De onde veio, como cresceu e qual o futuro do Estado Islâmico

Combatente do EI em vídeo do grupo Direito de imagem Reprodução
Image caption Combatente do EI em vídeo do grupo, que tem suas origens no período em que o Iraque estava mergulhado em violência sectária

Responsável por alguns dos piores atentados dos últimos anos, o grupo extremista autodenominado Estado Islâmico, que neste mês sofreu um forte revés com a perda do controle de Mossul, no Iraque, tem suas origens no período imediatamente anterior à intervenção americana que derrubou o regime de Saddam Hussein, em 2003.

Em 2002, um ano antes da invasão americana, chegou ao Iraque o insurgente jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, que havia criado um grupo extremista nos anos 1990 e estabelecido campos de treinamento no Afeganistão, onde conheceu o fundador da Al-Qaeda, Osama bin Laden.

Em 2004, Zarqawi jurou fidelidade a Bin Laden e transformou seu grupo na Al-Qaeda no Iraque, responsável por vários atentados nos anos seguintes, quando o Iraque estava mergulhado em violência sectária - com membros da minoria sunita, retirada do poder após a queda de Saddam Hussein, insurgindo-se contra a presença americana e o novo governo, liderado pela maioria xiita e apoiado pelos Estados Unidos.

Zarqawi foi morto pelas forças americanas em 2006, e a Al-Qaeda no Iraque mudou de nome, para Estado Islâmico do Iraque.

"Tudo isso aconteceu em reação à invasão militar americana e ocupação do Iraque", disse à BBC Brasil o professor de História e especialista em Oriente Médio Juan Cole, da Universidade de Michigan.

O diretor do centro de Segurança Internacional e Defesa da organização de pesquisa e análise Rand Corporation, Seth Jones, discorda da avaliação de que o Estado Islâmico tenha suas origens na intervenção americana.

Direito de imagem KARAM AL-MASRI/AFP
Image caption Métodos empregados pelo Estado Islâmico, que incluem decapitações e crucificações, são considerados extremos até por grupos como a Al-Qaeda

"As origens são muito mais antigas, remontam à década de 1990 (quando Zarqawi criou seu grupo extremista)", disse Jones à BBC Brasil.

Jones observa, porém, que a retirada das tropas americanas, em 2011, foi um dos fatores que ajudaram a criar as condições para o ressurgimento do grupo com força, em 2014.

Prisão americana

Os substitutos de Zarqawi também foram mortos pelas forças americanas e, em 2010, Abu Bakr al-Baghdadi, o atual líder do Estado Islâmico, assumiu o poder.

Seis anos antes, em 2004, Baghdadi havia passado alguns meses na prisão americana de Camp Bucca, no sul do Iraque.

Segundo analistas, a prisão, que chegou a abrigar mais de 25 mil detentos - muitos deles transferidos de Abu Ghraib após o escândalo de torturas e abuso de prisioneiros -, tranformou-se em local de radicalização e colaboração entre extremistas.

Assim como Baghdadi, vários outros integrantes da cúpula do Estado Islâmico passaram por Camp Bucca. Dentro da prisão, ao contrário das ruas do Iraque, esses extremistas tinham liberdade para fazer contatos e trocar ideias.

"Há evidências de que os radicais aproveitaram o fato de estarem concentrados em um único lugar para se conectar uns com os outros", ressalta Cole.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Zarqawi, fundador da Al-Qaeda no Iraque, foi morto pelas forças americanas em 2006

Síria e Califado

A partir de 2011, no início da guerra na Síria, o Estado Islâmico expandiu suas operações para aquele país, sob o nome de frente Al-Nusra.

Ayman al-Zawahiri, que passou a comandar a Al-Qaeda central após a morte de Bin Laden, declarou a Al-Nusra como braço sírio da Al-Qaeda, mas a decisão foi rejeitada por Baghdadi.

Ignorando a oposição de Zawahiri, Baghdadi rompeu de vez com a Al-Qaeda e anunciou a união de suas forças no Iraque e na Síria, criando o Estado Islâmico do Iraque e do Levante.

Em 2014, alegando ser descendente de Maomé, Baghdadi decretou a criação de um califado, um Estado governado conforme sua interpretação da lei islâmica, autoproclamou-se califa e conclamou muçulmanos ao redor do mundo a jurar fidelidade e migrar para o território controlado pelo grupo.

Expansão

Os métodos empregados pelo Estado Islâmico, que incluem decapitações e crucificações, são considerados extremos até por outras organizações extremistas, como a Al-Qaeda.

Mesmo muçulmanos que não aderem à sua ideologia são considerados infiéis e alvo de ataques.

O grupo conquistou território no Iraque e na Síria e atraiu combatentes do mundo inteiro, muitos deles jovens ocidentais que decidiram se unir organização ou promover atentados em seu nome em seus países de origem.

"O fato de controlarem uma grande fatia de território ajudou muito (a atrair combatentes). Além disso, eles usam as redes sociais de maneira muito eficaz para encorajar as pessoas a virem ao seu autoproclamado califado", ressalta Jones.

Direito de imagem KARIM SAHIB/AFP
Image caption Campanha militar levou EI a perder território na Síria e no Iraque (acima)

Perda de território

Ao longo do último ano, como resultado de campanha liderada pelos Estados Unidos, o Estado Islâmico vem perdendo vastas áreas sob seu controle no Iraque e na Síria, além de partes de territórios que controlava em países como Líbia, Egito, Nigéria e Afeganistão.

Segundo dados da Rand, no fim de 2014 cerca de 11 milhões de pessoas viviam em território controlado pelo Estado Islâmico. Até o início deste ano, o grupo já havia perdido 73% desse contingente populacional e 57% do território que controlava.

O último impacto veio neste mês, quando o grupo extremista perdeu o controle de Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, que dominou por mais de três anos.

A cidade era o bastião do EI no Iraque, e foi retomada por forças iraquianas com apoio de militantes curdos e da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

Com a redução do território, diminuíram também as fontes de financiamento (entre elas impostos cobrados das populações que vivem nas áreas controladas) e o número de combatentes, o que gera dúvidas sobre o futuro da organização.

"Há diversos fatores que podem determinar o futuro do grupo. Um deles é se conseguirão santuário em outros territórios", salienta Jones.

Segundo o analista, ao perder território o grupo deverá recorrer a estratégias de guerrilha em vez de confrontar as forças iraquianas ou sírias diretamente no campo de batalha.

Vingança

Mesmo com a perda de território, o Estado Islâmico continua inspirando indivíduos a cometer atentados em seu nome.

"Atentados inspirados ou dirigidos pelo grupo são prováveis. Aqueles simplesmente inspirados tendem a ser menos sofisticados, usando facas ou mesmo veículos, como já ocorreu", observa Jones.

Cole acredita que a perda de território poderá levar o Estado Islâmico a buscar vingança contra os Estados Unidos e a Europa, por terem ajudado a derrotá-lo, e provocar mais ataques. No longo prazo, porém, prevê a decadência do grupo.

"Quando são derrotados, perdem muito do apoio e dos recursos. Pense na Al-Qaeda depois da morte de Bin Laden, que não parece capaz de ou disposta a lançar nenhum grande ataque", observa.

"Sua capacidade de inspirar vai diminuir. Ninguém quer se unir a um grupo de perdedores. No curto prazo, poderão lançar ataques, mas no médio e longo prazo, provavelmente entrarão em decadência", prevê Cole.