‘Bonitono’: a americana que viralizou ao narrar dificuldades de aprender português
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

'Bonitono': a americana que viralizou ao narrar dificuldades de aprender português

Se o aumentativo de bonita é "bonitona", por que o de bonito não é "bonitono", mas "bonitão"?

Foi essa a pergunta que fez o vídeo de uma americana de 29 anos viralizar no Facebook de muitos brasileiros há quase um mês.

Nas imagens, gravadas por ela mesma, a professora de inglês Rebecca Jackson-Salado discorre, com sotaque carregado, sobre as dificuldades de aprender português.

O vídeo, publicado no dia 7 de abril deste ano, já foi visto quase 10 milhões de vezes. Foram mais de 156 mil curtidas, 64 mil comentários e 189 mil compartilhamentos.

"Comecei a aprender português porque meu marido é brasileiro e a maioria da família dele não fala inglês. Achei que era importante me comunicar com eles e ter essa conexão", diz ela em entrevista por telefone à BBC Brasil.

Mas também pesou na decisão de Rebecca a vontade de se colocar na pele de seus alunos. Ela dá aulas de inglês a brasileiros na região central da Flórida, onde vive com o marido.

"Tenho muito alunos brasileiros que me dizem: Ah, se eu pudesse falar inglês como você fala português, estaria bem. Então, achei que seria uma boa ideia mostrar minha frustração e minha dificuldade de aprender uma nova língua, porque há essa ideia de que professores sabem tudo", confessa.

"Do ponto de vista educacional, acho que os professores têm sempre o que aprender com os alunos. Peço a meus seguidores que me corrijam porque isso faz parte do que é ser professor", acrescenta.

Se depender dos usuários, Rebecca não tem do que reclamar. Ela ganhou amplo apoio virtual em sua página 'Minha professora gringa', na qual posta seus vídeos. Todos os dias, chegam entre 100 e 200 mensagens privadas, às quais a americana faz questão de responder.

"Comecei a página com dicas para meus alunos. De repente, postei esse vídeo do ‘bonitono’ que viralizou. Vejo a página como uma plataforma para educação e para ajudar as pessoas", diz.

Em outro vídeo, que também ganhou ampla circulação nas redes sociais, Rebecca enfrenta dificuldades em entender a cultura brasileira ao questionar o jeito como pessoas encerram uma ligação telefônica. Ela lamenta ter sido considerada "fria" porque "dá tchau e desliga o telefone".

"Acho 'sou triste' porque uma pessoa falou para mim que 'sou frio'. Perguntei por quê. Ela falou porque o jeito que você fala tchau no fone'", diz ela nas imagens.

"Por favor, me ajudem. Quantas vezes tenho que falar beijos para desligar o fone? É complicado porque toda noite eu faço uma 'dança de tchau' com meu marido. Vamos começar o processo de terminar a conversa", acrescenta.

Segundo Rebecca, um dos maiores desafios de aprender português é a musicalidade da língua.

"Em geral, o inglês é muito mais monótono. Para mim, é difícil achar o ritmo e a musicalidade do português. Pareço um robô falando", brinca.

Já para os brasileiros que estão aprendendo inglês, ela alerta para os sons "aspirados".

"Em inglês, consoantes como o p são aspiradas, ou seja, não têm pronúncia marcada. Um exemplo é o verbo jump (pular, em português). Esse p não é pronunciado", exemplifica.

Por sua própria experiência, Rebecca dá dicas a todos que estão tentando dominar uma nova língua.

"Fique confortável ao errar. Para aprender uma língua, é preciso ficar vulnerável até certo ponto", diz.

"Tento encorajar meus alunos a abraçar seus sotaques e focar na pronúncia correta das palavras. O seu sotaque mostra a sua história, suas origens e quais tipos de conexões você tem. Não deixe de falar com os outros só porque você não fala um inglês perfeito", conclui.

(Reportagem: Luís Barrucho, da BBC Brasil em Londres)

Tópicos relacionados