Como vencer a procrastinação, um dos problemas mais graves para estudantes

Homem brinca com avião de papel Direito de imagem Thinkstock
Image caption A procrastinação é um dos problemas da educação formal

Muitas pessoas fizeram promessas de Ano Novo, mas a esta altura já postergaram seus planos para 2018.

Mas por que adiamos coisas que devemos - e às vezes queremos - fazer?

A procrastinação - a mania de adiar uma ação ou um tarefa, de "deixar para amanhã" - é um problema comum, que afeta especialmente estudantes e acadêmicos.

Segundo o psicólogo Tim Pychlyl, da Universidade de Carleton no Canadá, a procrastinação é "na atualidade, o problema mais grave da educação".

Ele integra um grupo especializado que investiga o assunto há 20 anos, com dados coletados em diversas partes do mundo, para "entender porque às vezes nos tornamos nosso pior inimigo com atrasos desnecessários e voluntários" de nossas tarefas.

Faço amanhã

Uma conversa que Pychlyl teve com estudantes foi disponibilizada no YouTube e teve uma audiência de 170 mil pessoas. Nela, ele explica que deixar algo para depois pode afetar as qualificações e a saúde mental e física - e aumenta o abandono escolar.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Por que deixamos tarefas para depois mesmo sabendo que isso nos causará problemas?

Os professores sofrem do mesmo mal, como atesta a quantidade de entradas no Twitter falando da batalha entre corrigir provas e ver séries de televisão e sobre o que se chama de "culpa do escritor": a sensação de que se é egoísta, idealista e irresponsável de ficar escrevendo ao invés de fazer algo mais rentável e prático.

E quando se estuda no computador o problema pode ser ainda maior. Agora com um só click é possível sair do ensaio que se está escrevendo e ver um vídeo de gatos ou vasculhar o perfil de sua ex-namorada nas redes sociais.

Para Pychyl, procrastinação é tomar a decisão de não fazer algo mesmo se sabendo que a longo prazo isso será pior.

De acordo com ele, não se trata de uma questão de gestão de tempo e sim de uma incapacidade de controlar emoções e impulsos.

"Quando procrastinamos, estamos tentando melhorar nosso estado de ânimo evitando fazer algo que nos parece desagradável", afirma.

"É como ficar bêbado ou comer para se consolar: é uma estratégia que nos faz sentir melhor ao nos distrairmos com um prazer de curto prazo e esquecermos o problema".

O que podemos fazer?

A procrastinação é mais comum em quem é mais impulsivo, propenso ao perfeccionismo, se sente oprimido pelas opiniões dos outros ou teme o fracasso.

Ela afeta mais os jovens, pois adultos conseguem se controlar melhor à medida que o cérebro se desenvolve.

Baseando-se na pesquisa da psicóloga Fuschia Sirois, da Universidade de Sheffield, Pychyl afirma que todos podemos reduzir a procrastinação seguindo alguns passos. Veja abaixo:

1) Practique técnicas de "mindfulness" e meditação para controlar os pensamentos negativos

"Usando técnicas de mindfulness, consciência plena (ou atenção plena), podemos perceber que não queremos fazer algo sem julgar esse sentimento. Isso nos ajuda a perceber que a tarefa deve ser realizada e começá-la", diz o psicólogo.

Direito de imagem iStock
Image caption O amigo dos procrastinadores: as redes sociais e suas infinitas distrações.

"Depois, quando avançamos na tarefa, nos sentimos melhor e isso faz com que seja mais fácil continuar".

A Universidade de Buckingham, na Inglaterra, introduziu em suas atividades, por exemplo, sessões de técnicas que promovem a consciência plena para estudantes e professores a fim de combater a procrastinação.

2) Divida tarefa em passos claros e controláveis

Uma das razões de adiarmos o que devemos fazer é que as metas a que nos propomos são em geral grandes e vagas - o que as faz intimadoras e desagradáveis.

Assim, em vez de se propor a "entrar em forma" ou "escrever um romance", tente metas como "colocar o traje de exercícios" ou "decidir o nome do personagem principal".

Na Universidade de Warwick são conduzidas aulas de mapeamento mental para estudantes. A técnica ensina a dividir tarefas difíceis nos passos necessários para completar seus projetos.

3) Não se castigue por procrastinar

A pesquisa de Pychyl mostra que os estudantes que se perdoam por procrastinar tendem a não repeti-lo em sua próxima tarefa.

Quanto mais culpa e raiva você sentir por privar o mundo de seu romance neste ano, terá menos possibilidade de terminá-lo em 2018.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Muitas instituições de ensino tentam incentivar seus alunos a não procrastinar

4) Apoie-se em bons hábitos que você já tem

Pychyl dá um exemplo corriqueiro: ele finalmente conseguiu obedecer a recomendação de seu dentista de usar fio dental ao combinar a tarefa com o hábito de escovar os dentes.

Ele se comprometeu a primeiro passar o fio dental todas as vezes que ia escovar os dentes. Em pouco tempo passou a fazer a tarefa sem pensar sobre ela.

5) Pense no 'eu futuro'

Em uma experiência, um grupo de pessoas foi apresentado a retratos delas mesmas envelhecidas eletronicamente. Muitos passaram a reservar mais dinheiro para a a aposentadoria, pois passaram a sentir um laço mais forte com seu "eu futuro".

Em uma situação mais corriqueira: quando é necessário entregar um trabalho às nove da manhã imagine a si mesmo tentando terminá-lo desesperadamente na madrugada. Isso pode ajudar a começar a tarefa mais cedo.

6) Entenda a importância do que deve ser feito

Pychyl diz que a procrastinação frequentemente reflete um problema existencial mais profundo de falta de identidade ou direção na vida.

Procrastinamos quando a tarefa parece tediosa ou menos significativa. Assim, é preciso não esquecer da razão porque se está realizando a tarefa e como ela se encaixa em suas ambições.

É simples como lembrar que fazer um trabalho ajudará a conseguir um diploma, que é indispensável para o sonho de ser doutor.

Lições contra a procrastinação

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Deixar as coisas para a última hora é arriscado

Se esses passos são tão efetivos, não deveriam ser ensinados nas universidades e nos locais de trabalho?

Muitas universidades já produzem guias sobre procrastinação para estudantes.

Contudo, Pychyl critica o fato de estes se focarem na habilidade para dispor do tempo em vez de atacar razões de fundo.

"Os professores devem avaliar como os estudantes estão se sentindo e ajudá-los a entender porque estão deixando as coisas para depois", opina.

"Se puderem aprender a controlar suas emoções, será uma grande ajuda em todas as áreas de suas vidas".