Natureza

Fotógrafa registra seres mais antigos do planeta

Galeria de fotos: Os seres vivos mais antigos da Terra

  • La Llareta (Foto: Rachel Sussman)
    A fotógrafa americana Rachel Sussman roda o mundo desde 2004 atrás de seres e organismos que, segundo ela, são os mais antigos do planeta, como a llareta, uma espécie aparentada da salsinha encontrada no deserto do Atacama. (Foto: Rachel Sussman)
  • Welwitschia mirabilis (Foto: Rachel Sussman)
    Em uma viagem à Namíbia, Sussman clicou a Welwitschia mirabilis, uma espécie que só tem duas folhas. Expostas a tempestades de areia, elas acabam parecendo um emaranhado de fitas verdes. (Foto: Rachel Sussman)
  • Baobá  (Foto: Rachel Sussman)
    Este exemplar de baobá foi fotografado por Sussman durante uma viagem à África do Sul e teria mais de 2 mil anos, o que faz dele um dos mais 'jovens' da coleção de fotografias da americana. (Foto: Rachel Sussman)
  • Pinheiros bristlecone (Foto: Rachel Sussman)
    Estes pinheiros bristlecone crescem nas montanhas da Califórnia, e acredita-se que tenham até 5 mil anos de idade. Apesar da longevidade, a espécie não cresce muito, devido às duras condições em que se desenvolve. (Foto: Rachel Sussman)
  • Coral cérebro (Foto: Rachel Sussman)
    Para fotografar este coral cérebro, na costa da ilha de Tobago, próximo a Speyside, a fotógrafa teve que superar o medo do mar aberto e aprender a mergulhar. Acredita-se que ele tenha mais de 2 mil anos. (Foto: Rachel Sussman)
  • Actinobactérias (Foto: Rachel Sussman)
    O projeto levou Sussman ao Instituto Niels Bohr, em Copenhague, na Dinamarca, onde ela fotografou um grupo de actinobactérias que teria nada menos que 500 mil anos e foi encontrado no solo congelado da Sibéria. (Foto: Rachel Sussman)
  • Líquen (Foto: Rachel Sussman)
    Este líquen r. geographicum teria mais de 3 mil anos e foi fotografado em Alanngorsuaq, na Groenlândia. A viagem foi uma dica de cientistas que trabalhavam no local. (Foto: Rachel Sussman)

Do Deserto do Atacama, no Chile, ao Japão e Groenlândia, passando por paisagens submarinas na ilha de Tobago, a fotógrafa americana Rachel Sussman roda o mundo desde 2004 atrás de seres e organismos que, segundo ela, são os mais antigos do planeta.

O projeto começou com uma viagem de Sussman para registrar uma árvore que teria cerca de 2,2 mil anos, na ilha de Yokushima, no Japão. A partir daí, ela teve a ideia de catalogar espécies por sua longevidade.

"Os seres vivos mais antigos do mundo" (The Oldest Living Things, no título original) se transformou em uma exposição itinerante que também gira o mundo.

Sussman estabeleceu dois critérios para a escolha dos seres a serem fotografados: idade igual ou superior a 2 mil anos e vida ininterrupta durante este período.

O que começou como uma curiosidade da fotógrafa acabou virando um trabalho sério, com cientistas contactando-a para dar dicas sobre seres milenares.

Foi assim que ela chegou até a Llareta, no deserto de Atacama, uma espécie aparentada da salsinha que parece um tumor ou uma pedra verde brotando do solo.

Em uma viagem à Namíbia, Sussman clicou a planta welwitschia, uma espécie de árvore que só dá duas folhas e teria mais de 2 mil anos.

Exposta às violentas tempestades de areia do deserto, essas folhas são cortadas e acabam parecendo um emaranhado de fitas verdes.

O projeto levou Sussman ao Instituto Niels Bohr, em Copenhague, na Dinamarca, onde ela fotografou um grupo de actinobactérias que teria nada menos que meio milhão de anos e foi encontrado no solo congelado da Sibéria.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.