Com aula de pintura e piscina, centro de reabilitação tenta recuperar extremistas na Arábia Saudita

Centro de reabilitação de jihadistas
Image caption Centro de reabilitação de jihadistas só existe na Arábia Saudita e foi criado em 2004

Enfileirados em uma tenda, sentados em almofadas bordadas e com tornozeleiras eletrônicas nos pés, os nove prisioneiros iemenitas da organização extremista al-Qaeda estão agitados, mexendo as mãos sem parar.

A maioria desses homens - os quais não tivemos autorização para fotografar - passou os últimos 15 anos de suas vidas encarcerada na base militar americana em Guantánamo. O último chegou em abril.

Eles haviam sido presos no Afeganistão entre 2001 e 2007.

Antes de ganhar a liberdade, contudo, foram enviados à Arábia Saudita, sob a alegação de que seriam "desradicalizados".

O encontro entre os pesquisadores e jornalistas do Ocidente com aqueles prisioneiros não foi nem um pouco natural - eles, os iemenitas, pareciam desconfortáveis tendo que responder às nossas perguntas vigiados pela segurança saudita.

Todos estão cientes de que cada palavra que disserem estará sendo monitorada para flagrar qualquer indício de intenção de violência.

A libertação deles - iminente - depende disso.

Mas quando esse dia chegar, eles não devem voltar ao seu país nativo, o Iêmen, que se encontra em guerra civil.

Caso contrário, haveria grandes chances desses ex-prisioneiros se reintegrarem às fileiras da al-Qaeda.

Por trás da visita dos jornalistas e pesquisadores, está a intenção das autoridades sauditas de mostrar ao mundo como funciona o centro de reabilitação para jihadistas.

Image caption O centro é um caminho de transição entre a prisão e a volta à sociedade

Conhecido como "Centro de Apoio e Cuidados Príncipe Mohammed Bin Nayef", o local foi fundado em 2004 depois de uma série de ataques promovidos pela al-Qaeda no país.

A maioria dos presos ali é saudita, condenada por leis antiterroristas.

O centro funcionaria, assim, como uma etapa de transição entre a prisão e a liberdade. Ou seja, um meio de ressocialização desses extremistas.

Mas será que isso funciona?

Image caption Centro também conta com locais para prática esportiva

Na maioria das vezes, sim, é o que eles dizem.

Não existe, no mundo, nenhum outro centro de reabilitação que prometa uma "desintoxicação" de tamanha escala.

Mais de 3,3 mil presos "se formaram" no centro desde 2005, segundo os funcionários, sendo 123 deles prisioneiros vindos da base de Guantánamo.

Segundo as autoridades sauditas, 80% dos condenados que passam por ali se recuperam e não voltam a cometer atos violentos - a taxa de "reincidência" seria, assim, de 20%.

O tempo mínimo de permanência é de três meses. Terminado esse período, os presos são avaliados como "prontos" ou não para ganharem a liberdade.

O programa é dividido em três partes:

  • Uma fase de apoio e conselhos, que acontece quando eles estão ainda na prisão, antes de chegarem ao centro.
  • Reabilitação ("ta'heel" em árabe), que compreende programas cognitivos, de arte, de cultura, de religião e atividades esportivas.
  • Cuidados posteriores - que continuam depois que os presos são libertados.

"Sejam bem-vindos ao oásis da sabedoria", diz Hamid Al-Shayri, sociólogo da Universidade de King Saud, na Arábia Saudita.

"É aqui que tentamos afastá-los do caminho desviante, para que eles não mais representem um perigo para a sociedade", explica.

Ele conta que a equipe de funcionários conversa com os presos por horas todos os dias.

Al-Shayri ressalva, contudo, que "não é uma tarefa fácil fazer essas pessoas pararem de odiar a sociedade e suas famílias."

A terapia de arte também tem um papel fundamental na reabilitação, segundo o professor Badr Al-Razin.

Ele me diz que, quando chegam ali, muitos dos presos querem pintar imagens cruéis e violentas, na maioria das vezes em vermelho. Mas, com o tempo, os desenhos vão se tornando mais leves e suaves.

Os estudos religiosos também têm papel central na ressocialização - os instrutores têm profundo conhecimento do Islã, e tentam usar isso para explicar por que os objetivos e ações dos jihadistas violentos são "haram" (pecado, em árabe).

Image caption Terapeuta Bader Al-Razin explica benefícios da terapia com arte para os ex-condenados

Então perguntamos aos iemenitas de Guantánamo como eles se sentem sobre a possibilidade de serem reinseridos na sociedade depois de todo esse tempo.

"Nós mudamos", afirma o mais velho. "Vamos nos considerar novos indivíduos agora, graças a esse lugar", acrescenta.

"Claro que nós odiamos as pessoas que nos maltrataram em Guantánamo, mas pelos programas que tivemos aqui, fomos capazes de superar esses sentimentos. Minha preocupação agora é se as pessoas da comunidade irão nos aceitar de volta", diz.

"Além disso, o mundo mudou tanto desde que ficamos fora dele, que talvez a gente sequer o reconheça", pondera.