França vai às urnas: Por que sua eleição presidencial pode ser crucial para o futuro da Europa (e do mundo)

Eleitor francês vota Direito de imagem AFP
Image caption Eleição na França pode ser crucial para a União Europeia e o euro

Quase 47 milhões de eleitores franceses estão indo às urnas neste domingo em meio a um forte esquema de segurança após um ataque a policiais há três dias. Eles votam no primeiro turno das eleições presidenciais que são consideradas cruciais para o futuro da União Europeia (UE).

Com vários candidatos antieuropeus, que prometem a saída da França do bloco, e inúmeros outros que defendem mudanças profundas, a votação poderá resultar no enfraquecimento ou até mesmo no fim da UE e da zona do euro.

O tema teve destaque na campanha em meio à discussão sobre o Brexit, a saída do Reino Unido da UE. A crise migratória no continente também levanta debates sobre a proteção das fronteiras.

A decisão do pleito é importante para os rumos da Europa porque a França, juntamente com a Alemanha, é um dos países fundadores da UE e chamada de "locomotiva" da construção do bloco.

Quatro candidatos têm chances de ir para o segundo turno, em maio, em uma disputa que é a mais acirrada das últimas décadas. Nas pesquisas divulgadas na sexta-feira, data de encerramento da campanha, há um empate técnico entre o centrista Emmanuel Macron, com 23% a 24,5% das intenções de votos, com Marine Le Pen, da Frente Nacional, de extrema direita, com 22% a 23%.

O conservador François Fillon, de Os Republicanos, e o líder da França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon, da extrema esquerda, disputam o terceiro lugar, também em empate técnico, com 19% dos votos. Uma das pesquisas, do instituto OpinionWay, aponta Fillon muito próximo de Le Pen, com 21%.

Mas o número de indecisos permanece elevado: quase 30%. A taxa de abstenção, antes apontada como um possível recorde, é estimada agora, nas últimas pesquisas, em torno de 27% e permanece alta.

Todos os 11 candidatos concordam com a necessidade de transformar a UE. Mas propõem soluções totalmente distintas.

Alguns defendem a saída da França da UE e da zona do euro, enquanto outros querem renegociar acordos para dar mais soberania aos membros do bloco ou criar uma Europa menos liberal e dar fim à concorrência considerada selvagem dos países do Leste Europeu e de outros países, como a China.

Entenda a seguir o posicionamentos dos principais nomes na disputa.

Pró-europeus

Apenas três dos 11 candidatos na disputa defendem o reforço da integração europeia, em graus diferentes.

Emmanuel Macron

Direito de imagem Reuters
Image caption Centrista e favorito nas eleições, Macron defende maior integração da zona do euro

O centrista - do movimento En Marche! (Em Movimento!), criado por ele há um ano - é considerado o mais pró-europeu. O jovem ex-ministro da Economia do presidente François Hollande, de 39 anos e favorito na disputa presidencial, foi um dos primeiros candidatos (e um dos raros) a ter ido a Bruxelas, sede das instituições europeias.

"Eu falo sobre a Europa e defendo o projeto europeu. Há alguns anos, dizer isso seria um clichê. Hoje, é quase uma provocação", afirmou Macron, que é favorável a uma maior integração da zona do euro, com orçamento comum e um ministro da Economia para o grupo. Ele ficaria sob o controle de um parlamento da zona do euro, que reuniria parlamentares do bloco.

O candidato diz querer modernizar a Europa e prevê uma harmonização social (salário mínimo, direitos trabalhistas, seguro-saúde) e fiscal para empresas, também defendida por alguns de seus concorrentes. Os impostos de empresas e direitos dos trabalhadores variam bastante entre os países europeus, o que encoraja a transferência de companhias entre eles e provoca inúmeras críticas sobre os efeitos perversos da globalização.

O social-liberal faz questão de frisar que não é "nem de direita nem de esquerda", apesar de ter integrado o governo socialista de Hollande, e é o único candidato favorável ao tratado de livre comércio entre a UE e o Canadá (CETA), que ainda deve ser ratificado pelos 28 países membros do bloco.

Suas principais propostas são:

* Exigir ficha limpa na Justiça para poder disputar eleições e proibir que parlamentares contratem familiares.

* Suprimir 120 mil vagas de servidores, reestabelecer o serviço militar obrigatório, criar 15 mil vagas de prisão e contratar 10 mil policiais civis e militares.

* Reduzir a proporção dos gastos públicos em relação ao PIB, com economia de 60 bilhões de euros em cinco anos de mandato, e investir 50 bilhões de euros - 15 bilhões para a formação profissional e 15 bilhões para a transição energética.

* Aumentar as pensões mínimas de aposentadoria em 100 euros (cerca de R$ 350,00) por mês.

* Criar mecanismo de controle de investimentos estrangeiros em setores industriais estratégicos e lutar contra a otimização fiscal de grandes grupos de internet.

François Fillon

Direito de imagem Reuters
Image caption Fillon diz que quer "renovar totalmente" a União Europeia

O conservador Fillon votou contra o tratado de Maastricht (que define os pilares da UE) nos anos 1990 e quer "renovar totalmente" o bloco. O candidato de Os Republicanos defende mais poder para os chefes de Estado, reduzindo o peso da Comissão Europeia, o órgão Executivo do bloco, que ele chama de "tecnocrata".

Ao mesmo tempo, Fillon prevê reorganizar a zona Schengen para lutar contra a imigração ilegal e dotar a Europa de "um verdadeiro governo econômico" e de uma União da Defesa, pilotada pela França e pela Alemanha.

Suas principais propostas são:

* Demissão de 500 mil servidores e redução de 100 bilhões de euros em gastos públicos em 5 anos.

* Fim da atual jornada de trabalho de 35 horas semanais, permitindo que as empresa decidam por meio de convenções coletivas.

* Incluir na Constituição o princípio de cotas de imigração e reforçar o direito do solo, impondo uma série de condições, como escolarização e ausência de condenação penal.

* Aumentar a idade mínima de aposentadoria para 65 anos em vez dos 62 atuais e suprimir regimes especiais de aposentadoria.

* Acabar com o Imposto de Solidariedade Sobre a Fortuna (ISF), cobrado de quem possui patrimônio superior a € 1,3 milhão (R$ 4,4 milhões).

Benoît Hamon

Direito de imagem Reuters
Image caption Hamon representa área mais à esquerda do Partido Socialista

O socialista Hamon, que representa a ala mais à esquerda do PS, com apenas 8% das intenções de voto, quer o fim da política de austeridade definida pela Comissão Europeia, com uma moratória do pacto de estabilidade (que fixa o déficit em até 3% do PIB) até a obtenção de um novo acordo.

Suas principais propostas são:

* Criação da Renda Universal de Existência para pessoas (de jovens a aposentados) que ganham pouco menos de dois salários mínimos por mês (2,2 mil euros - R$ 7,4 mil), aumentar o piso da aposentadoria em 10% e contratar 40 mil professores.

* Investir 3% do PIB em pesquisas e desenvolvimento e 2% do PIB na Defesa e reforçar o controle de gastos de parlamentares.

* Dar prioridade aos produtos nacionais e criar uma taxa suplementar sobre os lucros de multinacionais.

* Autorizar a eutanásia e legalizar o consumo da maconha para maiores de idade.

* Manter a cobertura de saúde de imigrantes ilegais em situação precária, que representa gastos de cerca de 800 milhões de euros e eealizar plebiscito sobre o direito de votos dos estrangeiros (atualmente, apenas europeus podem votar em eleições municipais e europeias na França).

Antieuropeus

Marine Le Pen

No extremo oposto, está Le Pen, da extrema direita. Ela julga a Europa responsável por todos os problemas da economia francesa, sobretudo o desemprego, que está na faixa dos 10%, e promete o Frexit e a volta do franco francês. Pesquisas indicam, no entanto, que 72% dos franceses são contra a saída da zona do euro.

A candidata disputa sua segunda eleição presidencial e atrai boa parte do eleitorado operário. Ela declarou que "a Europa vai morrer" caso seja eleita.

Direito de imagem Reuters
Image caption De extrema direita, Le Pen defende o 'Frexit'

"A União Europeia vai morrer, porque os povos não querem mais", diz ela, que cita com frequência o Brexit.

Le Pen diz que se vencer as eleições iniciará negociações para que a França volte a ter soberania orçamentária, territorial, legislativa e monetária. Ela também prevê a saída da França da zona Schengen, de livre circulação de pessoas.

Representantes de instituições europeias, que teriam preferência por Macron, veem com grande apreensão a eventual vitória da candidata da Frente Nacional. "Se Le Pen vencer, usarei roupa de luto", disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Le Pen propõe um plebiscito sobre a saída da França da UE e da zona do euro e promete deixar a Presidência se os franceses votarem a favor da permanência no bloco.

Suas principais propostas são:

* Suprimir o direito de solo para aquisição da nacionalidade francesa e retirada da nacionalidade francesa de pessoas com dupla nacionalidade investigadas por ligações com o islamismo radical.

* Proibição do uso de símbolos religiosos em todos os espaços públicos e volta da idade mínima de aposentadoria para 60 anos em vez dos 62 atuais.

* Incluir na Constituição a "prioridade nacional", com a criação de impostos sobre novas contratações de trabalhadores estrangeiros e reduzir drasticamente a imigração legal de cerca de 200 mil pessoas por ano, atualmente, para apenas 10 mil

* "Protecionismo inteligente", com a criação de uma taxa adicional de 3% sobre importações de países que praticam concorrência desleal.

* Reduzir o número de parlamentares, atualmente de 577 deputados e 348 senadores, para 300 e 200, respectivamente.

Jean-Luc Mélenchon

Direito de imagem Reuters
Image caption Mélenchon prevê fazer um plebiscito sobre saída da França da UE

Como Le Pen, o candidato da extrema esquerda Mélenchon também pretende virar a mesa, com a opção do Frexit, e realizar um plebiscito sobre a questão. "Ou a União Europeia muda ou saímos. A Europa dos nossos sonhos morreu", diz o líder da França Insubmissa.

Mélenchon diz que irá negociar novas regras. Uma das exigências é o fim da independência do Banco Central Europeu. Na prática, isso dificilmente será aceito pela Alemanha, que impôs essa condição para aderir ao euro.

Entraria então em ação o que ele chama de "plano B": a saída da França da UE.

Suas principais propostas são:

* Aumentar o salário mínimo em 16% para 1,3 mil euros líquidos (cerca de R$ 4,4 mil) e volta da idade mínima da aposentadoria para 60 anos em vez dos 62 atuais.

* Implementar novas faixas do Imposto de Renda e criar alíquota de 90% para ganhos acima de 34 mil euros mensais.

* Reunir uma Assembleia Constituinte para escrever, sob o controle dos cidadãos, uma nova Constituição.

* Investir 100 bilhões de euros em projetos de moradia, ecológicos e serviços públicos e contratar pelo menos 60 mil professores, além de policiais e funcionários do serviço hospitalar.

* Saída da França da OTAN (Aliança do Tratado do Atlântico Norte), da OMC (Organização Mundial do Comércio), do FMI (Fundo Monetário Internacional) e do Banco Mundial.

* Tornar inelegível para sempre políticos condenados por corrupção e permitir, por plebiscito, a revogação de mandatos políticos, inclusive do presidente.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas