Brasileiro cresce em altura nos últimos cem anos, mas ainda é 'baixinho'; conheça o ranking mundial

Schematic people Direito de imagem Thinkstock

Quando o assunto é altura, o homem da Holanda e a mulher da Letônia ficam por cima de todas as outras nacionalidades, aponta um novo estudo.

O holandês médio tem hoje 1,83m e a mulher letã alcança 1,70 m.

A pesquisa, publicada na revista científica eLife, mapeou tendências de crescimento em 187 países desde 1914.

E descobriu que o homem do Irã e a mulher da Coreia do Sul registraram o maior salto na altura, crescendo uma média de 16 cm e 20 cm.

O homem brasileiro tem, em média, 1,73m, e a mulher, 1,60m. Ambos registraram o mesmo crescimento desde 1914: 8,6 cm.

Para homens, o Brasil é o 68º colocado em altura entre os países pesquisados - fica acima de nações como Portugal, México e Chile, e abaixo de Romênia, Argentina e Jamaica.

A mulher brasileira alcançou a 71ª posição, mais alta do que a mulher turca, argentina ou chinesa, e mais baixa do que as espanholas, israelenses e inglesas.

Nos Estados Unidos, por exemplo, a altura dos cidadãos começou a atingir um limite nos anos 1960 e 1970. Ao longo do último século, homems e mulheres cresceram apenas 6 cm e 5 cm, respectivamente.

Em 1914, o homem americano era o terceiro mais alto do mundo, e a mulher, a quarta mais alta. Hoje eles estão em 37º e 42º lugar.

Países europeus dominam os rankings de altura hoje, mas os dados sugerem que, em geral, as tendências de crescimento se estabilizaram no Ocidente.

O homem mais baixo do mundo é o do Timor Leste: 1,60 m.

A mulher mais baixa é a da Guatemala, titulo que também ostentava em 1914. Segundo os dados da pesquisa, a guatemalteca média de 18 anos tinha 1,40 m há um século, e hoje ela ainda quase não alcança 1,50 m.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption A genética explica algumas variações de altura pelo planeta, mas nosso DNA pode não ser o fator principal

O leste da Ásia registrou os maiores crescimentos. Pessoas no Japão, China e Coreia do Sul são bem mais altas do que eram há 100 anos.

"Já as partes do mundo onde pessoas não ficaram particularmente mais altas ao longo de 100 anos de análise estão no sul da Ásia (como Índia, Paquistão e Bangladesh) e na África subsaariana. O aumento de altura ficou entre 1 cm a 6 cm nessas regiões", disse o co-autor do estudo James Bentham, do Imperial College de Londres.

Na verdade, as alturas médias chegaram a cair em certas partes da África subsaariana desde os anos 1970. Nações como Uganda e Serra Leoa viram a altura média do homem perder alguns centímetros.

A genética explica algumas variações de altura pelo planeta, mas os autores do estudo afirmam que nosso DNA não pode ser o fator principal.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Países europeus dominam os rankings de altura, mas dados sugerem que as tendências de crescimento se estabilizaram no Ocidente

O cientista chefe Majid Ezzati, também do Imperial College, disse à BBC: "Cerca de um terço da explicação está nos genes. Mas isso não explica a mudança ao longo do tempo. Os genes não se alteram tão rápido e não variam muito no planeta. Então mudanças no tempo e variações pelo mundo são, em grande parte, ambientais."

Bons padrões de saúde, saneamento e nutrição são os principais determinantes ambientais da altura, diz Ezzati. Outro fator importante é a saúde da mãe e a alimentação durante a gravidez.

Outra pesquisa mostrou que a altura tem correlação com consequências positivas e algumas negativas.

Pessoas altas tendem a ter expectativa de vida maior, com menor risco de doenças do coração. Por outro lado, há evidências de que estão sob maior risco de certos cânceres, como colorretal, mama pós-menopausa e tumores de ovário.

"Uma hipótese é que fatores de crescimento possam promover mutações em células", afirmou Elio Riboli, outro coautor do estudo.

A pesquisa, chamada "Um Século de Tendências na Altura Humana", é resultado do trabalho de um grupo de mais de 800 cientistas, em associação com a Organização Mundial da Saúde.

Os países com os homens mais altos em 2014 (ranking de 1914 entre parênteses):

  1. Holanda (12)
  2. Bélgica (33)
  3. Estônia (4)
  4. Letônia (13)
  5. Dinamarca (9)
  6. Bósnia-Herzegovina (19)
  7. Croácia (22)
  8. Sérvia (30)
  9. Islândia (6)
  10. República Tcheca (24)

Os países com as mulheres mais altas em 2014 (ranking de 1914 entre parênteses):

  1. Letônia (28)
  2. Holanda (38)
  3. Estônia (16)
  4. República Checa (69)
  5. Sérvia (93)
  6. Eslováquia (26)
  7. Dinamarca (11)
  8. Lituânia (41)
  9. Belarus (42)
  10. Ucrânia (43)

Tópicos relacionados