O mistério da família que desapareceu na França deixando como único rastro manchas de sangue

Imagens do rosto dos Troadec Direito de imagem AFP
Image caption Os Troadec: Pascal, Brigitte, Sebastien e Charlotte que, desde 16 de fevereiro, sumiram misteriosamente na França

Como pode uma família inteira desaparecer deixando como único rastro algumas manchas de sangue?

Essa é a pergunta que a polícia francesa tenta responder desde meados de fevereiro, quando foi aberta uma investigação para apurar o que aconteceu com os Troadec. Pai, mãe, filho e filha sumiram misteriosamente.

Nada se sabe sobre o paradeiro de Pascal e Brigitte, ambos de 50 anos, tampouco do filho deles, Sebastien, de 21, e da filha, Charlotte, de 18. Tampouco foram registradas transações bancárias ou chamadas telefônicas de membros da família.

Eles foram vistos pela última vez em 16 de fevereiro. Seu desaparecimento foi comunicado à polícia pela irmã de Brigitte.

Até agora, a única pista mais concreta são manchas de sangue encontradas na casa da família, perto de Nantes, no oeste do país. O DNA do sangue coincide com o de três integrantes da família.

Há informações de que o pai sofria de depressão e o filho tinha problemas psicológicos.

Direito de imagem AFP
Image caption Dentro da casa dos Troadec, as camas estavam sem lençóis, mas havia comida na geladeira e roupa úmida na máquina de lavar

Investigadores encontraram manchas de sangue no telefone do filho e no relógio da mãe, informou o procurador Pierre Sennes. Também há sangue nas escadas da casa de dois andares.

Para Sennes, parece que alguém tentou apagar por completo a existência da família.

Ao entrar na casa, a polícia encontrou camas sem lençóis - alguns deles estavam na secadora de roupas - e roupa úmida na máquina de lavar. Restos de comida estavam apodrecendo na geladeira.

"É como se a casa tivesse congelado no tempo", observou o procurador francês que cuida do caso.

Falta um carro

Os dois carros da família também foram encontrados em frente à casa, mas os investigadores ainda procuram pelo veículo de Sebastien, o filho.

Em 2013, quando ainda era menor de idade, ele foi condenado a fazer trabalhos comunitários por fazer ameaças de morte através de seu blog.

Segundo o jornal francês Le Monde, no passado, Sebastien publicou em um fórum online sobre videogames frases como: "O que mais odeio? Meu reflexo" e "O que me deixa mais triste? Minha vida".

No Twitter, um de seus posts dizia: "Se alguém realmente soubesse o que há em minha mente, pensaria que sou louco e não tenho moral".

A investigação trabalha com diferentes hipóteses, como sequestro e assassinato.