Suécia: o que se sabe até agora sobre o ataque com caminhão em Estocolmo

Caminhão invade loja no centro de Estocolmo Direito de imagem Reuters
Image caption Três pessoas morreram e diversas pessoas ficaram feridas quando um caminhão invadiu loja no centro de Estocolmo

Um caminhão invadiu uma loja no centro de Estocolmo, capital da Suécia, nesta sexta-feira. Segundo a polícia local, quatro pessoas foram mortas e ao menos 12 ficaram feridas.

O primeiro-ministro sueco, Stefan Lofven, disse que foi um ataque terrorista.

A polícia sueca prendeu ao menos dois homens sob suspeita de participação no episódio. Um deles foi apontado com o suspeito de guiar o caminhão. Trata-se de um homem uzbeque de 39 anos, que já seria conhecido pelos serviços de segurança do país. A polícia disse ainda ter encontrado um "artefato suspeito" no interior do caminhão, mas não confirmou se era uma bomba.

O uzbeque foi preso na noite de sexta-feira, após a polícia divulgar imagens de câmeras de segurança. Uma segunda prisão foi realizada posteriomente - segundo a imprensa local, trata-se de um homem com ligações com o primeiro suspeito.

Os atropelamentos ocorreram em Drottninggatan, uma das principais vias de pedestres da capital sueca, pouco antes das 15h no horário local (10h pelo horário de Brasília). Após avançar contra a multidão, o caminhão atingiu a entrada de uma loja de departamentos, e o motorista deixou o local.

Uma testemunha, Annevi Petersson, afirmou à BBC que estava no provador da loja quando ouviu gritos. "Havia sangue por todo o lugar", disse.

Direito de imagem Divulgação
Image caption A polícia divulgou imagens de um suspeito de participação no ataque, e um homem com essas características foi posteriormente detido

Em pronunciamento na noite de sexta-feira, o primeiro-minsitro Lofven disse que os valores suecos de democracia e liberdade não seriam "minados pelo ódio". Ele também anunciou reforço na segurança nas fronteiras do país.

A jornalista Claudia Wallin, colaboradora da BBC Brasil na Suécia, estava perto do local do incidente.

"Eu estava na Drottninggatan quando começou uma correria muito intensa, pessoas chorando, correndo, gritando. A polícia entrou em seguida, pedindo a todos que se retirassem", relata.

O sistema de metrô, várias ruas centrais e linhas de ônibus foram fechadas.

Direito de imagem JONATHAN NACKSTRAND/AFP
Image caption "Muito pânico ao redor, muitas pessoas se abraçando e telefonando para familiares", relatou a colaboradora da BBC Brasil na Suécia, que estava próxima ao local do incidente

"Cheguei a ver a ambulância retirando um dos corpos, havia uma grande mancha de sangue no chão. Muito pânico ao redor, muitas pessoas se abraçando e telefonando para familiares."

Segundo Wallin, todo o centro foi bloqueado pela polícia - estações de metrô e o trânsito foram paralisados. Helicópteros sobrevoaram a cidade diante do receio de um novo ataque, afirmou a jornalista.

Uma cervejaria, dona do caminhão usado no ataque, informou que o veículo havia sido roubado mais cedo, durante uma entrega.

"Alguém entrou na cabine do motorista e saui com o veículo enquanto o motorista estava descarregando", afirmou um porta-voz à agência de notícias TT.

Em outro local da cidade, também foram disparados tiros, mas a polícia descartou relação entre os incidentes.

Direito de imagem Lasse Gare
Image caption Os atropelamentos ocorreram em Drottninggatan, uma das principais vias de pedestres da cidade

Em choque

Testemunhas disseram ter visto o caminhão entrando na vitrine de uma loja de departamentos e pessoas caídas no caminho por onde ele passou.

Autoridades municipais disponibilizaram diversos espaços, inclusive escolas, para acomodação temporária a quem não conseguiu chegar em casa pelas interrupções no sistema de transporte. Também pediram qiue as pessoas não compartilhassem imagens das vítimas.

Direito de imagem AFP
Image caption Primeiro-ministro sueco disse que tudo indica que o episódio foi um ataque terrorista

Ataques com veículos no Ocidente

- 14 de julho de 2016 - Nice (França) - Um homem avançou um caminhão por dois quilômetros contra uma multidão reunida para celebrar o Dia da Bastilha. O ataque deixou 86 mortos e mais de 300 feridos.

- 28 de novembro de 2016 - Ohio (Estados Unidos) - Um estudante de 18 anos atropelou um grupo de pedestres com seu carro na Universidade Ohio State e depois esfaqueou outras vítimas. Onze pessoas ficaram feridas antes de ele ser baleado e morto pela polícia.

- 19 de dezembro de 2016 - Berlim (Alemanha) - O ataque em Berlim matou 12 pessoas e deixou outras 49 feridas após um homem atropelar uma multidão com um caminhão no mercado de Natal de Breitscheidplatz.

- 22 de março de 2017 - Londres (Reino Unido) - Seis pessoas morreram e pelo menos 50 ficaram feridas após um carro invadir a calçada da Ponte de Westminster e o motorista dirigir em alta velocidade entre os pedestres. Após o atropelamento, o responsável também esfaqueou um policial ao tentar entrar no Parlamento, antes de ser baleado e morto.

- 23 de março de 2017 - Antuérpia (Bélgica) - Um homem foi preso após dirigir contra um grupo de pessoas. Facas, uma arma não letal e uma substância perigosa foram encontradas no carro, mas ninguém se feriu.