Restaurante vegano na Geórgia é atacado por extremistas portando salsichas e carne grelhada

Clientes do Kiwi Cafe Direito de imagem Kiwi Cafe
Image caption O restaurante publicou uma declaração na qual afirmou que as causas que apoia - direitos dos animais, liberdade e igualdade - dividem opiniões na Geórgia

Um restaurante vegano em Tbilisi, capital da Geórgia, foi atacado de uma forma inusitada: um grupo de extremistas atirou salsichas e carne grelhada contra o estabelecimento.

Mais de dez homens invadiram o local, chamado Kiwi, na noite de domingo, segundo os donos do café.

Eles entraram gritando e jogando carne contra os fregueses. Uma briga começou, e os invasores fugiram antes da chegada da polícia.

Os donos do Kiwi pediram ajuda do público afirmando que não foi uma brincadeira, mas sim uma ação de neonazistas que tentaram intimidar os clientes e os donos do restaurante.

Segundo eles, o estabelecimento já foi alvo de hostilidade devido ao estilo de vida alternativo dos clientes - "a nossa aparência, a música que ouvimos, as ideias que apoiamos e o fato de não comermos carne", escreveram os donos do restaurante no Facebook.

Os donos do Kiwi também desconfiam que foram atacados pelo fato de apoiar causas como os direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros.

"Nestes tempos difíceis, você pode nos apoiar apenas visitando nosso restaurante, ficaremos muito gratos se você vier e mostrar que se importa com o assunto", escreveram eles no Facebook.

Em entrevista à BBC, os donos do restaurante afirmaram que receberam muitas mensagens de solidariedade, vindas de dentro da Geórgia e de outros países, mas também mensagens agressivas que defendiam os invasores.

O restaurante também lançou uma campanha para arrecadar dinheiro para instalar câmeras de segurança no local, que registrariam tudo caso incidentes como este se repitam.

Preocupação com nacionalismo

O incidente no restaurante Kiwi ocorre em meio ao crescente temor diante da ascensão do nacionalismo de extrema direita na Geórgia.

Na semana passada, centenas de nacionalistas fizeram uma passeata no centro de Tbilisi levando bandeiras da Geórgia e cartazes com frases contra o comunismo. A manifestação marcou a independência do país em relação à União Soviética, ocorrida em 1991.

Segundo correspondentes, a homofobia também é comum no país.

A Geórgia virou notícia no mundo todo em 2013, quando um pequeno grupo de ativistas LGBT foi atacado por uma multidão liderada por um padre da Igreja Ortodoxa.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Para os donos do Kiwi, ataque não foi apenas uma piada, mas sim uma ação de neonazistas

'Ódio' dos vizinhos

De acordo com o depoimento do restaurante publicada no Facebook, o grupo de homens entrou no Kiwi falando alto, atirando carne e fumando para, em seguida, "gritar, rir e falar com sarcasmo" com os presentes.

Essas pessoas "eram neonazistas (...) que apoiam ideias fascistas", de acordo com os proprietários.

Foram registrados apenas ferimentos leves entre os clientes.

A polícia só chegou depois de os invasores terem fugido, mas o restaurante informou que até os policiais se comportaram de forma agressiva, "gritando (...), dizendo que somos culpados pelo que aconteceu".

Alguns funcionários do Kiwi foram levados para interrogatório.

A BBC ainda está tentando apurar se existe uma investigação oficial sobre o incidente.

Notícias relacionadas