Como a Irlanda conseguiu o surpreendente crescimento de 26% em 2015

Laboratorio genético Direito de imagem Empics
Image caption Muitos laboratórios em empresas tecnológicas internacionais têm sede na Irlanda.

O Escritório Central de Estatísticas da Irlanda (conhecido pela sigla CSO) causou polêmica entre os analistas econômicos de todo o mundo nos últimos dias ao anunciar que a taxa de crescimento do país em 2015 foi de 26,3%.

Trata-se de uma cifra recorde, que supera em mais de 150% o aumento registrado pela Etiópia (10,3%), primeira colocada no ranking de crescimento de 2015 do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Muitos economistas criticaram os novos dados do PIB irlandês, dizendo que eles não refletem o estado real da economia do país.

O prêmio Nobel de Economia americano Paul Krugman qualificou a estimativa como "economia dos duendes". O jornal Financial Times disse que o cálculo era comparável a obras de romancistas como James Joyce e Flann O'Brien.

"Essa é basicamente uma cifra ridícula. Se estivesse certa, significaria que a Irlanda estaria crescendo a uma taxa três vezes maior que as de economias pobres e pequenas, que usualmente encabeçam a lista dos países que mais crescem (porque é muito mais fácil crescer quando o ponto de partida é mais baixo)", escreveu o analista Matt Phillips no site de notícias Quartz.

O CSO, por sua vez, emitiu um comunicado no qual afirma que a cifra é precisa e está de acordo com as normas de medição internacional.

Então, o que aconteceu?

Impostos e investimento estrangeiro

A taxa de 26,3%, na realidade, é uma atualização de um dado publicado anteriormente, segundo o qual o PIB irlandês havia crescido 7,8%.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Os escritórios da Apple para a Europa estão na Irlanda.

Segundo a CSO, o novo número reflete um processo de reestruturação corporativa que aumentou de forma dramática a quantidade de ativos do país.

Segundo analistas, por trás desse aumento de ativos estão operações de grandes empresas transnacionais que estão se fundindo com companhias locais na Irlanda com o objetivo de se beneficiar da taxa de impostos corporativos do país: 12,5%, a mais baixa para um país desenvolvido.

Direito de imagem Getty Images
Image caption A economia da Irlanda recuperou dinamismo após crise financeira.

A CSO parece ter reconhecido o impacto das empresas estrangeiras nas novas cifras do PIB, ao afirmar em um comunicado que elas "retratam com precisão e sublinham a natureza aberta e globalizada da economia irlandesa".

O analista George Hay afirma que esse impacto é evidente quando se comparam as cifras do Produto Interno Bruto, que mede o tamanho de toda a economia, e o Produto Nacional Bruto, que considera apenas os resultados de bens e serviços produzidos no país - e desconsidera as remessas enviadas ao ou recebidas do exterior.

"O PIB irlandês é de 256 bilhões de euros, mas o PNB é de 203 bilhões de euros. A grande diferença reflete os ganhos que pertencem a companhias estrangeiras e não a cidadãos estrangeiros", escreveu Hay em uma análise para a agência Reuters.

Mas, por enquanto é impossível saber com precisão quais foram as companhias estrangeiras responsáveis pelas operações que terminaram dando impulso ao PIB irlandês. O CSO decidiu não divulgar essa informação para "proteger a confidencialidade das empresas contribuintes", uma obrigação estabelecida na legislação da Irlanda.

Segundo dados da Câmera de Comércio dos Estados Unidos - Irlanda, há cerca de 700 companhias americanas operando na Irlanda. Entre elas, estão megaempresas como Intel, Dell, Google, Hewlett Packard, Facebook, Apple, Johnson e Johnson e Pfizer.

A Pfizer anunciou em novembro que se fundiria com a empresa Allergan e mudaria sua sede para a Irlanda, um acordo que permitiria a ela reduzir sua taxa atual de impostos corporativos de 25% a 17% ou 18%, segundo informou o Washington Post.

As cifras da economia real

Diante das críticas e da confusão criada pela divulgação do novo dado de crescimento do PIB em 2015, a CSO emitiu um comunicado em que assinala que, devido ao fato da economia da Irlanda estar altamente globalizada, "o PIB e o PNB nem sempre ajudam a entender o que ocorre na economia irlandesa".

Direito de imagem Getty Images
Image caption Pfizer anunciou que estabeleceria sua sede na Irlanda após a fusão com a Allergen.

Por isso, recomendou observar outras variáveis de 2015, como o consumo pessoal de bens e serviços (que cresceu 4,5%), a taxa de novos empregos (que aumentou 2,6%) ou as vendas totais do varejo (que cresceram 8,2%).

Além disso, o órgão anunciou a criação de um grupo de trabalho para buscar fórmulas de melhorar a compreensão da verdadeira situação da economia do país, incluindo a possibilidade de desenvolver novos indicadores e de melhorar ou ampliar os existentes.

Mais dinheiro para a União Europeia

O aumento das cifras oficiais de crescimento do PIB traz algumas vantagens adicionais para a Irlanda como, por exemplo, a diminuição do deficit fiscal e da dívida do país quando eles são calculados como porcentagem do PIB - duas medidas padrão para avaliar a situação econômica de um país.

Contudo, também traz alguns problemas como o aumento das contribuições que a Irlanda tem de pagar para o orçamento da União Europeia, pois elas são determinadas pelo tamanho do PIB de cada país.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Apesar da economia irlandesa estar em uma etapa dinâmica, os analistas dizem não acreditar que a taxa atual de crescimento reflita a economia real do país.

Por outro lado, essas operações de empresas estrangeiras que se mudam para a Irlanda por razões fiscais inflam artificialmente o tamanho da economia.

Segundo explicou o ministro das finanças da Irlanda, Michael Noonan, em uma declaração publicada na agência Bloomberg, desde 2008 esse tipo de investimentos representou cerca de 7 bilhões de euros, mas sem que isso viesse acompanhado de algum tipo de substância ou criação de emprego.

Em 1994, Kevin Gardiner, então analista da Morgan Stanley, criou o termo "tigre celta" para antecipar o impressionante crescimento que experimentaria a economia da Irlanda durante os anos seguintes - quando, efetivamente, cresceu a um ritmo médio de 9,4% entre os anos de 1995 e 2000.

Mas desta vez, afirmou o analista Matt Philips, parece que o "tigre celta" seria um "tigre de papel".

Tópicos relacionados