Polícia alemã prende suspeito de envolvimento com explosões que atingiram time de futebol

Janelas danificadas do ônibus do Borussia Direito de imagem Reuters
Image caption As explosões foram registradas perto do ônibus do time, segundo a polícia

A polícia alemã prendeu um suspeito de envolvimento no ataque a bomba ao ônibus do Borussia Dortmund, na terça-feira.

Promotores afirmam tratar o caso como um ataque terrorista, mas as motivações do atentado não estão claras. Três explosivos usados na ação continham pedaços de metal, e duas cartas que reivindicam a autoria do atentado estão sob análise.

O episódio ocorreu na terça-feira (11), quando o veículo transportava a equipe ao estádio Signal Iduna Park, em Dortmund (Alemanha), para jogo contra o Mônaco, pelas quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, o principal torneio de clubes de futebol do continente.

O grupo havia acabado de sair do hotel e foi surpreendido por três explosões. O zagueiro Marc Bartra feriu-se com estilhaços e foi levado ao hospital. A partida acabou adiada para esta quarta-feira (12).

Depois do atentado, torcedores de Mônaco e Borussia, que já estavam nas arquibancadas do estádio, se uniram para cantar "Dortmund, Dortmund" em homenagem ao clube.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta quarta-feira que o ataque foi "um crime terrível" e elogiou a união entre os fãs das duas equipes.

Direito de imagem Reuters
Image caption A polícia local confirmou que houve pelo menos três explosões, e segurança foi reforçada no estádio para partida remarcada

Cartas

Frauke Koehler, porta-voz do Ministério Público alemão, disse que dois suspeitos dentro do "espectro islâmico" se tornaram foco das investigações. "Os apartamentos dos dois foram vasculhados e um deles foi detido", afirmou.

A imprensa alemã vem divulgando que o suspeito preso é um iraquiano de 25 anos, e que o segundo suspeito é um alemão de 28 anos.

As explosões atingiram um raio de cem metros, e investigadores disseram que foi sorte não haver mais vítimas.

Um estilhaço de metal foi localizado em uma cadeira do ônibus, dentro de um descanso de cabeça.

Segundo o Ministério Público, três cópias de uma mesma carta que reivindica a autoria do ataque foram localizadas perto do local das explosões, e indicam que o responsável teria ligações com o grupo extremista autodenominado Estado Islâmico.

Recentemente, o Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelo ataque a uma feira de Natal em Berlim que deixou 12 mortos em dezembro.

A carta em questão, disse Koehler, exigia a "retirada de caças (alemães) Tornado da Sìria" e o "fechamento da base aérea de Ramstein", uma base americana no sudoeste da Alemanha. A autenticidade do texto está sob verificação.

O jornal Sueddeutsche Zeitung informou que a carta começa com a frase "Em nome de Alá", mas disse ainda que os responsáveis podem estar tentando atrapalhar a investigação.

Em uma segunda carta publicada na internet, grupos de extrema-esquerda supostamente reivindicam a autoria do ataque, mas investigadores dizem acreditar que a mensagem não seja autêntica.

Direito de imagem Instagram
Image caption O espanhol Marc Bartra, ferido no ataque, publicou uma mensagem de apoio aos colegas de equipe

Apesar da aparente ligação com extremismo islâmico, o ataque não parece com atentados semelhantes recentes, aponta Damien McGuinness, correspondente da BBC em Berlim.

Os explosivos, afirma ele, não foram preparados para causar o máximo possível de danos entre uma multidão, e nem visavam o estádio, que fica a quilômetros do local do ataque.

Mensagens

Depois das explosões, o Borussia Dortmund utilizou redes sociais para tranquilizar os torcedores.

"Pouco tempo depois da saída do ônibus do time do hotel, houve um incidente. O ônibus foi danificado em dois locais. Uma pessoa ficou ferida e foi para o hospital."

"Os jogadores estão em segurança. Não há perigo no estádio", foi a mensagem na conta do clube no Twitter.

O time também agradeceu pelos cantos de apoio da torcida do Mônaco nas arquibancadas.

Depois do incidente, o próprio Borussia Dortmund lançou uma iniciativa para acomodar fãs do Mônaco que precisariam ficar na cidade para poderem acompanhar o jogo adiado para quarta-feira. Em seguida, diversos torcedores do time alemão publicaram fotos recebendo em suas casas torcedores do Mônaco em um gesto de solidariedade após o incidente.

Direito de imagem Twitter/@vespafoto
Image caption Fã do Borussia publicou foto após receber torcedores do Mõnaco em casa e escreveu - em alemão - ''todos estão com fome"; campanha usou hashtags #bedforawayfans e #tableforawayfans (cama e refeição para torcedores visitantes)

Tópicos relacionados