Quem é António Guterres, português que assumirá o cargo máximo da ONU

António Guterres, 67 anos Direito de imagem Reuters
Image caption António Guterres foi nomeado secretário-geral da ONU

Oficialmente apontado nesta quinta-feira como o próximo secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, de 67 anos, tornou-se conhecido nos altos círculos diplomáticos quando lidava com o tema dos refugiados, um dos mais urgentes na agenda global hoje.

Ele havia sido indicado na semana passada pelo Conselho de Segurança da ONU, após seus 15 integrantes o escolherem por aclamação. A decisão acabou referendada, também por aclamação, pelos 193 Estados-membros na Assembleia Geral da ONU.

"Foi uma escolha magnífica", já havia dito antes o atual secretário-geral Ban Ki Moon, a quem Guterres substituirá no dia 1º de janeiro.

De acordo com as Nações Unidas, "esta foi a primeira vez que o processo de escolha do secretário-geral foi totalmente aberto, com a realização de debates públicos e diálogos com a Assembleia-Geral".

"Como o nono homem a servir como secretário-geral, Guterres terá a responsabilidade de incluir, apoiar e empoderar as meninas e mulheres do mundo. Há muito trabalho pela frente e me empenharei até o último dia do meu mandato trabalhando por elas", afirmou Ban.

O novo secretário-geral afirmou que exercerá o cargo com gratidão e humildade.

"Os dramáticos problemas do complexo mundo de hoje só podem inspirar uma abordagem humilde. Aquela em que o secretário-geral sozinho não tem todas as respostas nem procura impor seus pontos de vista", afirmou ele à Assembleia-Geral.

"Aquela em que o secretário-geral deixa todos os seus bons escritórios abertos, trabalhando como um congregador, um mediador, um construtor de pontes e um franco agente na tarefa de ajudar a encontrar soluções que beneficiem a todos os envolvidos", completou.

Atuação com refugiados

Entre 2005 e 2015, o português dirigiu o Acnur, agência da ONU responsável pelo assunto. Nesse período, promoveu uma série de reformas que aprimoraram a atuação da agência, segundo diplomatas.

Hoje o Acnur é considerado um dos órgãos mais funcionais e bem sucedidos da ONU, organização frequentemente criticada pelo excesso de burocracia e pouco impacto na vida das pessoas.

Uma de suas principais ações à frente da Acnur foi ampliar o número de funcionários nas áreas com mais refugiados para melhorar o atendimento in loco.

Nascido em Lisboa e formado em física e engenharia elétrica, Gutérres foi primeiro-ministro de Portugal entre 1995 e 2002 pelo Partido Socialista, o que não impediu que partidos portugueses conservadores apoiassem sua candidatura à secretaria-geral da ONU (muitos trataram o pleito como uma questão nacional, acima de questões partidárias).

Enquanto ocupava o cargo, chefiou por um curto período o Conselho Europeu, órgão que reúne os chefes de Estado e governo da União Europeia. Fluente em inglês, francês e espanhol, sempre transitou bem entre os colegas do continente.

Ele começou sua carreira em meio à Revolução dos Cravos, movimento que pôs fim o Estado Novo português (1932-1974), e foi um dos principais líderes do nascente Partido Socialista.

Em 1992, foi nomeado vice-presidente da Internacional Socialista, associação formada por vários partidos socialistas, trabalhistas e social-democratas.

Diplomatas dizem que, ao contrário do atual secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, Guterres é carismático e tem força política.

Direito de imagem EPA
Image caption Ban Ki-moon foi o oitavo secretário-geral da ONU e assumiu o cargo em 2007; agora, ele dará lugar a Gutierres

"É alguém ouvido e respeitado, com capacidade de resistir às decisões das grandes potências", diz à BBC Brasil um diplomata brasileiro nos EUA.

Segundo o diplomata, Guterres se aproxima mais do perfil de Kofi Annan, ganês que chefiou a ONU entre 1997 e 2006 e enfrentou a maior potência global, os Estados Unidos, ao se opor à Guerra no Iraque.

O Brasil não endossou oficialmente a candidatura de Guterres para não melindrar a Argentina, que concorria ao posto com sua chanceler, Susana Malcorra.

Diplomatas que acompanharam a seleção de Guterres dizem que, diferentemente de pleitos anteriores, desta vez a cotação de um nome se deu a partir de um consenso "de baixo para cima".

O Conselho de Segurança da ONU, órgão composto por cinco membros permanentes e dez rotativos (o Brasil hoje está sem assento no órgão), realizou várias sabatinas com os postulantes ao cargo.

O desempenho de Guterres nesses encontros foi consolidando seu favoritismo, e ele passou a contar com o apoio de países africanos e asiáticos, além da França. O Reino Unido, que inicialmente resistia à candidatura, acabou por aceitá-la para não ficar isolado.

Um diplomata brasileiro diz que, além da experiência de Guterres com refugiados e de suas qualidades pessoais, também pesou em sua escolha o desejo do presidente Barack Obama de que a ONU tivesse um secretário-geral forte.

O favoritismo de Guterres, por outro lado, frustrou a expectativa de muitos de que a ONU tivesse sua primeira secretária-geral mulher. Campanhas foram organizadas em apoio às várias mulheres concorriam ao cargo, entre as quais a argentina Susana Malcorra, a búlgara Irina Bokova e a neo-zeolandesa Helen Clark.

Notícias relacionadas