Como plebiscito 'uniu' alas radicais da direita e da esquerda pelo 'Brexit'

Brexit Direito de imagem Getty Images
Image caption A imigração foi ponto central da discussão para ambos os lados na votação

Retirando-se da União Europeia, conforme decidido em plebiscito na última quinta-feira, os britânicos abandonam a utopia de uma integração regional profunda.

É uma decisão que políticos de extrema direita, como a francesa Marine Le Pen e o holandês Geert Wilders, comemoraram em outras partes do continente.

No Reino Unido, também a retórica inflamada dessa direita, que atacou os políticos tradicionais e bateu na tecla da imigração ao ponto de flertar com a xenofobia, feriu de morte essa utopia.

Mas o "sonho europeu" morreu na praia abandonado também pela esquerda, que hesitou em acudir para tentar salvá-lo ao longo da campanha.

Eurocéticos

Erros de cálculo político no lado da permanência na UE explicam sua derrota no plebiscito, em que 51,9% votaram pela opção da saída.

O maior perdedor foi o primeiro-ministro, David Cameron, que subestimou o poder dos eurocéticos dentro do seu próprio partido.

O ceticismo em relação à UE no Reino Unido vem de longa data: explica por que o país optou por ficar fora da zona do euro, da área de fronteiras abertas e do projeto de aprofundar a integração.

Mas até o aparecimento da retórica inflamada e populista de Nigel Farage, o líder do partido de nacionalista britânico Ukip, essa relação era um problema abstrato, que parecia distante do cidadão comum.

Direito de imagem AFP/Getty/Reuters
Image caption Políticos de extrema direita comemoraram em vários países europeus

UE indefesa

Ao longo da campanha, Farage e outros políticos conservadores - como o ex-prefeito de Londres Boris Johnson e o atual secretário de Justiça, Michael Gove - atiçaram o eleitorado. Foram acusados de exagerar os riscos trazidos pela imigração e omitir a contribuição dos imigrantes para a economia britânica.

Foi um discurso que ecoou junto a muitos trabalhadores que viram seus empregos e rendimento como ameaçados.

Coube ao próprio David Cameron e outros conservadores moderados fazer uma defesa comedida e ambígua da União Europeia, apresentando como alternativa uma série de propostas no campo da imigração que não convenceram os críticos.

Outra voz pró-UE foi da líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP), Nicola Sturgeon, que refletiu a opinião dos escoceses - estes votaram em massa a favor da permanência na UE.

Já o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, nunca abandonou sua conhecida posição de eurocético. Ele havia dito anteriormente que "não amava" a UE e avaliava que o bloco precisava mudar para "melhorar as condições de vida e emprego" em todo o continente.

Falta de amor

Na esquerda do partido, muitos consideram a UE uma instituição neoliberal que promove os interesses do mercado às custas do cidadão comum.

O exemplo mais recente disso teria sido a agenda de austeridade imposta à Grécia pela troika - a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional -, que contou com apoio total da chanceler alemã, Angela Merkel.

Como Corbyn, a esquerda britânica nunca teve apreço pela UE, apesar das legislações do bloco na área de proteção de direitos humanos - e das mulheres em particular - , meio ambiente e emprego.

E embora o eleitorado mais jovem (até 50 anos) tenha votado claramente pela permanência na UE, não se viram caras jovens defendendo as oportunidades profissionais, de estudo e pessoais ao alcance de qualquer britânico em 27 outros países vizinhos.

Medo x esperança

Veio então o "orçamento de emergência" do chanceler George Osborne, prevendo aumentos de impostos e cortes nos serviços públicos para cobrir um rombo de 30 bilhões de libras (cerca de R$ 150 bilhões) nas contas públicas em caso de saída.

O cálculo, extremamente difícil de se fazer dadas as variáveis desconhecidas, foi rapidamente taxado pelos críticos de tentativa descarada de fazer ameaças com previsões furadas.

Mais importante: ficava claro para o eleitorado que havia pouco interesse do lado pró-UE em apresentar razões positivas para permanecer no bloco.

Ironicamente, o bordão que proclamava o 23 de junho como "Dia da Independência" do Reino Unido se mostrou um mote muito mais otimista e carregado de esperança.

Isso apesar de esta visão ser contestada pelas principais publicações econômicas e instituições do mundo - que esperam, ao contrário, tempos de incerteza para o Reino Unido.

Notícias relacionadas