A ex-modelo canadense que largou tudo para combater o Estado Islâmico na Síria
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

A ex-modelo canadense que largou tudo para combater o Estado Islâmico na Síria

Hanna Tiger Böhman é canadense e chegou a trabalhar como modelo por um tempo, mas hoje nem gosta de lembrar essa fase de sua vida.

Sua rotina hoje é completamente diferente daquela dos ensaios de fotos que um dia estrelou. Mas nem em sonho, diz, trocaria o que vive agora na Síria por aqueles velhos tempos posando para fotógrafos no Canadá.

“Eu sempre sou estigmatizada como ‘a ex-modelo’. Mas isso é um insulto para mim. Porque isso foi uma parte tão pequena da minha vida… nunca ganhei a vida com isso. Foi tomando rumos que eu não gostava, era machista", afirma em entrevista à BBC.

Hanna se juntou a um grupo de combatentes mulheres na Síria e foi lutar contra o Estado Islâmico.

Ela conta que, mais importante do que combater os extremistas, é batalhar para resgatar as mulheres que estão sob o controle deles.

“Era algo que me incomodava muito, eu tinha que fazer alguma coisa. O maior objetivo é lutar pelos direitos das mulheres”, diz, lembrando que muitas delas são escravizadas e tratadas como "máquinas de bebês".

A ex-modelo conta que já manejava armas.

“Eu já sabia usar armas porque saía para caçar no Canadá. Mas é diferente apontar uma arma para uma pessoa. Só que eu tento não pensar neles como pessoas. O Estado Islâmico é apenas outro animal.”

Hanna rebate preconceitos de que, para ser uma soldada, é preciso perder a feminilidade.

“Só porque você está disposta pegar em uma arma e lutar por algo que você acredita, isso não significa que você é ‘menos mulher’. Você pode continuar sendo feminina e curtir todos esses aspectos em você. E ainda pode ser durona.”

Questionada sobre ter medo de morrer cedo, a canadense diz que isso “faz parte do jogo” para quem se propõe a ir para uma zona de combate tão intensa.

“Eu quero ajudar as pessoas. Quero que eles fiquem em segurança", afirma.

"Se eu tivesse que escolher entre viver muitos anos com auxílio de remédios e aparelhos ou ser morta fazendo algo que vale a pena… eu preferiria morrer fazendo algo que valha a pena.”

Tópicos relacionados