'Quem for pego roubando será punido severamente': o cartaz anticrime atribuído ao Comando Vermelho

Cartaz anti-roubo em favel de São Gonçalo, no Rio
Image caption Cartazes foram espalhados com mensagesns proibindo roubos em favela do Rio

Mochila na frente do corpo, homens escoltando mulheres até o ponto de ônibus e nada de usar celulares na rua. Essa é a rotina de muitos moradores de diferentes comunidades do município de São Gonçalo, no Rio de Janeiro, para evitar os constantes assaltos na região.

Em meados de junho, porém, cartazes começaram a ser colados em postes com uma nova "lei" para o local. A mensagem, atribuída à facção criminosa Comando Vermelho - que comanda o tráfico de drogas na região - proíbe assaltos aos moradores de São Gonçalo.

"A partir dessa data 06/07/2016 quem for pego roubando na região será punido severamente", diz um trecho do texto. O aviso prossegue com a ameaça: "Se matar inocente vai pagar com a vida."

Os autores da mensagem e os responsáveis pela sua divulgação não foram identificados.

Os cartazes foram colados em postes e muros de áreas de grande circulação de pessoas da Vila Candoza, Morro da Dita e Complexo do Anaia, todos em São Gonçalo. As mensagens foram espalhadas até mesmo dentro de uma escola pública e de estabelecimentos comerciais.

Uma professora que trabalha no local e pediu para não ser identificada afirmou à BBC Brasil que não sabe dizer quem colou as mensagens, mas afirma que a situação preocupou os funcionários. "De qualquer forma, o tráfico influencia os alunos", afirma ela.

Image caption Trecho de cartaz especifica em quais bairros e o que é 'proibido' roubar em São Gonçalo

Moradores ouvidos pela reportagem disseram que a impressão é de que o número de assaltos teve uma leve queda logo após o aparecimento dos cartazes, mas logo voltou a ser uma rotina no bairro. Há novos relatos de roubos de veículos.

O comando da Polícia Militar que faz o patrulhamento na região de São Gonçalo afirmou o bairro de Anaia recebeu reforço policial após um mapeamento da criminalidade no local.

Um leitor de um site de São Gonçalo comentou que a notícia não traz novidade: "A notícia não é novidade, isso existe desde quando eu era criança. Alguns ladrões levavam tiro nas mãos por roubar na comunidade onde morava, reincidência era morte, existia uma série de regras. O que está acontecendo hoje em dia é que com avanço da tecnologia móvel e da conexão coletiva, todo mundo é um repórter individual".

Segundo uma leitora do Ceará, o fenômeno não é exclusivo do Rio de Janeiro. "Aqui em Fortaleza, apareceram avisos assim em várias comunidades. E eu bem eu vou me mudar para uma comunidade. Preciso de segurança".

Outro leitor concluiu: "Fica o recado para o sétimo batalhão! "Quem não dá assistência abre concorrência".