Como é o sistema antimísseis que os EUA estão instalando na Coreia do Sul - e por que é tão polêmico

Foto de lançamento-teste do sistema Thaad Direito de imagem Reuters
Image caption Sistema vai interceptar mísseis que possam ser considerados ameaças para a Coreia do Sul

Os Estados Unidos anunciaram nesta terça-feira o início da operação de instalação de um controverso sistema antimísseis na Coreia do Sul.

Batizado de Terminal de Defesa Aérea para Grandes Altitudes (Thaad, na sigla em inglês), o sistema foi desenhado para proteger o país asiático de seu vizinho mais próximo, a Coreia do Norte.

Por sinal, a operação teve início justamente um dia após a Coreia do Norte lançar quatro mísseis, em desafio a sanções internacionais.

De acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap, citando fontes militares, o sistema poderá ter condições de operar já no mês que vem.

O Thaad causou polêmica na Ásia - principalmente a China -, incluindo até mesmo a "beneficiada" Coreia do Sul.

Geng Shuang, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, disse na terça-feira que Pequim é contra o sistema e que "tomará de forma resoluta as medidas necessárias para defender seus interesses na área de defesa".


O que é o Thaad?

- É um sistema capaz de interceptar mísseis de curto e médio-alcance na fase terminal de seu voo;

- Usa uma tecnologia conhecida como hit to kill, em que o míssil destrói o projétil inimigo com impacto;

- Tem alcance de 200 km e pode atingir uma altitude de 150 km;

- Já foi posicionado pelos EUA no território de Guam (Oceania) e no Havaí como defesa para possíveis ataques da Coreia do Norte;

- O veículo lançador carrega até oito mísseis interceptadores.

O funcionamento passo a passo

1. O inimigo lança um míssil;

2. O radar do sistema Thaad detecta o lançamento e alerta o centro de comando;

3. O centro de comando aciona o lançamento de um míssil interceptador;

4. O míssil interceptador destrói o projétil inimigo na fase terminal de voo.


Por que o Thaad é tão controverso?

Há oposição na Coreia do Sul aos planos. Para muitos sul-coreanos, o Thaad pode se tornar um alvo e colocar em perigo a vida das pessoas que vivem perto de locações militares.

Opositores fizeram diversas manifestações de protesto.

Internacionalmente, China e Rússia expressaram preocupação, afirmando que o sistema pode afetar o equilíbrio de segurança regional.

No ano passado, Pequim disse que o sistema tinha potencial "bem mais amplo" que as necessidades de defesa na Península Coreana. Representantes diplomáticos de Moscou em Seul classificaram o sistema como uma "ameaça direta" à segurança nacional.

Direito de imagem AP
Image caption Há sul-coreanos que também se opõem ao uso do sistema de mísseis

Segundo o especialista em defesa da BBC, Jonathan Marcus, o sistema Thaad não tem poder de fogo contra os mísseis intercontinentais chineses.

No entanto, os radares são potentes o suficiente para "bisbilhotar" território do país, e Pequim acredita que o Thaad pode ser usado para detectar lançamentos chineses e alertar sistemas balísticos americanos mais sofisticados.

"Os EUA já contam com uma poderosa rede de radares baseada no Japão e um sistema Thaad em Guam. Não é fácil quantificar qual o benefício adicional que os radares da Coreia do Sul trariam", diz Marcus.

'Estripulias' norte-coreanas

A Coreia do Norte ameaçou na semana passada lançar mísseis em represália a exercícios militares conjuntos entre os EUA e Seul, que ocorrem anualmente e sempre provocam irritação em Pyongyang.

Para o regime de Kim Jong-un, esses exercícios são uma preparação para uma invasão pelo sul.

Na segunda-feira, acabou disparando quatro mísseis na região de Tongchang-ri, próxima à fronteira com a China.

Três dos projéteis percorreram cerca de 1 mil km e caíram em águas japonesas. Segundo as autoridades sul-coreanas, o tipo de míssil usado parecia ser uma versão mais nova do Scud, de fabricação russa.

Direito de imagem AP
Image caption Base de Osan, na Coreia do Sul, recebeu lançadores de mísseis

Reação internacional

Líderes americanos e japoneses reuniram-se depois do lançamento norte-coreano, e o Conselho de Segurança da ONU convocou uma reunião de emergência para essa quarta-feira para discutir o incidente.

O almirante Harry Harris, comandante das tropas americanas no Pacífico Sul, disse que a atitude de Pyongyang confirmou a "prudência" de instalar o Thaad na Coreia do Sul.

Mas a operação aumentará as tensões entre Seul e Pequim.

Na semana passada, a Coreia do Sul acusou a China de fazer o que chamou de "retaliação econômica". Filiais da loja de departamentos sul-coreana Lotte na China foram fechadas e o governo anunciou ainda uma proibição da compra de pacotes turísticos para o vizinho.

Pequim é o destino de 40% das exportações coreanas - um total estimado em cerca de US$ 124 bilhões por ano, quatro vezes mais que o exportado pelo Brasil para a China em 2016.

No ano passado, 8 milhões de chineses visitaram Seul e adjacências.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas