Irã é alvo de primeiro atentado desde Revolução Islâmica de 1979

Parlamento Direito de imagem Omid Vahabzadeh/Reuters
Image caption Forças iranianas assumem posição durante ataque ao Parlamento no centro de Teerã

Dois ataques de homens armados em Teerã nesta quarta-feira, contra o Parlamento iraniano e ao mausoléu do aiatolá Khomeini, deixaram pelo menos 13 mortos e cerca de 40 feridos.

O ataque ao prédio do Parlamento parece já ter terminado, após horas de tiroteios. No ataque ao mausoléu, um homem-bomba se explodiu e outro foi morto a tiros.

Autoridades iranianas afirmam ter conseguido frustrar a tentativa de um terceiro ataque.

O Estado Islâmico (EI) reivindicou a responsabilidade pelos ataques, algo até então inédito no Irã. O grupo extremista islâmico divulgou um vídeo que mostra o que seriam imagens de dentro do prédio do Parlamento.

A mídia iraniana disse que quatro indivíduos foram mortos por forças de segurança no interior do prédio. Ainda não está claro se a soma de 12 mortes inclui os responsáveis pelos ataques.

Cerca de 40 pessoas foram feridas nos dois atentados, de acordo com o chefe do serviço de emergência Pir Hossein Kolivand.

Invasão

O prédio do Parlamento foi invadido por homens armados de fuzis Kalashnikov, supostamente vestidos de mulher.

Imagens do local mostraram uma grande operação de segurança e barulho de tiros.

Autoridades iranianas negaram que pessoas tinham sido feitas reféns dentro do Parlamento.

Um porta-voz, Ali Larijani, minimizou o ataque, chamando-o de "incidente menor".

Direito de imagem JamaranNews/Fars
Image caption Imagem divulgada pelo Fars News mostra explosão no mausoléu

O ataque ao mausoléu no sul de Teerã dedicado ao fundador da República Islâmica, o aiatolá Ruhollah Khomeini, teria ocorrido por volta das 10h40 do horário local (3h10 de Brasília).

Um dos autores do ataque morreu ao detonar um colete-bomba e outro foi morto por forças de segurança, segundo a TV estatal Irib.

Imagens do local mostram granadas e cartuchos de armas sendo aparentemente recolhidos do corpo de um agressor.

Pelo menos um dos envolvidos parece ser uma mulher, ou talvez estivesse vestido de mulher.

Várias pessoas que visitavam o lugar foram feridas.

Image caption Mapa de Teerã

Contexto - por Jenny Norton, do serviço persa da BBC

Este parece ser o mais grave incidente de violência terrorista em Teerã desde os turbulentos anos logo após a Revolução Islâmica de 1979.

Isto será um grande choque para os iranianos, que se acostumaram a viver num país que geralmente é muito mais estável e seguro do que a maioria de seus vizinhos.

Apesar do ativo envolvimento do Irã no combate ao EI tanto no Irã como na Síria, o grupo sunita até então não tinha realizado ataques no interior do Irã, e parece ter pouco apoio no país predominantemente xiita.

Entretanto, nos últimos meses, o grupo intensificou os esforços de propaganda na língua farsi - com foco na minoria sunita rebelde do Irã, e as agências de inteligência afirmam ter frustrado uma série de possíveis ataques do EI.

Análise - da equipe de monitoramento da mídia jihadista da BBC

O EI divulgou este ano uma série de peças de propaganda com o objetivo de incitar ataques dentro do Irã.

Um vídeo com o estilo documental do EI mostrou, em março, militantes que eram introduzidos como combatentes iranianos do EI no Iraque.

Falando em farsi, eles criticaram o governo iraniano e o establishment religioso, incluindo o líder espiritual do país, o aiatolá Ali Khamenei.

Um ataque no Irã, se for bem-sucedido, poderia ser um triunfo importante contra um inimigo tradicional que outros grupos jihadistas, incluindo seu rival Al-Qaeda, nunca conseguiram.

Direito de imagem EPA
Image caption Imagem parece mostrar criança sendo retirada do prédio do parlamento
Direito de imagem AFP
Image caption Há informações ainda conflituosas sobre os eventos no mausoléu, no sul de Teerã