As imagens do incêndio que há nove dias devasta a Chapada dos Veadeiros

Pessoas olham fogo queimando
Image caption Na Chapada dos Veadeiros, em Goiás, fogo consome parque nacional há nove dias | Foto: Davi Boarato/BBC Brasil

Uma das mais importantes unidades de conservação do país, a Chapada dos Veadeiros, em Goiás, tem sido consumida por um incêndio de grandes proporções há nove dias. Um quarto do parque já foi devastado, a despeito dos esforços de 200 brigadistas que se revezam no combate às chamas, ainda sem controle.

O cenário à noite, com focos de fogo espalhados em meio à vegetação, parece com o de um vulcão em atividade, afirmam eles.

Dois homens tentam controlar fogo
Image caption Voluntários e bombeiros se esforçam para conter o fogo | Foto: Davi Boarato/BBC Brasil
Voluntários e o fogo
Image caption Devastação pelas chamas já destruiu 26% da área da unidade de conservação | Foto: Davi Boarato/BBC Brasil

Segundo afirmou à BBC Brasil o chefe da unidade, Fernando Tatagiba, o incêndio começou com um ato criminoso. "Não existe a possibilidade de combustão espontânea nessa região, e 100% dos incêndios na seca no cerrado são provocados pelo homem".

De acordo com Tatagiba, apenas raios podem ser considerados causa natural de incêndio, mas não chove na área há mais de um mês.

Casa em meio à fumaça
Image caption 'O fogo começou a chegar bem perto da minha casa e dos meus vizinhos', conta fotógrafo | Foto: Davi Boarato/BBC Brasil

A ação humana, porém, tem mostrado sua face positiva diante do incêndio: desde o início do incidente, centenas de mais de 200 pessoas, entre brigadistas e voluntários, têm trabalhado 24 horas por dia na tentativa de conter as chamas.

Elas se revezam no manuseio de abafadores (equipamento em formato de pá que ajuda a apagar o fogo), transporte de água aos locais incendiados e monitoramento do avanço das chamas.

Entre os voluntários está o fotógrafo paulista Davi Boarato, de 34 anos, autor das imagens que ilustram essa reportagem. Há pelo menos uma semana ele se reveza entre a câmera fotográfica e o abafador.

Área atingida pela queimada
Image caption Queimadas se concentram em áreas próximas à Vila de São Jorge | Foto: Davi Boarato/BBC Brasil

"O fogo começou a chegar bem perto da minha casa e dos meus vizinhos. Numa noite, vi o fogo descendo morro abaixo", relembrou o fotógrafo. "Ficamos de 1h até as 8h30 trabalhando, e depois veio outro grupo."

Jardim de Maytrea queimado
Image caption O parque da Chapada dos Veadeiros é um dos mais importantes do bioma cerrado | Foto: Davi Boarato/BBC Brasil
Voluntários entram na mata para combater o fogo
Image caption Brigadistas voluntários se organizam por meio de uma rede de contatos pelas redes sociais | Foto: Davi Boarato/BBC Brasil
Workshop
Image caption Moradores e turistas aprendem a como cuidar dos animais machucados pelo fogo | Foto: Davi Boarato/BBC Brasil

Mobilização

Pessoas estão se juntando para montar kits de alimentos para brigadistas e voluntários. No WhatsApp, grupos trocam informações, uma casa virou uma "central" de mobilização e gente de Brasília está fazendo bate-volta para ajudar.

"O mais triste é ver a fauna se perdendo. Vemos ovos de passarinhos queimados, já marrons. A estrada está um silêncio e há um vazio meio chocante", conta o fotógrafo, que tem acompanhado workshops de funcionários do zoológico de Brasília em seu trabalho de resgate de animais feridos que fugiram das chamas.

Homem avança em mata em chamas
Image caption Operação de combate conta com mais de 100 brigadistas e bombeiros | Foto: Davi Boarato/BBC Brasil

O incêndio no parque nacional levou até mesmo a Nasa, agência espacial americana, a se pronunciar. De acordo com a instituição, o bioma vem sendo devastado de forma mais acelerada que a Amazônia.

A Nasa lamentou o fato e afirmou que a "área é ecologicamente importante não só para o Brasil como para o mundo, com 10 mil espécies de plantas - 45% delas únicas à região".

.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas