Di María não é Neymar, mas é desfalque fundamental para a Argentina

Ángel Di María, camisa 7 da Argentina | Crédito: Getty Direito de imagem Getty
Image caption Titular da camisa 7 da seleção argentina, meia Di María está fora da Copa por lesão na coxa

Perguntei a Sergio Agüero, de forma simples e direta. "Você está bem?". "Sí, sí". "Vai jogar na quarta-feira?". "Sí, sí". O homem diz, então, que voltará. El Kun não fazia uma Copa espetacular até se machucar contra a Nigéria. Mas é craque, um atacante de qualidade bastante acima da média e um conforto para a Argentina.

A experiência com Lavezzi no ataque não gerou nenhum tipo de revolução, então o retorno de Aguero é fundamental para Messi e Higuaín em um momento em que a Argentina perde Ángel Di María.

A contusão não parece grave, mas lesão muscular não costuma sarar em uma semana. Di María estava arrasado na zona mista, após a partida contra a Bélgica. Passou pelos jornalistas com olhos vermelhos, de quem havia chorado muito, de quem sabia que a Copa já era passado para ele. O melhor jogador da final da Champions League paga o preço de uma temporada extenuante.

A circunstância não foi dramática como a lesão de Neymar, não foi causada por outra pessoa. Mas o resultado é absolutamente o mesmo. Tristeza dos companheiros, sensação de "ganhemos por ele" e, o principal, desfalque importante para o time.

"É uma preocupação muito grande, ele é um grande jogador", falou Javier Mascherano, em bom português. "Ángel é muito importante, jogador chave, decisivo, que aparece sempre nos momentos importantes", disse o substituto de Di María contra a Bélgica, Enzo Pérez. "Todos sabemos o nível de Fideo e o que ele traz para o time. Se ele não puder jogar, temos muitos jogadores que podem ser usados pelo treinador e o mais importante é isso, o grupo", analisou Lavezzi. "É um jogador muito importante, mas teremos algum outro que possa substituí-lo", comentou o volante Biglia, que virou titular no time argentino no lugar de Gago, dando mais consistência ao meio de campo.

Todos os jogadores com quem conversei na zona mista estavam preocupados. Não tristes, como os brasileiros em Fortaleza, mas preocupados.

A contusão de Neymar tem um peso simbólico tremendo. Depois de o país falar por tanto tempo em "Neymardependência", perdê-lo fez muitos adotarem o discurso do "já era". Mas é mais simbólico do que prático, visto o que vimos nos jogos contra Chile e Colômbia. Já a contusão de Di María talvez seja mais devastadora na prática do que simbólica.

Di María não é o Neymar da Argentina. Todos sabemos que o jogador mais importante da Argentina é Messi. Só que Di María está em um segundo lugar disparado, bem mais perto de Messi do que do terceiro colocado, seja lá quem este for. Está para a Argentina mais ou menos com a dupla de zaga está para a seleção brasileira. É o plano B para que as coisas deem certo.

O exemplo claro disso veio com aquele gol no último minuto da prorrogação contra a Suíça. Mas, antes, Di María havia feito uma partida brilhante contra a Nigéria. Ele é o que Oscar não consegue ser para o Brasil, ou pelo menos não consegue ser na medida que todos querem. Um motorzinho tático, que marca, fecha espaços, rouba bolas e, com ela, rompe defesas. Tem drible, velocidade e finalização.

Faz-se um sistema para anular Messi. E Di María machuca esse sistema, além de fazer um incrível trabalho para o time.

Quem vai entrar no lugar de Di María? Neste sábado, Sabella usou Enzo Pérez, apesar de este ser mais um volante do que um meia no Benfica. Uma opção é Maxi Rodríguez, um jogador experiente, que também trabalha taticamente, mas que não tem a mesma explosão ofensiva. Lavezzi seguindo no time me parece uma opção arriscada demais.

Minha impressão é que a Argentina fará, nas duas partidas finais, o mesmo que o Brasil fez em 2002. Todo mundo defende, linhas juntas, e três atacantes lá na frente para resolver as coisas.

Contra a Holanda, a Argentina precisa se preparar para ser contra atacada e para anular Robben. Não será tarefa fácil. Os hermanos vão precisar muito de Messi, o Deus. Porque o Anjo já não está mais.