, bem como o conteúdo das delações de Joesley e de seu irmão Wesley Batista.

No diálogo, o dono da JBS fala de forma cifrada de sua relação com "Eduardo", que seria o ex-deputado Eduardo Cunha. O empresário diz que "está de bem com Eduardo" e Temer responde "tem que manter isso, viu?"

Direito de imagem Agência Brasil
Image caption Áudio de conversa entre Temer e Joesley é suficiente para impeachment, diz jurista

Para Janaína, os áudios da delação da JBS revelados até agora já são suficientes para o impeachment de Temer. "O que foi divulgado me parece suficiente para evidenciar a quebra de decoro. Votei pelo impeachment ontem em consulta feita pela OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil)."

Mas, ao contrário do desejo de muitos brasileiros e movimentos sociais, Janaína não concorda com a pedido de eleições diretas.

"Temos que seguir a Constituição Federal e ela prevê eleição indireta para completar o mandato. Esse pleito (de diretas) é uma estratégia para tentar emplacar o Lula antes das condenações", disse.

A jurista ressaltou que é completamente contrária a qualquer emenda constitucional para tirar o presidente neste momento.

"Tem o caminho do processo por crime comum, perante o STF, e do crime de responsabilidade, perante o Congresso."

Após a delação ser divulgada pelo jornal, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, atendeu a pedido da Procuradoria Geral da República e autorizou a abertura de um inquérito para investigar Temer. Com isso, o presidente passou à condição de investigado na operação.

Direito de imagem Reuters
Image caption Janaína Paschoal diz que é contra a convocação de eleições diretas caso Temer deixe o governo

Manifestações

Mesmo a favor da saída do presidente, ela afirma apoiar a decisão de alguns movimentos sociais de cancelar protestos anti-Temer marcados para domingo. O Vem Pra Rua argumentou que a polícia havia dito que não poderia garantir a segurança do ato, mas a PM negou que tenha dado tal orientação.

Já o MBL (Movimento Brasil Livre) afirmou que os áudios divulgados até agora são inconclusivos e não justificam a queda do presidente.

"Acho o cancelamento prudente. Os pleitos são diferentes, poderia haver conflito. O processo de depuração vai seguir, com ou sem protestos", disse Janaína.

Outros movimentos sociais, como o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), vão manter as manifestações para a tarde deste domingo.

Notícias relacionadas