'Não consigo mais dormir': sobrevivente relata sequelas um mês após 'ataque químico' na Síria
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Sobrevivente relata sequelas um mês após 'ataque químico' na Síria

Abo Rabeea é uma das vítimas do ataque na Síria que acredita-se ter sido efetuado com gás sarin, no início de abril.

Ele diz que seus olhos ainda lacrimejam, sua cabeça dói e ele tem dificuldade para respirar.

"Naquele dia, fiquei tonto, não conseguia respirar e meus olhos e nariz ardiam", conta.

Rabeea ficou desorientado. Um vizinho o socorreu.

"Às vezes sonho que há alguma coisa dentro do meu peito. Algo pesado. Não tenho conseguido mais dormir."

Rabeea abandonou sua casa desde o episódio. Um de seus conhecidos é o homem que perdeu toda a família, incluindo dois filhos gêmeos de 9 meses.

O ataque deixou estimados 87 mortos e centenas de vítimas, cujos sintomas indicam se tratar de armas químicas - algo que o governo sírio nega.

As acusações de uso de gás sarin foram o estopim para o bombardeio americano à Síria no mês passado.