A fazendeira que instalou sua própria rede de banda larga e agora abastece comunidades britânicas

Christine Conder Direito de imagem Zoe Kleinman/BBC
Image caption Christine Conder afirma que são necessários mais provedores alternativos de internet para atender toda a demanda de conectividade do Reino Unido

"Sou apenas a mulher de um fazendeiro", contou Christine Conder, com modéstia.

Mas para 2,3 mil moradores de uma comunidade rural de Lancashire, no noroeste da Inglaterra, ela é uma pioneira da internet, uma revolucionária.

Em 2009, Conder deu uma solução caseira para o problema de falta de banda larga do vilarejo. E a solução evoluiu a ponto de a iniciativa se transformar em uma provedora de internet, a B4RN (Banda Larga para o Norte Rural, em tradução livre).

O provedor oferece velocidades de 1 gigabite (1Gbps) para as comunidades do Lune Valley.

Com isso, a velocidade da banda larga local é 35 vezes maior do que a média na Grã-Bretanha, que é de cerca de 28,9 Mbps, segundo dados da Ofcom, o órgão fiscalizador das comunicações no Reino Unido.

E tudo começou quando as árvores que separavam a fazenda de Conder de uma antena de WiFi - na época a única conexão com a web, fornecida pela Universidade Lancaster - ficaram altas demais.

Com a conexão prejudicada e sem outros provedores na região, Conder decidiu resolver o problema sozinha: comprou um quilômetro de cabo de fibra ótica e abriu uma vala com seu trator, conectando sua fazenda ao ponto de internet.

"Cavamos nós mesmos, ligamos (o cabo) sozinhos e provamos que pessoas comuns podem fazer isso. Não foi tão complicado. Foram três dias de trabalho pesado", explicou.

Lema

Direito de imagem Zoe Kleinman/BBC
Image caption Parte do trabalho de instalação dos cabos de fibra ótica é feito por voluntários, mas a companhia já tem funcionários pagos

O lema de Christine Conder se resume a quatro letras, JFDI. Três delas se referem às iniciais das palavras que formam a frase "Just do it" ("apenas faça", em tradução livre). A letra "F" se refere a um palavrão em inglês.

E ela segue mesmo o lema. Tanto que agora a B4RN afirma já ter instalado 3.218 quilômetros de cabo de fibra ótica e conectado várias comunidades locais à sua rede.

Não há conexões para uma residência individualmente, então uma comunidade inteira precisa assinar o serviço antes da instalação dos cabos e da infraestrutura.

Cada casa paga 30 libras por mês (cerca de R$ 120), além de uma taxa de conexão de 150 libras (pouco mais de R$ 600). Empresas maiores pagam mais e os moradores de residências precisam fazer parte da instalação sozinhos.

O serviço ficou tão popular que a empresa tem trabalho para os próximos dez anos e até pessoas de Serra Leoa, na África, assistiram aos dias de palestras para as comunidades interessadas em imitar o modelo da B4RN.

A maior parte do trabalho para manter a rede é feita por voluntários, mas agora a B4RN tem 15 funcionários pagos. Os fazendeiros da região abrem o acesso às suas propriedades e os moradores que têm equipamentos como tratores e escavadeiras fazem o trabalho pesado.

A B4RN precisa devolver o lucro aos seus acionistas, e uma das condições da empresa é que os benefícios conseguidos sejam aplicados na comunidade.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Fazendeiros precisam registrar os bezerros no site de um departamento do governo - e o serviço da B4RN facilitou a tarefa

Condecoração

Os serviços de Christine Conder foram reconhecidos até pela rainha Elizabeth 2ª - ela recebeu o título de MBE (Membro da Ordem do Império Britânico) em 2015, junto com Barry Forde, um professor universitário que também lidera a iniciativa.

Eles foram condecorados por expandir a rede de banda larga em zonas rurais.

Antes da chegada da iniciativa, muitos dos atuais clientes da B4RN usavam apenas uma conexão telefônica de internet ou pagavam preços altos por redes de satélites. Alguns moradores da região ainda fazem isso.

A conexão pela web é vital para os fazendeiros, já que eles precisam registrar cada bezerro que nasce na página do Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Negócios Rurais britânico (o Defra, na sigla em inglês) ainda nos primeiros cinco dias de vida do animal.

"Todos os agricultores que não têm banda larga dependem dos espaços públicos com oferta de WiFi, algo que por aqui também não temos, ou devem pagar para alguém fazer o registro", explicou Conder.

"Por isso os agricultores apoiaram muito este projeto. Nos deram acesso às suas terras, que atravessamos para fazer as conexões e para chegar a vilarejos que subsidiam as conexões dos fazendeiros."

Direito de imagem Zoe Kleinman/BBC
Image caption Os agricultores permitem que a B4RN cave valas em suas terras para instalar os cabos

"Você não poderia fazer isso apenas pelos fazendeiros, mas você não conseguiria chegar ao vilarejo sem os fazendeiros", contou.

Existem outras empresas que fornecem banda larga para zona rural, que garantem também chegar à velocidade de 1Gbps.

Mas para Conder, a melhor forma de garantir banda larga para todos é apoiar os provedores alternativos.

"Não podemos cobrir todo o país. (Empresas britânicas como a BT, Virgin e outras, que lideram o setor no país) São bons negócios. Existem para conseguir lucros, isso é o que negócios devem fazer. Mas a melhor forma de garantir que todos no país estejam conectados é apoiar as redes alternativas."

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas