'Comunismo para crianças': o livro alemão que irritou a direita conservadora nos EUA

Ilustrações do livro Comunismo para Crianças Direito de imagem MIT Press
Image caption Ilustrações do livro 'Comunismo para Crianças'; obra fala sobre doutrina em linguagem simples e desenhos de 'pequenas revolucionárias vivenciando seu despertar político'

A ensaísta política, ativista de esquerda e artista alemã Bini Adamczak esperava alguma polêmica quando lançou nos EUA, há dois meses, a versão em inglês de um livro que escrevera havia 13 anos. Mas não previa a onda de críticas de sites e jornais conservadores do país.

Adamczak, de 38 anos, é autora de Comunismo para Crianças, publicado nos Estados Unidos pela prestigiosa MIT Press (editora do Instituto de Tecnologia de Massachusetts). Apesar do título, o livro, que explica as origens e a história do comunismo - e apresenta a visão da autora de como a ideologia ainda poderia servir de modelo político - não foi escrito para o público infantil.

"Ao escrever o livro, percebi que a linguagem acadêmica eliminava toda afetividade", contou ela à BBC Brasil. "Por isso, tive a ideia de escrevê-lo em linguagem infantil, que é mais simples e todo mundo entende."

O livro explica conceitos como capitalismo, mercado e comunismo em ritmo de fábula infantil, com histórias ilustradas de princesas invejosas, camponesas desalojadas, patroas malvadas e trabalhadoras cansadas.

Direito de imagem MIT Press

A obra causou grande irritação e uma chuva de críticas de políticos e da mídia conservadora americana, muitas a chamando de livro "que ensina comunismo a crianças".

O blog Economic Policy Journal, por exemplo, descreveu o trabalho como "o livro mais perigoso sobre economia escrito para crianças", e o político republicano Garry R. Smith, deputado no Estado da Carolina do Sul, escreveu no Twitter que a publicação "transforma uma ideologia mortífera em conto de fadas".

Publicações como The American Conservative e The National Review, alguns dos principais jornais conservadores dos EUA, também repudiaram o texto por ignorar atrocidades cometidas por regimes comunistas. A escritora foi criticada também por escrever sem experiência própria, já que nunca morou em um país comunista.

Dezenas de milhões de pessoas morreram executadas ou presas em campos de trabalhos forçados ou vítima da fome em países como União Soviética e China, ou por ações de regimes e grupos comunistas na Ásia, África e América Latina.

O Livro Negro do Comunismo: Crimes, Terror, Repressão, publicado em 1997 por uma equipe de historiadores europeus, que faz um balanço dos crimes cometidos sob a bandeira do comunismo, estima o número de mortos em 94 milhões.

'Má compreensão'

Direito de imagem Reprodução
Image caption Obra entrou na mira de políticos e da mídia conservadora americana

Em artigo publicado no jornal The New York Times, o tradutor do livro para o inglês, Jacob Blumenfeld, diz que "100% das críticas são baseadas numa má compreensão do título".

"Qualquer um que ler mais do que o título escandaloso reconhecerá imediatamente que o livro é uma crítica da história do comunismo", diz Blumenfeld.

À BBC Brasil, Adamczak afirmou que o livro faz uma crítica ao que chama de "comunismo autoritário".

"O stalinismo (período de 1924 a 1953 em que a União Soviética foi comandada pelo ditador Joseph Stálin) prejudicou muito a possibilidade do futuro do comunismo. Essa herança do comunismo autoritário é um problema real para as pessoas que lutam por um mundo diferente", diz a autora.

Ela acha que o uso da expressão "para crianças" no título e a publicação pela MIT Press, editora universitária de elite e com prestígio entre conservadores americanos, são fatores que pesaram nas críticas, mas que "a principal crítica é política, pois o comunismo continua sendo uma fonte de irritação".

Utopia

O livro tem duas partes. Na primeira, explica, a partir de exemplos simples, termos como mercado, trabalho e capitalismo, para depois expor a história dos regimes comunistas e seus fracassos.

Na segunda parte, mais teórica, Adamczak apresenta o comunismo como uma utopia em processo de desenvolvimento e que, na sua visão, poderia, um dia, ser uma alternativa mais igualitária ao modelo capitalista.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Livro de ensaísta alemã foi criticado por supostamente minimizar crimes cometidos por regimes comunistas como o de Joseph Stalin na União Soviética

A polêmica levou a MIT Press a sair em defesa da publicação.

Em texto no site da editora, o editor Marc Lowenthal diz que Comunismo para Crianças é um livro do tipo que "sintetiza conhecimento - tornando-o acessível - para um público mais amplo", escrito com "humor e charme".

"O propósito do livro é entender o que foi, o que é e o que poderia ser o comunismo, e qual modelo (sendo que houve vários comunismos através da história) seria o melhor ou se o comunismo precisa ser reinventado. Para isso, o livro oferece inicialmente uma explicação sobre capitalismo e como ele trouxe sofrimento a algumas pessoas", afirma Lowenthal.

O livro ainda não tem versão em português, mas uma editora brasileira já manifestou interesse em publicá-lo. Como as conversas estão no início, a editora alemã preferiu não dar detalhes sobre a negociação.

Notícias relacionadas