Percepção positiva do Brasil só não caiu mais que a dos EUA, diz pesquisa da BBC

Celebrações do Dia Nacional do Canadá Direito de imagem EPA
Image caption O Canadá foi o país com maior imagem positiva no levantamento da BBC

Visões negativas sobre a influência do Brasil no mundo só não pioraram mais que a dos Estados Unidos, de acordo com uma pesquisa encomendada pelo Serviço Mundial da BBC ao instituto americano GlobeScan.

Cerca de 18 mil pessoas em 19 países foram entrevistadas para expressar sua opinião sobre 16 países e a União Europeia como um todo - as perguntas pediam para classificar os países como influências negativas ou positivas no mundo.

As entrevistas ocorreram entre dezembro de 2016 e abril deste ano - justamente o período de recrudescimento da crise política brasileira e os escândalos de corrupção.

"A metodologia de pesquisa não pediu o detalhamento nas respostas, mas acreditamos que os problemas enfrentados pelo Brasil se refletem nessa mudança de percepção. No panorama geral, ainda há mais gente vendo o Brasil de forma positiva do que negativa, só que o quadro está se deteriorando", explica à BBC Brasil Lionel Bellier, diretor-associado do GlobeScan.

Os americanos apresentaram a maior queda de percepção em relação a 2014, o ano mais recente em que a pesquisa foi realizada, com apenas 34% dos entrevistados considerando a influência do país no mundo positiva, cinco pontos percentuais a menos que há três anos. O Brasil registrou 38%, seis pontos a menos do que na pesquisa anterior.

E o percentual geral de entrevistados considerando a influência do Brasil negativa aumentou de 28% para 30%. Dos 16 países postos à prova, o Canadá foi considerado o mais positivo, algo declarado por 61% dos entrevistados. O pior foi o Irã, com 15%, que ficou atrás até da Coreia do Norte (17%).

No geral, o Brasil ficou em oitavo lugar em termos de percepções positivas, perdendo uma posição em relação a 2014.

"Chamou nossa atenção também que o Brasil, apesar de ter sediado os dois maiores eventos esportivos do planeta (a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016), registrou diminuição de percepção positiva. Isso não aconteceu com a África do Sul (sede da Copa de 2010) ou o Reino Unido (Londres foi a cidade olímpica de 2012). Os eventos negativos dos últimos três anos no Brasil conseguiram anular esses efeitos", completa Bellier.

Entre os 18 países que tiveram pessoas entrevistadas, oito mostraram uma opinião mais positiva do que negativa do Brasil, enquanto cinco mostraram indecisão e outros cinco apresentaram tendências negativas. França e Reino Unido apresentaram maior rejeição internacional (43%), enquanto os próprios entrevistados brasileiros registraram a maior percepção negativa da influência do país no mundo (64%).

Trata-se da estatística mais pessimista desde que a medição começou a ser feita, em 2008. Em 2012, por exemplo, o percentual de percepção positiva dos brasileiros chegou a 88%.

"Mais do que qualquer outro resultado, essa queda dentro de casa é que deveria deixar o governo brasileiro mais apreensivo. Ela reflete falta de confiança no país. Mesmo nações que apresentaram queda neste ano na percepção internacional, como os EUA, tiveram um nível doméstico de positividade grande, um senso de orgulho. A pesquisa mostra que os brasileiros não estão orgulhosos de seu país", diz Bellier.

Direito de imagem AFP
Image caption Ebulição no Brasil pode estar por trás de queda nas percepções

Em 2014, 66% dos brasileiros consideravam positiva a influência do Brasil no mundo.

O país mais "simpático" ao Brasil foi a China, que apresentou 57% de percepção positiva.

Apenas um outro país latino-americano participou da pesquisa. E o Peru registrou também uma queda acentuada de percepção sobre o Brasil. Em 2014, 61% dos entrevistados do país consideravam positiva a influência do Brasil no mundo. O percentual agora é de apenas 48%, o que pode ser reflexo das denúncias de corrupção envolvendo empreiteiras brasileiras no país - em fevereiro, o ex-presidente peruano Alejandro Toledo teve prisão preventiva decretada, acusado de receber US$ 20 milhões em propina da Odebrecht.

Nos Estados Unidos e no Canadá, o Brasil pela primeira vez teve a percepção geral tendendo para negativa: nos dois países, houve queda acentuada entre os que consideram positiva a influência do país no mundo. Nos EUA, o percentual de entrevistados que consideram a influência brasileira negativa saltou de 23 para 39.

Direito de imagem Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
Image caption Quase dois terços dos entrevistados brasileiros consideraram negativa a influência do país no mundo

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas