Choro, Deus e desculpas: defesa e acusação de Dilma fazem seus últimos discursos no Senado

Eduardo Cardozo e Janaina Paschoal durante processo de impeachment de Dilma Direito de imagem Getty Images
Image caption Eduardo Cardozo e Janaina Paschoal fizeram seus últimos discursos no processo de impeachment de Dilma

Terminou no início da tarde desta terça-feira a última apresentação da defesa e da acusação de Dilma Rousseff durante o julgamento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado.

A manhã começou com o discurso do advogado de acusação Miguel Reale Junior. Para ele, a presidente teve "irresponsabilidade larga" e deve ser punida.

Em seguida, a advogada de acusação e autora do processo de impeachment em julgamento, Janaina Paschoal, chorou durante seu discurso e afirmou que fez o pedido de impeachment "também pensando nos netos dela (Dilma)".

Antes de encerrar seu discurso, Paschoal ainda fez um pedido de desculpas a Dilma Rousseff e disse que "foi Deus que fez com que, ao mesmo tempo, várias pessoas percebessem o que estava acontecendo no país".

Direito de imagem Agência Senado
Image caption Janaina Paschoal chora, fala de Deus e pede desculpas em discurso de acusação contra Dilma

"Muito embora eu esteja convicta de que estou agindo certo, reconheço que minhas atitudes podem gerar sofrimento. Mesmo estando certa eu peço desculpas à senhora presidente da República Não por ter feito o que era devido, porque eu não poderia me omitir diante de tudo disso. (Mas) porque sei que a situação que ela está vivendo não é fácil (...) e lhe causei sofrimento. Fiz isso pensando também nos netos dela."

Para Paschoal, a defesa "não tem argumentação para fazer frente" à acusação, e por isso insiste na tese de que, no caso das "pedaladas", não se tratava de operações de crédito.

'Pena de morte política'

Já o advogado de defesa de Dilma e ex-ministro da Justiça de seu governo, José Eduardo Cardozo, fez o seu discurso no início da tarde, repetindo a tese de que não haveria dolo nas operações de que a presidente afastada é acusada.

Cardozo pediu aos senadores que "não aceitem que nosso país sofra um golpe parlamentar" e que "Dilma não sofra a pena de morte política". Assim como Paschoal, ele também citou Deus em seu discurso.

"Peço a Deus que, se Dilma for condenada, um novo ministro da Justiça tenha a dignidade de pedir desculpas a ela. Que a história absolva Dilma Rousseff se vossas excelências quiserem condená-la. Mas, se quiserem fazer justiça aos que sofreram violência de Estado, julguem pela justiça. Não aceitem que nosso país sofra um golpe parlamentar. Para que Dilma não sofra a pena de morte política", disse Cardozo.

Ele prosseguiu dizendo que "podem acusar Dilma de ter se equivocado", mas que seu afastamento "atinge a honra de uma mulher digna", que "incomodou as elites" e que está sendo alvejada também por seu gênero.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Cardozo pediu para que os senadores não aceitem que Dilma sofra um "golpe parlamentar"

"Mulheres quando são corretas e íntegras, são duras. Mulheres, quando se equiparam em suas disputas com os homens, são autoritárias", criticou

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, fez um intervalo de uma hora para almoço. Em seguida, os senadores começaram a discursar.

A previsão do ministro do STF é de que a votação nominal dos senadores, que vai decidir se Dilma será afastada definitivamente do cargo ou voltará para o governo, só ocorrerá na quarta-feira.

'Populismo' e 'farsa'

O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), relator do processo que tramitou na comissão especial do impeachment no Senado, foi um dos primeiros a discursar.

Ele repetiu a conclusão de seu relatório, de que houve crime de responsabilidade fiscal por parte de Dilma, argumentando que decretos suplementares só poderiam ter ocorrido com autorização do Congresso e sem prejudicar a meta fiscal.

Foi rebatido por Jorge Viana (PT-AC), que negou a responsabilidade de Dilma e disse que ela apresentou os argumentos disso diante dos senadores na véspera.

Pouco depois, o senador Alvaro Dias (PV-PR) reiterou que há "pressuposto político e jurídico" e "crime de responsabilidade" para justificar o impeachment.

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) disse durante seu discurso que se a gestão Dilma tivesse continuidade, "chegaríamos à mesma situação que a Venezuela, onde vivem em condições subumanas, porque implantaram o populismo."

Para a senadora do PT (RN) Fátima Bezerra, o conjunto da obra não poderia servir de pretexto para o afastamento de Dilma. "Não farei parte dessa farsa", disse.

O senador Dário Berger (PMDB-SC) afirmou: "Estamos diante de fatos graves, relevantes com consequências imprevisíveis, este julgamento não é confortável para ninguem", disse o senador.

Remédio constitucional

Direito de imagem Senado Federal
Image caption Senador Fernando Collor (PTC-AL) aproveitou seu discurso para retomar a história de seu próprio impeachment

O 16º a discursar, o senador Fernando Collor (PTC-AL) aproveitou seu discurso para retomar a história de seu próprio impeachment, em 1992. "Condenaram-me politicamente em meio a tramas e ardis de uma aliança de vários vértices", disse ele, complementando que "foi simulada uma crise política e de governabilidade".

Collor complementou que hoje a situação é completamente diversa. Segundo ele, o impeachment "é um remédio constitucional de urgência no presidencialismo, quando o governo, além de cometer crime de responsabilidade, perde as rédeas do comando político". O senador afirmou ainda que "o governo afastado transformou sua gestão em uma tragédia anunciada."

Ele finalizou citando dois documentos divulgados na época de seu impeachment - um assinado por MST, CUT e UNE e o segundo, pela OAB, que falava que o país não vivia o clima de golpe, "mas que o povo desejava descência e firmeza no trato da coisa pública".

Em seguida, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) usou parte de seu tempo para reforçar o que qualificou como misogenia no julgamento de Dilma, afirmando que há "sentimentos machistas não suficientemet domados" em relação a uma presidente que é mulher "e mulher sem marido". E questionou: "Não teria sido diferente o comportamento da maioria se em vez de uma presidenta estivéssemos julgando um presidente?" "Eles querem mandar a mulher de volta pra casa, de preferência para a cozinha."

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse que o julgamento é um erro crasso, "desses que nos cobrarão um preço alto e amargo, agora e por muitos anos ainda por vir".

'Inversão de valores'

Direito de imagem AFP
Image caption Aécio Neves (PSDB-MG) criticou Dilma e elogiou Janaína Paschoal

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) criticou a defesa do governo durante o julgamento dizendo estar "testemunhando uma absoluta inversão de valores". "(Dilma) não teve coragem de assumir seus erros e acusa a oposição de desestabilizar seu governo. Eles atacam a imprensa, mas nada falará mais alto do que os autos que estamos julgando hoje."

Aécio elogiou a advogada Janaína Paschoal, que, segundo ele, foi alvo de uma campanha para "desqualificá-la". "O Brasil reverenciará vossa excelência por muitos anos por permitir ao país ter uma nova chance."

Derrotado pela presidente afastada nas últimas eleições, o senador também negou a acusação de que se recuse a aceitar esse fato. "Ao contrário do que dizem, aceitei o resultado, mas não as ilegalidades."

"É hora de olhar pra frente, pensar no dia seguinte. O Brasil precisa de reformas estruturantes que exigirão coragem do próximo governo."

Líder do partido Rede Sustentabilidade no Senado, Randolfe Rodrigues (AP) criticou o governo Dilma, disse que o PT cometeu erros, mas que isto não pode fazer com que "se condene uma inocente".

Assim, declarou ser contra o impeachment, manifestando uma posição distinta do principal nome de sua legenda, a ex-senadora Marina Silva, que já disse publicamente acreditar que Dilma cometeu um crime de responsabilidade.

Rodrigues ainda fez duras críticas ao presidente interino Michel Temer, que, de acordo com ele, "conspirou nos bastidores, nos porões, para ascender ilegitimamente ao cargo".

Finalizou declarando que não entregará o governo "para que ele implante um programa de retrocessos sociais" e "não existem atalhos como este que o PMDB quer percorrer."

'Farsa' e 'desmandos'

Direito de imagem Agência Senado
Image caption Lindbergh Farias (PT-RJ) disse que processo de impeachment é 'tribunal de exceção'

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) atacou o processo de impeachment, chamando-o de "farsa". "Todos aqui sabem que não houve crime de responsabilidade, que isso aqui é um pretexto, um tribunal de exceção montado para condenar uma inocente", disse ele, acrescentando que o Senado "não tem moral" para realizar este julgamento.

"A intenção é estancar a sangria da Lava Jato. A história será implacável com todos que votarem a favor desse impeachment, assim como fez com torturadores e ditadores. Vamos lutar, e chegará um dia em que uma sessão do Senado anulará o que está acontecendo aqui."

Ana Amélia (PP-RS), uma das principais vozes a favor do impeachment no Senado, disse que a "história falará de um governo ignorou riscos e que se achou tão forte que menosprezou o Congresso" e mostrará que "ninguém está acima da lei".

A senadora destacou que a mídia "foi atacada por cumprir zelosamente seu papel de informar" e que se trata de um "processo constitucional e democrático, a base da construção de um novo futuro para o país".

Ainda disse que a defesa de Dilma foi "combativa" e "corajosa", mas fez críticas ao seu governo por uma "gastança irresponsável" e, citando também o governo Lula, afirmou que houve "um projeto de poder, em vez de um projeto de país".

"Pedaladas fiscais e decretos ilegais são apenas um ponto fora da curva dos desmandos de Dilma e Lula. Nas próximas eleições, o PT pagará o preço pelos erros cometidos", disse Ana Amélia, manifestando voto a favor do impedimento.

'Governo deu argumentos'

Direito de imagem Agência Senado
Image caption O senador Cristovam Buarque disse que votará 'tristemente' pelo impedimento de Dilma

Cristovam Buarque (DF), líder do PPS no Senado, disse ter tentado evitar ao máximo que o país chegasse a este momento, mas que votará "tristemente" pelo impeachment, porque "o governo deu argumentos".

"Votar pela volta do governo Dilma seria perdoar os erros, reentregar a máquina pública ao aparelhamento partidário, tolerar o uso de de mecanismos fiscais que ferem as leis e referendar forças políticas arcaicas", disse Buarque.

"Minha atitude rompe com velhas amizades, mas não estou mudando de lado. Estou olhando para a frente, estou avançando. Por responsabilidade com o país, não posso me acomodar."

O senador ainda ressaltou que, se o impedimento de Dilma for aprovado, não aderirá ao governo de Michel Temer, mas o vigiará.

Em seguida, o senador José Agripino (DEM-RN) subiu à tribuna e defendeu a legalidade do processo de impeachment e criticou Dilma por "deixar de responder a perguntas feitas ontem por senadores".

"Ficou patente na vinda da presidente, pela falta de respostas convincentes, que houve crime de responsabilidade", afirmou ele, dizendo em seguida votará pelo impedimento.

Por sua vez, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) defendeu que o governo Dilma cometeu crimes, mas ressaltou que cabe aos políticos assumir sua "parcela de culpa" e realizar uma reforma política para mudar um "sistema falido" e evitar uma nova crise.

"Chegamos aos instantes finais de um processo doloroso e traumático, mas profícuo em ensinamentos. Depois de amanhã, a história começará a ser escrita sob uma nova luz. Cumprimos nosso dever e o fizemos pensando no melhor para o Brasil."

A sessão com um imprevisto. A princípio, Romário Faria (PSB-RJ) não discussaria, mas o ex-jogador de futebol se inscreveu já de madrugada e foi o 63º e último senador a falar.

"Não é algo que faço com alegria, mas com serenidade. Não resta dúvida de que houve crime e o que determina a lei. Voto pelo impeachment da presidente."

Após 17 horas, Lewandowski encerrou o quinto dia de julgamento no Senado. A sessão será retomada nesta quarta-feira, às 11h, quando os senadores votarão para decidir o futuro de Dilma Rousseff.

Notícias relacionadas