EspecialConvivendo com a Aids  
BBC Brasil | Especial | Convivendo com a Aids | Biologia do HIV
 
 
 
 
 
Medicamentos anti-HIV
 
 
Medicamentos anti-HIV

 

Função dos medicamentos anti-HIV
Desde o surgimento da Aids, o constante desenvolvimento de novas vem prolongando significativamente a vida dos portadores do HIV ao dificultar a multiplicação do vírus. Os medicamentos adiam o início da doença desacelerando o ritmo da redução das células CD4. Mas, ainda assim, são incapazes de curar a Aids.

Existem quatro principais tipos de drogas, que atuam em diferentes fases do ciclo do HIV:

1. Inibidores de entrada: esses medicamentos impedem o vírus de se alojar e nas células CD4 ao aderir a proteínas que ficam do lado de fora do vírus. Até agora apenas uma droga da categoria, o Fuzeon, chegou ao mercado.

2. Inibidores Nucleosídeos da Transcriptase Reversa: impedem o vírus de fazer cópias de seus próprios genes. Para isso, criam versões defeituosas dos nucleosídeos, unidades básicas dos genes.

3. Inibidores Não-Nucleosídios da Transcriptase Reversa: também afetam o processo de replicação do HIV, ao aderir à enzima que controla o processo, conhecida como transcriptase reversa.

4. Inibidores de Protease: essas drogas atingem outra enzima envolvida no processo de multiplicação do vírus, a protease.

Os medicamentos anti-retrovirais devem ser administrados de forma combinada. Geralmente pelo menos três drogas de duas categorias diferentes são utilizadas simultaneamente.

À medida que o HIV sofre mutações, algumas versões do vírus desenvolvem resistência a certos medicamentos.

Efeitos colaterais comuns:
Náusea, vômito, dor de cabeça, fatiga, manchas na pele, insônia, dormência em torno da boca, dor de estômago.

Outros efeitos colaterais:
Problemas no fígado, pâncreas e nervos, feridas na boca, inflamação, mudanças no formato do corpo, anemia, dores musculares e fraqueza.
 
^^ Início da página Convivendo com a Aids - Índice principal >>