Depois de Aleppo, o que acontece com a Guerra na Síria?

Aleppo Direito de imagem AFP
Image caption Milhares de civis se deslocam em Aleppo após a retomada dos enclaves rebeldes pelo governo

A batalha por Aleppo pode estar terminando, mas a luta pelo futuro da Síria continua indefinida. De fato, ela pode ficar ainda mais caótica e sangrenta.

O ataque ao enclave rebelde no leste de Aleppo representa uma grande vitória de propaganda para o presidente Bashar Al-Assad, que atualmente controla os maiores centros populacionais do país.

E Aleppo é o maior desses centros e o maior prêmio para o governo.

O conflito na Síria chegou à cidade em 2012, e desde então ela tem sido palco de grandes batalhas entre rebeldes e soldados leais a Assad. Mas desde novembro, as forças governistas iniciaram uma ofensiva que empurrou os rebeldes para uma pequena área de 2,5 quilômetros quadrados.

Os últimos combatentes rebeldes negociam agora com o governo sírio um cessar-fogo para eventualmente deixar a cidade de forma pacífica. A trégua está prevista para ocorrer nesta quinta-feira.

A captura da cidade representa uma vitória não só para Assad como para seus aliados iranianos e russos.

Aleppo em si pode não ser tão importante no tabuleiro de xadrez de Moscou, mas a derrota das forças rebeldes na cidade destaca a extraordinária maré de sorte do presidente Assad. Antes da intervenção russa, seu poderio militar desmoronava.

A Rússia e o Irã apoiaram seu governo em grande parte devido a seus próprios interesses estratégicos. E essas aspirações vão ter um papel importante na decisão do que acontecerá em seguida na Síria.

Se o governo consolidar seu controle sobre Aleppo, terá o domínio de uma parte significativa do que pode ser chamado de "Síria essencial" - o oeste do país, suas principais cidades e a costa do mar Mediterrâneo.

Uma opção possível para Assad seria trabalhar para consolidar essas posições.

Ofensiva

Direito de imagem AFP
Image caption Houve comemoração em áreas controladas por forças governamentais de Aleppo quando os rebeldes foram confinados a uma pequena área da cidade

Assad sempre insistiu que suas tropas continuarão na ofensiva até que todo o território controlado pelos rebeldes seja recapturado, mas esse dicurso pode ser apenas uma bravata.

O Exército dele está sobrecarregado e representa apenas uma sombra do que era quando o conflito começou.

A perda da cidade de Palmira para o grupo autodenominado "Estado Islâmico" mostra que o governo sírio terá dificuldades para manter tudo o que conquistou. As forças armadas de Assad estão fracas, e a vitória em Aleppo não deve mascarar esse fato.

Uma grande parte do Exército regular da Síria se desintegrou - transformando-se em uma gama de milícias governistas muitas vezes mais comprometidas com interesses locais ou regionais.

Além disso, diversas batalhas foram travadas por forças apoiadas pelo Irã, como o grupo libanês Hezbollah e outras milícias muçulmanas xiìtas.

Muitos combatentes rebeldes escaparam da cidade para se refugiar na província de Idlib, a sudoeste de Aleppo. O local pode se tornar o próximo grande campo de batalha se o governo e seus aliados russos decidirem manter a ofensiva.

Ou seja, a opinião da Rússia sobre a melhor estratégia a seguir terá uma importância crítica. Moscou não pode dar ordens a Assad, mas influenciar suas decisões a partir dos meios que possui: armamentos e poder aéreo.

Os russos têm interesse na guerra se perpetuar na região? Ou decidirão que a queda de Aleppo deve ser o limite para o conflito e tentarão negociar um acordo com a futura administração de Donald Trump, nos Estados Unidos?

Mas qualquer acordo desse tipo significaria que Washington teria de aceitar o aumento da importância do Irã para a Síria.

A administração de Trump terá membros mais inclinados à Rússia, mas também terá, nas áreas da segurança e defesa, figuras declaradamente contrárias ao Irã.

Porém, as opções de Washington estão ficando limitadas. A queda de Aleppo foi o último golpe na estratégia da administração Obama de ajudar a chamada oposição moderada da Síria.

Washington quer que os rebeldes moderados combatam o "Estado Islâmico", mas eles sofrerão uma pressão ainda maior das forças do governo sírio.

Reconstrução

Direito de imagem Reuters
Image caption Após a retomada da cidade, a ONU denunciou a execução de civis por forças pró-governo

Os rebeldes contrários a Assad estão enfrentando momentos difíceis. Com a perda de Aleppo, eles perderam mais que uma simples batalha.

Eles podem não ter sido derrotados na guerra - pelo menos não até agora -, mas estão muito mais longe de vencê-la.

A relação que estes grupos terão com a nova administração americana é incerta. Ninguém sabe o que Trump fará. Muitos analistas temem que grupos rebeldes moderados sejam inevitavelmente forçados a abraçar facções islâmicas extremistas.

Mas para além da geopolítica e das campanhas militares, há a devastadora tragédia humana que recaiu sobre a cidade.

Quando a batalha acabar, a verdadeira escala da calamidade será revelada. Aleppo - como outros lugares na Síria - precisa de assistência rápida e em larga escala.

A longo prazo, será necessário um enorme esforço para reconstruir a cidade.

No entanto, com a continuidade dos combates em outros locais, com tantas pessoas mortas, mutiladas e deslocadas e com as pesadas sanções internacionais que o país enfrenta não deve haver recursos financeiros e capital humano para realizar essa tarefa.

Após a queda de Aleppo, todos os atores - internos e externos - terão que rever suas estratégias.

Mas essa guerra brutal e multifacetada não perderá sua complexidade.