A escola futurista onde computadores são professores
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

AltSchool, a escola que quer usar a tecnologia para revolucionar o conceito de ensino

Um empreendedor do Vale do Silício, nos Estados Unidos, quer revolucionar o conceito de escola.

Max Ventilla criou a AltSchool, uma escola alternativa que trabalha para desenvolver uma tecnologia que permita aos professores personalizar as aulas para cada aluno.

Nas escolas-laboratório, professores, engenheiros e pesquisadores trabalham em conjunto para testar as ferramentas.

A ideia é que, quando estiver pronta, essa plataforma seja vendida para outras escolas.

"Não existe dúvida de que, no futuro, as crianças vão receber a melhor educação porque nossa tecnologia gera um efeito em cadeia e tem um papel central nisso", diz Ventilla.

Representação digital

Sediada em San Francisco, na Califórnia, a AltSchool tem hoje oito escolas-laboratório. A anuidade é de cerca de R$ 100 mil.

O objetivo é ter uma representação digital de cada aluno, alimentada por todas as informações que os professores têm, como suas características e lista de tarefas e leituras.

A ideia é que os professores identifiquem as áreas onde cada estudante enfrenta problemas e, com a ajuda da plataforma, preparem um plano para ajudá-los a progredir.

Como a tecnologia está em desenvolvimento, hoje os estudantes acessam as ferramentas apenas algumas vezes por dia, para checar quais são suas tarefas e entregar as que foram completadas.

Tópicos relacionados