Trump x Comey: Quem diz o que na disputa entre o presidente e o ex-diretor do FBI

Donald Trump e James Comey Direito de imagem Getty Images / AFP

O ex-diretor do FBI James Comey concedeu nesta quinta-feira seu aguardado depoimento a um comitê do Senado americano, com potenciais repercussões negativas ao governo de Donald Trump.

Foi a oportunidade de Comey dar sua versão sobre as interações que teve com Trump até ser demitido, um mês atrás, em meio a investigações do FBI quanto aos supostos elos com a Rússia de pessoas próximas ao presidente.

O ex-diretor afirmou que "não tem dúvidas" de que foi demitido pelo republicano por causa da investigação sobre a Rússia.

Também diz que, antes da demissão, Trump pediu a ele "lealdade" e que o FBI abandonasse um inquérito sobre o ex-assessor de segurança do presidente Mike Flynn, que se viu obrigado a renunciar em meio à pressão gerada pela revelação de que havia mantido contatos extraoficiais com os russos.

Os advogados de Trump, por sua vez, negaram as acusações e acusam Comey de ter vazado "comunicações confidenciais".

As declarações do ex-chefe do FBI são importantes porque podem ser usadas pela oposição democrata em sua acusação de que o presidente teria praticado obstrução de justiça - algo que ele nega.

No duelo verbal entre Trump e Comey, veja as versões de cada um sobre as conversas entre os dois:


Os russos 'interferiram na campanha eleitoral americana de 2016'

O que Trump diz: "Os democratas inventaram essa história como uma desculpa por terem conduzido uma campanha terrível", tuitou o presidente em março.

O que Comey disse na audiência no Senado: O ex-diretor do FBI diz que não deve haver dúvidas de que "os russos interferiram na eleição". "Eles fizeram isso com propósito, sofisticação, com extraordinário esforço técnico. (...) Isso é o menos 'fake' possível e é muito, muito sério."

O que diz a Rússia: O presidente Vladimir Putin negou as acusações diversas vezes.


'Deus, espero que haja gravações'

O que Trump diz: "É bom que James Comey torça para que não haja 'gravações' das nossas conversas antes de começar a vazar (declarações) à imprensa", Trump tuitou em maio.

O que Comey disse na audiência no Senado: "Eu vi esse tuíte sobre as gravações. Deus, espero que haja gravações", ele declarou. Comey afirma que começou a anotar detalhadamente suas conversas com Trump depois que, segundo ele, o presidente lhe pediu "lealdade".

"Eu estava honestamente preocupado que ele (Trump) mentisse sobre a natureza dos nossos encontros, então achei que (o memorando) seria um documento muito importante."


O presidente pediu 'lealdade'

O que Comey disse em comunicado: "O presidente disse: 'Preciso de lealdade, espero lealdade'. Eu não me mexi, não falei ou mudei minha expressão facial durante o silêncio constrangedor que se seguiu. Simplesmente nos olhamos em silêncio."

O que Comey disse na audiência no Senado: Comey afirmou achar que Trump estava tentando construir uma relação de lealdade ao pedir que ele permanecesse como diretor do FBI.

O que Trump diz: Questionado a respeito em uma entrevista em maio na Fox News, o presidente respondeu: "Não, não pedi (lealdade), mas não acho que seria uma má pergunta a fazer. Acho que lealdade ao país, aos EUA, é importante. Sabe, depende de como você define lealdade, em primeiro lugar. Em segundo, não sei como isso virou público, porque eu não fiz essa pergunta".


A investigação sobre Mike Flynn, então assessor presidencial, deveria ser 'abandonada'

O que Comey disse em comunicado: Ele alegou que Trump pediu o fim da investigação. "(Trump) disse: 'Espero que você consiga deixar isso de lado, deixar Flynn de lado. Ele é um cara bom. Espero que você deixe isso de lado'. Eu respondi apenas que 'ele é um cara bom'."

O que a Casa Branca diz: Nega que Trump tenha pedido o fim do inquérito.

O que Comey disse na audiência no Senado: "Entendi que ele estava me dizendo que queria que eu abandonasse qualquer investigação conectada às acusações ligadas à versão de Flynn sobre suas conversas com os russos." Mas ele disse não achar que Trump estivesse pedindo que as investigações gerais sobre a Rússia fossem encerradas.


Trump 'não estava sendo investigado'

O que o governo Trump diz: Trump diz ter ouvido de Comey em três ocasiões que não estava sob investigação do FBI.

O que Comey disse em comunicado: Ele confirma a versão dada pelo presidente: "Discuti com a liderança do FBI se deveria assegurar ao presidente eleito Trump que ele não estava pessoalmente sob investigação. Isso era verdade, não tínhamos um caso aberto de contrainteligência sobre ele". Comey disse ter repetido isso ao republicano em duas reuniões posteriores.

O que Comey disse na audiência no Senado: Comey especificou que assegurou isso a Trump após informá-lo de que havia acusações de que Trump tivesse tido a companhia de prostitutas em um hotel durante viagem a Moscou em 2013, "para minimizar um potencial desconforto para o presidente eleito".

O republicano negou com veemência tais acusações quando vieram à tona, em janeiro, e Comey disse que Trump lhe afirmou "não ter nada a ver com a Rússia, não estar envolvido com prostitutas na Rússia e sempre achou estar sendo gravado quando (em visita à) Rússia".


Comey 'não queria ficar a sós com Trump'

O que vazamentos à imprensa afirmam: Que Comey dissera ao secretário de Justiça Jeff Sessions que não queria ter encontros a sós com o presidente.

O que Comey disse em comunicado: "Usei uma oportunidade para implorar (a Sessions) que impedisse qualquer comunicação direta futura entre o presidente e eu."

O que Comey disse na audiência no Senado: "Estava realmente preocupado que (Trump) mentisse a respeito da natureza de nossos encontros."


Por que Comey foi demitido

O que Trump diz: Inicialmente, a Casa Branca disse que Comey fora demitido pela forma como lidara com a investigação sobre os emails da candidata democrata Hillary Clinton. Mas Trump disse, mais tarde, que "essa questão russa" pesou em sua decisão de trocar o comando do FBI.

O que Comey disse na audiência no Senado: "Fiquei confuso quando vi na televisão que o presidente havia me demitido por causa da investigação sobre a Rússia. Isso não fez sentido para mim", declarou, agregando que Trump difamou-o e o FBI. "Eram mentiras, simplesmente", concluiu.

Tópicos relacionados