O criativo mapa que mostra o mundo como realmente é

Mapa criado por Hajime Narukawa Direito de imagem AutaGraph
Image caption Mapa criado por arquiteto japonês Hajime Narukawa busca refletir com precisão as proporções entre continentes e países

O mapa mundi que os alunos usam na escola e consta no Atlas não corresponde extamente à realidade.

Esse mapa, conhecido como projeção de Mercator, mostra a Antártida e a Groenlândia, por exemplo, de forma distorcida e desproporcional.

Um artista e arquiteto japonês desenvolveu uma representação que busca mostrar com precisão as proporções reais entre os países e continentes. A criação foi inspirada no origami, arte milenar japonesa de dobradura de papel.

O mapa se chama AutaGraph e seu autor, Hajime Narukawa, ganhou com a sua criação um dos mais respeitados prêmios de design do Japão, o Good Design Award, concedido pelo Instituto de Promoção de Design Japonês.

Tradicional e problemático

A tradicional projeção de Mercator foi apresentada pela primeira vez pelo geógrafo e cartógrafo flamengo Gerardus Mercator em 1569. Foi ele também que introduziu o termo "atlas" para descrever uma coleção de mapas.

Direito de imagem Wiki commons
Image caption Projeção de Mercator, adotado como principal referência de mapa da Terra, mostra a Groenlândia tão grande quanto a África

O sistema desenvolvido pela projeção de Mercator respeita as formas dos continentes, mas não os tamanhos. Seus mapas ganharam popularidade e foram usados como cartas náuticas, uma vez que permitiam traçar rotas como linhas retas, diferentemente de outras projeções mais precisas.

As distâncias entre os meridianos e paralelos, no entanto, estão distorcidas. E os países e regiões próximas aos polos aparecem em um tamanho muito maior do que o real.

A Groenlândia, por exemplo, aparece quase tão grande quanto a África, sendo que o continente africano tem uma área 14,4 vezes maior.

A técnica de origami

Como Hajime Narukawa criou seu mapa de origami?

Direito de imagem AutaGraph
Image caption Técnica de origami foi usada para criação do mapa

O arquiteto dividiu o globo terrestre em 96 triângulos, que logo foram transformados em tetraedros, poliedros com quatro faces. Poliedros são formas geométricas com faces planas e volumes definidos.

A partir desta técnica, Narukawa conseguiu exibir as informações da esfera terrestre em um retângulo, mantendo suas proporções.

Direito de imagem AutaGraph
Image caption 'AuthaGraph representa fielmente os oceanos e continentes, promovendo uma perspectiva precisa e moderna de nosso planeta',disse a instituição de premiou Narukawa

Representação fiel

O mapa pode não ser o ideal para navegação e pode parecer estranho à primeira vista, com uma mudança de posição da Ásia e da América do Norte.

Direito de imagem Gentileza Narukawa lab
Image caption Narukawa (agachado na primeira fileira à esquerda) com alunos de seu laboratório na Universidade de Keio, em Tóquio

Ele resolveu, no entanto, o difícil desafio de projetar um planeta esférico em um mapa plano.

"AuthaGraph representa fielmente os oceanos e os continentes, incluindo a Antártida, e fornece uma perspectiva precisa e moderna do nosso planeta", disse a organização que concedeu o prêmio a Narukawa.

Os organizadores do prêmio acrescentam, no entanto, que o mapa poderia ser mais detalhado, "aumentando o número de subdivisões", para refinar ainda mais a precisão.

Tópicos relacionados