Grã-Bretanha

Bebê sobrevive após 11 transfusões de sangue ainda no útero

Um bebê britânico sobreviveu após ter sido submetida a 11 transfusões de sangue ainda no útero da mãe e outras duas após seu nascimento prematuro.

Jasmine Tammer, que hoje tem 1 ano e três meses, foi afetada pela chamada doença hemolítica perinatal (ou eritroblastose fetal), na qual anticorpos da mãe destroem as células sanguíneas do bebê, podendo levá-lo à anemia e até à morte por insuficiência cardíaca.

Sua mãe, a enfermeira Melanie Tanner, da cidade de Warsash, foi detectada com a incompatibilidade sanguínea com o feto ainda às nove semanas de gestação.

Durante 16 semanas, ela teve de se submeter quinzenalmente a um procedimento para que fosse injetado sangue no cordão umbilical, o que trazia um risco de aborto espontâneo.

O parto de Jasmine foi realizado às 34 semanas - seis antes do previsto para uma gestação normal.

A menina foi imediatamente transferida para uma incubadora e ainda submetida a outras duas transfusões.

Hoje, segundo a família, o único sinal do sofrimento pelo qual Jasmine passou são algumas pequenas cicatrizes deixadas em sua barriga pelas injeções.

Erro

A doença hemolítica ocorre quando o sangue da mãe tem o Rh negativo e o bebê tem o Rh positivo, mas geralmente não afeta a primeira gravidez.

O risco passa a ser maior a partir do segundo filho, caso a mãe tenha sido exposta ao sangue Rh positivo do primeiro.

Para evitar o problema, a mulher recebe uma série de injeções durante a gravidez.

Melanie Tanner acredita que o problema com Jasmine tenha sido consequência de um erro durante sua gestação anterior, no qual uma das injeções foi esquecida. Isso fez com que seu segundo filho, Owen, nascesse anêmico e necessitasse de uma transfusão de sangue imediatamente.

Jasmine é a terceira filha de Melanie e foi afetada de maneira ainda mais grave que o irmão.

O primeiro filho nasceu sem problemas.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.