O restaurante que transforma sobras de comida dos Jogos em jantar gourmet para sem tetos
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

O restaurante que transforma sobras de comida dos Jogos em jantar gourmet para sem tetos

Com mais de 10 mil atletas no Rio para os Jogos, imagine a quantidade de comida que foi necessária para alimentar a tanta gente.

E imagine o quanto disso não teria sido desperdiçado, como em qualquer outro tipo de serviço do gênero.

Um projeto inaugurado no Rio durante os jogos está usando os excessos de alimentos da Rio 2016 para fazer jantares gourmet para moradores de rua e outras pessoas em situação de necessidade.

O Reffetorio Gastromotiva, no bairro da Lapa, no Centro do Rio, é uma iniciativa conjunta da ONG do chef italiano Massimo Bottura, Food for Soul, e da ONG brasileira Gastromotiva.

Bottura é dono da Osteria Francescana, em Modena, que foi considerado restaurante número 1 do mundo no último ranking da prestigiosa revista Restaurant.

Ele esclarece que não se tratam de restos de comida, e sim de ingredientes que teriam sido desperdiçados, como vegetais considerados fora dos padrões para venda em supermercados. "Estamos falando de um tomate feioso, uma abobrinha imperfeita, mangas já maduras ou pão para fazer farinha de rosca", exemplifica.

Com o fim da Olimpíada, o serviço continuará recebendo alimentos de distribuidores com que tem parceria - além de chefs que já se solidarizaram para mandar ingredientes para lá.

O espaço foi concebido como como um restaurante-escola, com funcionários treinados pela ONG Gastromotiva - que agregarão ao aprendizado as dicas de chefs de renome convidados para cozinhar. Desde a inauguração no último dia 9, já passaram por lá chefs como Alex Atala, Roberta Sudbrack, Rafa Costa e Silva e o venezuelano Carlos García.

O espaço por enquanto funciona só para o jantar, servido gratuitamente a pessoas carentes. A partir de novembro, abrirá para o almoço para clientes que possam pagar, custando por R$ 36 por pessoa. A ideia é que a arrecadação do almoço ajude a subsidiar o serviço à noite.

Júlia Dias Carneiro, correspondente da BBC News no Rio de Janeiro, foi até lá conferir.

Cinegrafista: Nadia Sussman

Edição: Ana Terra Athayde

Fotografias do projeto cedidas por Angelo Dal Bó

Tópicos relacionados