De rapel a snowboard: paulistano sem perna usa cinco próteses high-tech para se tornar 'ciborgue paralímpico'
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

De rapel a snowboard: paulistano sem perna usa cinco próteses high-tech para se tornar 'ciborgue paralímpico'

"Mãe, mãe! O homem biônico! O homem biônico!"

Com uma chave de fenda nas mãos, André Cintra, de 37 anos, costuma chamar a atenção quando troca a prótese de sua perna direita.

O "ciborgue" brasileiro tem uma prótese para cada tipo de esporte que pratica - de rapel a snowboard. Mas a descida numa prancha em montanhas com neve o colocou na história do país como o primeiro atleta a se classificar para uma Paralimpíada de Inverno.

A estreia foi no Jogos de Sochi, na Rússia, em 2014. Agora, Cintra já estuda a possibilidade de competir na Paralimpíada de Verão em 2020, no Japão.

Reportagem: Felipe Souza Imagens: Matheus Brant