O repouso do perdigueiro

Lucas Mendes em ilustração de Baptistão

Há 30 anos, seus críticos diziam que ele estava velho para o cargo. Robert Morgenthau, promotor público de Manhattan, tinha 60 anos.

Aposentou-se aos 90 esta semana e tornou-se o parâmetro pelo qual outros promotores públicos serão medidos, como o prefeito Fiorello LaGuardia tornou-se a medida padrão dos prefeitos de Nova York.

Não só a história de Nova York, mas a história americana do século 20 passa pelos Morgenthau, judeus alemães.

O bisavô fez fortuna fabricando charutos. Imigrou da Alemanha para os Estados Unidos em 1866, mas aqui não teve tanto sucesso nos negócios. O filho dele Morgenthau Sr. foi embaixador dos Estados Unidos no império Otomano durante a Primeira Guerra, e o mais alto funcionário americano que teria sido informado sobre o genocídio dos armênios pelos turcos. Depois da diplomacia fez fortuna em imóveis em Nova York.

O neto foi para a mesma faculdade de Franklin Roosevelt e eram vizinhos de casa em Hyde Park. Quando FDR foi eleito presidente, o vizinho de casa no subúrbio passou a ser também vizinho de mesa noutra casa, a Branca, como Secretário do Tesouro durante a Grande Depressão.

Uma das mais importantes medidas que ele vendeu para o presidente foi subir o preço do ouro - ideia roubada de um professor da faculdade - em 21 centavos para desvalorizar o dólar e aumentar o preço de tudo, em especial de alimentos. Por que 21 centavos?, perguntaram ao presidente. “Porque 3 x 7 são vinte e um”, respondeu. Acharam que era o debochado senso de humor de FDR, mas Morgenthau depois contou que ninguém sabia exatamente porque o aumento foi de 21 centavos. Pura sacação.

E foi dele a ideia do orçamento duplo na Grande Depressão. Um sem déficit, outro, de emergência, brutalmente deficitário para financiar os planos sociais de Roosevelt. Grande parte do sistema de previdência social americano foi desenhado por ele.

Em 44, criou um plano para a Alemanha pós-guerra. O plano vazou e era tão anti-Alemanha que foi usado por Goebells, ministro da Propaganda, para mobilizar o desmoralizado espírito de luta das tropas de Hitler e teria prolongado a guerra por várias semanas. O verdadeiro autor do plano teria sido o vice de Morgenthau, mais tarde preso como espião soviético. Outra boa história, mas Morgenthau caiu em desgraça e foi dispensado por Truman.

Mas nosso personagem é o filho dele, Robert Morgenthau, bisneto do fabricante de charutos, quarta geração de gente que fez.

O Senhor da Lei e Ordem foi nascido e criado em berço de ouro. Quando era adolescente, serviu drinques para Churchill na casa do pai. Apoiou John Kennedy desde cedo e foi nomeado pelo presidente promotor federal do 5º distrito sulista, do qual fazia parte o sul de Manhattan, inclusive a Wall Street. Ele criou a primeira divisão especializada em crimes do “colarinho branco”: evasão de impostos, fraudes, informação privilegiada, contabilidade falsa: “Nova York é a capital mundial das finanças. Precisa transmitir segurança aos investidores”, dizia, e soltava os cachorros federais nos canalhas.

Com um zelo de perdigueiro, perseguiu banqueiros, corretores e contadores, e ele, um milionário, lamentava que seus bandidos ricos fossem vistos com mais simpatia pela sociedade do que ladrões comuns.

Democrata e liberal, jamais pediu a pena de morte para seus suspeitos nos tribunais, mas recebeu um recado logo depois da eleição de Nixon: demita-se ou será demitido.

Morgenthau tentou se eleger governador de Nova York e perdeu por 500 mil votos para Nelson Rockefeller, mas se elegeria nove vezes para promotor de Manhattan, onde ficaria 34 anos, um recorde.

Quando foi eleito, na década de 70, a cidade estava falida. Ele não tinha dinheiro para contratar secretárias, investigadores ou conduzir investigações fora da cidade, mas todas semanas fazia uma caminhada mendicante até a prefeitura e saia de lá com um dinheirinho e promessas.

O orçamento dele multiplicou e, em uma década, ele quadruplicou o número de promotores negros, contratou 25 latinos - o escritório só tinha um - e o número de mulheres subiu de 19 para 129. E também muitos brancos da aristocracia política americana, entre eles John Kennedy Jr. e Andrew Cuomo, filho do ex-governador de Nova York.

O prefeito Rudolph Giuliani e o chefe de polícia William Bratton levam o crédito para a redução do crime em Nova York na década de 90, mas ninguém colocou tantos banqueiros, locatários abusivos, traficantes, chefes de gangues e líderes da Máfia na prisão como Robert Morgenthau. Ele se orgulhava de dois números: seus processos tiveram 73% de condenações, um recorde na cidade, e ele devolveu US$ 175 milhões aos cofres de Nova York, roubados pelos colarinhos brancos de Wall Street e da Máfia.

O personagem do promotor de Law and Order, um dos mais duradouros e bem sucedidos seriados da televisão americana, foi inspirado em Morgenthau, mas neste caso a realidade supera a ficção. Que Mister Lei e Ordem repouse em paz.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.