Premiê britânica convoca eleições gerais no Reino Unido para 8 de junho

Theresa May Direito de imagem Getty Images
Image caption Anúncio da premiê pegou o país de surpresa; governo vinha indicando que só realizaria eleições em 2020

A premiê britânica, Theresa May, convocou eleições gerais no Reino Unido para 8 de junho - em um anúncio que pegou o país de surpresa na manhã desta terça-feira.

Em menos de dois meses, os britânicos irão às urnas para eleger o Parlamento e, assim, permitir que o partido com maioria indique o seu líder como primeiro-ministro.

May disse que a nova eleição é de "interesse nacional", que seria a única forma de garantir certeza e estabilidade para levar adiante o processo de Brexit - a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Ela disse que "relutou" em chegar à conclusão de que o voto seria necessário neste momento.

May disse ter mudado de ideia ao se convencer de que "a única forma de garantir a segurança nos próximos anos é realizar eleições".

Ela disse que o Reino Unido precisa de segurança, estabilidade e uma firme liderança neste processo. "O país está se unindo, mas Westminster (onde fica a sede do governo britânico) não está."

A premiê acusou outros partidos políticos de "jogarem" com a situação do país e disse que isso representa um risco ao sucesso do Brexit, além de gerar incerteza e instabilidade.

"Precisamos de eleições gerais e precisamos de uma agora. Temos agora uma chance única de fazer isso."

Eleição e 'divórcio'

Até hoje, o governo vinha negando que haveria eleições antes de 2020 - o prazo final previsto pela Constituição.

May assumiu o cargo em 13 de julho, após vencer a disputa pela liderança do partido Conservador, que buscava um sucessor para David Cameron.

Cameron fez campanha contra o Brexit e se viu impossibilitado de liderar o país no processo de "divórcio" com a UE.

Cameron renunciou no dia 24 de junho, um dia após o plebiscito que decidiu pelo Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

O anúncio de novas eleições vem menos de três semanas após o início oficial das negociações com a UE pela saída do Reino Unido - previstas para durarem dois anos.

Direito de imagem PA
Image caption 'Jogo político' ameaça futuro do Brexit, disse May

O Parlamento terá de aprovar a proposta de May - cujo partido controla o Legislativo.

O líder do principal partido de oposição, o Trabalhista, Jeremy Corbyn, elogiou a decisão "da premiê de dar aos britânicos a chance de votar por um governo que colocará os interesses da maioria em primeiro lugar".

As pesquisas mais recentes apontam se tratar de um momento favorável para os conservadores, avalia John Curtice, professor de Política da Universidade Strathclyde.

As médias das últimas consultas populares apontam que os conservadores têm o apoio de 42% da população, enquanto os trabalhistas têm 26%, o suficiente para dar à premiê uma "maioria significativa".