Libaneses parabenizam Temer e ironizam 'único libanês' no comando de uma nação

(BBC)
Image caption Prefeito de cidade libanesa diz esperar que vice-presidente 'una o país'

Sem presidente há dois anos, libaneses festejaram a substituição interina de Dilma Rousseff por Michel Temer e aproveitaram para ironizar o "único libanês" no comando de uma nação.

Temer, que tem origens libaneses da pacata cidade de Btaaboura, no norte do país, assumiu a Presidência interinamente nesta quinta-feira depois de o Senado aprovar, por 55 votos a favor e 22 contra, a abertura do processo de impeachment contra a petista.

Em entrevista à BBC Brasil, Bassam Barbar, prefeito de Btaaboura e primo em segundo grau do Michel Temer, disse esperar que o vice-presidente "una o país".

"Agora que ele (Temer) virou presidente, eu desejo que ele una o Brasil e siga o exemplo de sua cidade ancestral Btaaboura, onde a população é unida e um filho desta cidade sempre busca o melhor. Desejo que ele resolva os problemas dos brasileiros, que estão divididos e precisam de alguém que os una", disse.

"Mandarei uma mensagem para ele dizendo o quanto nós aqui da cidade estamos orgulhosos dele, e esperamos que ele venha nos visitar pela terceira vez, agora como presidente."

Comemoração

Barbar prometeu organizar uma festa para comemorar a chegada à Presidência de Temer.

"Aqui na cidade organizaremos uma festa com dança, música (Dabke), distribuiremos flores e doces para a população", acrescentou.

Políticos e ativistas libaneses também usaram as redes sociais para parabenizar o vice-presidente.

Em sua página no Facebook, Samy Gemayel, líder do partido cristão Kataeb (Falangistas), publicou uma foto de Temer com a frase: "Parabéns ao Líbano pelo novo presidente no Brasil".

Já a ativista Lara Sakr escreveu "Temer é novo presidente do Brasil" acompanhado de emoticons com palmas.

A substituição interina de Dilma por Temer também foi repercutida pela imprensa local. "Michel Temer é novo presidente do Brasil", publicou o jornal An Nahar.

Ironia

Image caption Substituição interina de Dilma por Temer repercutiu nas redes sociais do país

Libaneses também ironizaram a chegada de Temer à Presidência como o único "libanês” no comando de um país. Isso porque o Líbano não tem um presidente desde maio de 2014, quando o então chefe de Estado, Michel Suleiman, terminou o mandato que havia iniciado seis anos antes.

Essa talvez seja a principal razão pela qual o pequeno país árabe tenha acompanhado de perto os desdobramentos da crise política no Brasil.

Desde o início do processo de impeachment agora em curso no Senado, a possibilidade de Temer assumir a Presidência foi assunto constante na imprensa local e entre muitos libaneses.

Mergulhado em uma crise desde 2005 e sem perspectivas de melhora, o Líbano foi abalado um ano depois por uma guerra entre o grupo xiita libanês Hezbollah e Israel e vem enfrentando constantes problemas econômicos e sociais.

O curioso é que nas manchetes em jornais e emissoras do país, a origem libanesa de Temer é sempre lembrada, e em algumas vezes ele é chamado de libanês em vez de brasileiro.

Comentaristas chegam a dizer que a frustração pelo fracasso do Parlamento libanês em eleger um presidente, pelo desemprego, pelos cortes constantes de eletricidade, serviços básicos ineficientes, como a coleta de lixo, e a guerra na vizinha Síria, que afeta o país, faz com que libaneses olhem para a ascensão de Temer como um exemplo de "sucesso" fora do Líbano.

"Um libanês pode assumir a Presidência do Brasil", foi a manchete de 19 de abril de uma reportagem do The Daily Star, o mais importante diário em língua inglesa no Líbano, ignorando o fato de que o peemedebista é, na verdade, natural de Tietê, no interior paulista.

"Michel Temer, um vice-presidente brasileiro de origem libanesa, vê sua hora chegar", definiu o diário libanês L’Orient Le Jour, publicado em francês, em sua edição de 17 de abril.

Recentemente, em um programa de política na emissora libanesa LBC, um comentarista chegou a dizer que era irônico que "um libanês possa assumir a Presidência de um dos países mais importantes do mundo, enquanto o Líbano não tem um presidente há dois anos".

Crises intermináveis

Image caption Imprensa destacou o fato de agora um 'libanês' comandar o país

Enquanto no Brasil tamanho vácuo no poder é impensável, no Líbano a ausência de presidente não é novidade.

Em 2004, o então presidente Émile Lahoud – apoiado pela Síria, que controlava a vida política e mantinha tropas no Líbano desde sua intervenção no país durante a guerra civil, em 1976 – teve seu cargo estendido por mais três anos, levando a uma tensão com o então primeiro-ministro Rafik Hariri e outros partidos políticos.

Hariri foi assassinado em fevereiro de 2005 em um atentado a bomba, o que desencadeou uma profunda polarização no Líbano. De um lado, movimentos políticos acusavam a Síria de estar por trás do atentado e pediam a retirada das tropas sírias. De outro, havia o movimento liderado pelo Hezbollah e que mantinha estreitas relações com o regime sírio do presidente Bashar Al-Assad.

A autoria do atentado sempre foi negada pelo governo sírio, mas amplos protestos em março de 2005, e pressões internacionais, levaram a Síria a encerrar sua presença militar no Líbano após 29 anos. O assassinato de Hariri permanece sendo investigado por um tribunal especial internacional.

Em julho de 2006, o Hezbollah se viu envolvido em uma guerra com Israel que levou à destruição de grande parte da infraestrutura do país, gerando críticas de partidos políticos opositores, aprofundando a polarização política entre movimentos pró e anti-Síria e paralisando o governo. O Parlamento ficou fechado por diversos meses, enquanto o país ainda passava por reconstrução após o combate com Israel.

Lahoud terminou seu mandato em novembro de 2007 e o Parlamento não conseguiu chegar a um acordo para eleger o presidente. No Líbano, um candidato precisa obter dois terços dos votos de 128 deputados para ser eleito. Em 2008, o general Michel Suleiman, ex-comandante das Forças Armadas, foi finalmente eleito após seis meses sem presidente, e governou até 2014. Depois dele, veio o vácuo político.

Muitos libaneses acreditavam que o governo poderia resolver os diversos problemas urgentes: os cortes constantes de eletricidade, a coleta ineficiente de lixo, a distribuição de água, o desemprego e a corrupção. Mas a guerra na vizinha Síria colocou ainda mais pressão sobre um país com poucos recursos e um governo disfuncional.

Em 2011, a Síria viu um levante popular contra o regime de Assad, na onda da Primavera Árabe, se transformar em uma guerra civil, que até o momento já matou mais de 250 mil sírios e levou a um fluxo de refugiados para países vizinhos como a Turquia, Líbano e Jordânia, entre outros.

Somente no Líbano, há mais de 1 milhão de refugiados, o que aumenta a pressão sobre a infraestrutura do país.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas