Temer deixa G20 sem ter realizado nenhum encontro fechado com outro líder

Michel Temer Direito de imagem AFP
Image caption Desde 2009, um presidente brasileiro não deixava o evento sem realizar reuniões bilaterais com líderes do G20

Sob o risco de perder o cargo, o presidente Michel Temer encerrou neste sábado sua rápida passagem pela cúpula do G20 em Hamburgo, na Alemanha, sem ter participado de nenhum encontro bilateral com outros chefes de Estado. Ele inclusive retornou ao Brasil antes do encerramento, perdendo o último almoço com as demais autoridades.

O G20 é formado pelas maiores 19 economias do mundo e a União Europeia. O encontro anual do grupo, organizado desde 2008, costuma ser uma oportunidade para os principais líderes mundiais realizarem encontros fechados.

O presidente argentino, Mauricio Macri, por exemplo, teve reuniões com o recém-eleito presidente francês, Emmanuel Macron, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e o primeiro-ministro de Cingapura, Lee Hsien Loong.

O maior destaque ficou por conta do primeiro encontro entre os atuais presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin, que durou mais de duas horas.

Antecessora de Temer, a ex-presidente Dilma Rousseff manteve agendas bilaterais nas cinco cúpulas do G20 das quais participou, ocasiões em que se reuniu com líderes de países como Alemanha, Índia, China, Rússia, Canadá, Espanha, Argentina, Itália, Turquia, entre outros.

Levantamento realizado pela BBC Brasil a partir de registros do Palácio do Planalto indica que, desde 2009, um presidente brasileiro não passava pelo G20 sem realizar reuniões bilaterais.

Naquele ano, o encontro em Pittsburgh, nos Estados Unidos, foi realizado em setembro, logo após a Assembleia Geral da ONU, em Nova York, onde o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva já havia realizado encontros com líderes de cinco países (Espanha, Nova Zelândia, Ucrânia, Hungria e Irã).

O próprio Temer realizou no encontro do G20 de 2016, na China, quatro reuniões bilaterais, com líderes de Japão, Itália, Espanha e Arábia Saudita. Na ocasião, ele havia acabado de ser confirmado no cargo, após a condenação de Dilma no processo de impeachment.

Dessa vez, ele próprio enfrenta uma grave crise política e chegou a anunciar que não iria ao G20 - mas recuou e acabou confirmando sua presença na segunda-feira, poucos dias antes do início do evento, na última sexta-feira.

Decisão em cima da hora

Direito de imagem Getty
Image caption Encontro anual do G20, que é formado pelas maiores 19 economias do mundo mais a União Europeia, é realizado desde 2008

Analistas ouvidos pela BBC Brasil entendem que esse foi o principal motivo que impediu a programação de reuniões bilaterais. Um almoço que ocorreria com a chanceler Angela Merkel em Berlim antes da cúpula acabou desmarcado.

"Entendo que a decisão de vir aqui foi feita em cima da hora. Claramente, dada a situação política do Brasil nesse momento, ele sente muita pressão para lidar com sua agenda doméstica. Então, não acredito que seja um reflexo de outros chefes de governo (tentando evitar Temer)", disse à BBC Brasil Thomas Bernes, do Centro Internacional para a Inovação na Governança, que estava presente na cúpula como integrante do T20, uma agremiação de think tanks (instituições de pesquisas) sobre o G20.

"Essas agendas (bilaterais) são organizadas cedo. Cada líder tem muito pouco tempo, e esses são encontros críticos para os países. É burocrático marcar, então, tentar organizar algo no último minuto é muito difícil. Você acaba tentando pegar alguém no café ou nos drinks depois da orquestra (os líderes assistiram a um concerto na sexta)", observou.

Foi o que aconteceu com Temer. Nos intervalos das reuniões do G20, ele teve conversas rápidas, de alguns minutos, com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, o presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente americano, Donald Trump.

Essas conversas são diferentes de encontros reservados, marcados previamente, que permite uma discussão mais consistente e indica mais compromisso dos países com a agenda em discussão.

Além disso, Temer também se reuniu com Macri e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, compromisso que já estava previamente previsto na agenda do presidente argentino. O encontro serviu para conversas sobre as negociações, que já se arrastam há algum tempo, para um acordo comercial entre Mercosul e União Europeia.

'Êxito'

Questionada sobre a falta de reuniões bilaterais, a Secretaria de Comunicação da Presidência citou as conversas informais e esse encontro para avaliar a viagem como muito "exitosa".

Destacou também que Merkel o convidou para retornar à Alemanha - os dois ainda não tiveram qualquer encontro bilateral. Em pouco mais de um ano de governo, Temer e Merkel nem mesmo trocaram um telefonema. A alemã encontrou Dilma anualmente durante o governo da petista.

O professor de relações internacionais da FGV Oliver Stuenkel também considera que Temer haver chegado a anunciar que não iria ao G20 foi o principal motivo da ausência de encontros bilaterais.

Direito de imagem Reuters
Image caption Presidentes dos EUA e do Brasil conversaram apenas brevemente em Hamburgo

Ele considera, porém, que diante da grave crise política que o governo atravessa, reuniões desse tipo não teriam gerado tantos benefícios ao país. Segundo ele, os sinais de que aumentou o risco de queda de Temer atrapalham o diálogo de longo prazo com outros países.

"Na negociação de política externa, sua credibilidade depende da sua capacidade de assegurar que você de fato estará lá para implementar o que está propondo. Além disso, o Brasil não tem muita capacidade de prestar atenção nessas questões internacionais agora. Esse governo dedica 80% do seu tempo para sua própria sobrevivência", afirmou.

Importância dos encontros

Segundo Stuenkel, encontros bilaterais são importantes para estabelecer um contato mais direto com os outros líderes, o que pode ser útil em momentos de crise, na negociação para que o país ocupe cargos importantes em organismos multilaterais e até mesmo para construir uma narrativa positiva sobre o país para atração de investimentos.

"A relação pessoal é fundamental para o caso de surgir um problema específico. Por exemplo, um tema relevante para o Brasil discutir nesse momento é a Venezuela. Seria importante Temer saber o que de fato o Trump está pensando sobre essa crise", observou.

Temer ainda não teve um encontro oficial com Trump - o americano já se reuniu com outros líderes latinos como os presidentes de Peru, Argentina e Colômbia. No G20, teve uma reunião bilateral com o presidente mexicano Enrique Peña Nieto.

Alguns analistas, porém, consideram que a baixa popularidade de Temer e as denúncias que ele enfrenta tendem a reduzir o interesse de outros líderes de manter encontros com ele. "Poucos participantes do G20 veriam muito valor em se encontrar com Temer", acredita o especialista em América Latina e presidente emérito do centro de pesquisas Inter-American Dialogue, Peter Hakim.

"A crise de governo, os retrocessos econômicos e os escândalos de corrupção fizeram com que a maioria dos principais países do mundo e agências internacionais se tornasse cautelosa sobre manter relações próximas com o Brasil", destaca.

'Eleição para recuperar brilho'

Para Thomas Bernes, o Brasil está apagado agora, mas pode recuperar o brilho após a eleição de um novo presidente.

"Foi o caso do Canadá, após a eleição de Justin Trudeau, e da França agora, com Macron. Eles foram grandes ativos na melhora da imagem dos dois países. Então, sim, penso que um líder fresco pode trazer uma uma mensagem muito positiva nova e fortalecer a voz do país nas discussões internacionais", notou.

Segundo ele, o Brasil não é o único a ter perdido brilho internacionalmente.

"O Brasil era muito ativo nas discussões e liderava várias delas. Isso está fazendo falta, é triste. Mas o Brasil não é o único (a ter perdido prestígio). O Reino Unido, que tradicionalmente tem sido um líder, está quase invisível aqui", acrescentou.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, perdeu força após o fraco resultado alcançado nas últimas eleições parlamentares e tem a missão de conduzir a difícil saída do Reino Unido da União Europeia..

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas