Por que parte da esquerda rejeita e parte da direita passou a apoiar saída de Temer?

Manifestantes na avenida Paulista Direito de imagem Reuters
Image caption Com andamento da crise política, movimentos têm mudado de posição

Nem todos os grupos à esquerda aderiram ao "Fora, Temer", e nem todos os ativistas à direita acham que o presidente deve permanecer no poder para levar adiante suas reformas econômicas.

Conforme a crise política se torna mais complexa, movimentos e ativistas nos dois polos ideológicos têm rejeitado posições que antes pareciam dominantes em cada campo.

Um dos principais formuladores da política externa do governo Lula e hoje assessor do PT no Senado, o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães foi um dos primeiros expoentes da esquerda a se posicionar publicamente contra o "Fora, Temer".

Em artigo publicado em maio, ele escreveu que "quanto mais cedo Michel Temer deixar o poder, pior será para a oposição, pois sua saída acelerará a aprovação das reformas" trabalhista e previdenciária.

Segundo o embaixador, "a queda imediata de Temer atende aos interesses das classes hegemônicas, assim como ocorreu com o afastamento de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara".

Guimarães defende retardar a saída de Temer para fragilizá-lo e dificultar a votação das reformas.

Na terça-feira, num sinal do enfraquecimento de Temer após a delação da JBS, a oposição e alguns membros de partidos da base governista rejeitaram a proposta da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. O resultado, porém, não freia a tramitação da proposta.

Levando em conta as posições oficiais das siglas de esquerda, o discurso de Guimarães só encontra eco no pequeno Partido da Causa Operária, que em sua história só conseguiu eleger um único filiado: um vereador em Benjamin Constant (AM), em 2004.

Desde 2016, o partido critica a palavra de ordem "Fora, Temer" e prega que a esquerda se mobilize não só contra o presidente, mas "contra todos os golpistas".

"A euforia pelo 'Fora, Temer!' tomou conta da esquerda pequeno-burguesa", diz o partido em nota divulgada neste ano. Segundo a sigla, se não houver eleições diretas após uma eventual queda do presidente, sua saída abriria o caminho para "um governo ainda mais direitista".

Direito de imagem Reuters
Image caption Para embaixador, saída de Temer pode levar a governo 'ainda mais direitista'

Fica, Temer?

Para Aldo Fornazieri, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), embora quase todos os partidos e movimentos na esquerda defendam publicamente a saída de Temer, apenas parte do grupo deseja realmente que isso ocorra.

Ele afirma que só tem se empenhado pela queda do presidente a esquerda mais ligada a movimentos sociais e sindicatos.

Fornazieri, que estuda a esquerda brasileira e militou no extinto Partido Revolucionário Comunista nos anos 1980, diz que a maioria dos defensores do "Fora, Temer" estão hoje agrupados nas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Já o PT, segundo o professor, não tem se esforçado pela saída do peemedebista - ainda que a senadora e nova presidente do partido, Gleisi Hoffmann (PR), diga que a queda de Temer é prioridade.

Fornazieri avalia que esse é um "discurso para o público externo", mas que o PT adota uma postura dúbia.

Direito de imagem Agência Brasil
Image caption Um dos principais organizadores das passeatas pelo impeachment de Dilma, Vem Pra Rua passou a pedir a renúncia do presidente

Durante o julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE, o PT e vários movimentos de esquerda não pediram que o presidente fosse removido do cargo. A dupla foi absolvida por quatro votos a três.

Segundo Fornazieri, no fundo, o PT prefere "deixar que Temer sangre até o fim" do mandato.

Há ainda, segundo o professor, o temor de que a saída do presidente permita a reorganização do governo e produza uma candidatura competitiva para 2018. Já a permanência de Temer, diz Fornazieri, deixaria o caminho mais livre para a oposição na próxima eleição.

O professor cita ainda outro possível motivo pelo qual, segundo ele, o PT titubeia quanto ao "Fora, Temer". Na terça-feira, o líder do partido na Câmara, Carlos Zarattini (SP), afirmou ao jornal Estado de S.Paulo que seria "um equívoco" o PT "torcer" pela prisão do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG).

"Não podemos torcer por um ataque sem nenhum princípio às pessoas", disse ele.

Segundo Fornazieri, a fala é um sinal de que "talvez por baixo do pano se busque costurar um acordo para salvar as figuras de todos os partidos envolvidos na Lava Jato" - arranjo que incluiria a permanência de Temer no poder.

Direito de imagem EPA
Image caption Delação da JBS fez com que parte da direita passar a pedir a saída de Temer

Delação da JBS

Já na direita, a delação da JBS e o julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fizeram com que alguns movimentos e figuras que evitavam pedir a saída de Temer passassem a demandá-la abertamente.

Autores do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, os juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaina Paschoal pertencem ao grupo.

"Entendo que o presidente deveria deixar o cargo, de preferência por meio de renúncia, para não prejudicar ainda mais o país", diz Paschoal à BBC Brasil.

Professora de direito da USP, ela afirma que a divulgação do diálogo entre Temer e o empresário Joesley Batista, da JBS, e a revelação de que Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor do presidente, recebeu uma mala de dinheiro da companhia tornaram insustentável a permanência do peemedebista.

Um dos principais organizadores das passeatas pelo impeachment de Dilma, o movimento Vem Pra Rua também passou a pedir a renúncia do presidente.

Em dezembro, o líder do movimento, Rogério Chequer, disse à BBC Brasil que o grupo não tinha "nenhum interesse em tirar Temer do poder".

Mas a porta-voz do movimento Adelaide Oliveira diz que o grupo mudou de ideia a partir do julgamento da chapa Dilma-Temer pelo TSE, por avaliar que havia provas para a cassação da dupla.

Já o Movimento Brasil Livre (MBL), outro grupo que pressionou pelo impeachment de Dilma, chegou a engrossar o coro pela saída do presidente após a divulgação do encontro entre Temer e Joesley, mas recuou alegando que as gravações eram "inconclusivas".

O MBL não respondeu a um pedido de entrevista sobre o tema. Nas redes sociais, o movimento tem defendido o avanço das reformas propostas pelo presidente.

Para Oliveira, do Vem Pra Rua, "as reformas não são desculpas para a permanência de Temer no poder".

"As pessoas confundem pessoas com instituições ou cargos. (Se Temer sair), o governo vai continuar existindo e deve continuar cumprindo seu papel", afirma.