O país onde absorventes internos podem causar alerta de segurança

revista no aeroporto Direito de imagem Getty Images

Uma repórter da BBC passou por uma situação inusitada - e um pouco constrangedora - no aeroporto do Cairo por causa de um absorvente interno que carregava consigo. Aqui, Claire Read conta o que aconteceu:

O sistema de segurança de lá começa já na porta que leva aos terminais. Apenas passageiros podem entrar neles. Então, antes mesmo do check-in, já há controles de raio-X, passaportes e passagens.

Foi num desses controles que fui chamada para uma revista mais detalhada. Uma mulher de uniforme passou suas mãos pelo meu corpo e depois apontou para uma pequena protuberância que encontrou no bolso direito da minha jaqueta jeans. Era algo pequeno, em forma de uma bala de revólver.

A guarda apontou e me perguntou em árabe egípcio: "O que é isso?"

Na hora, disse que não era nada, tentei explicar….achava que era um lenço. Mas quando tirei do bolso, para o meu desespero, percebi que estava segurando um absorvente interno na frente dela. Ela ergueu as sobrancelhas e parecia perplexa. Perguntou de novo: "O que é isso?".

Aí foi minha vez de erguer as sobrancelhas.

"Humm", comecei, sem saber muito bem o que dizer. "É para aqueles momentos, sabe…"

Eu já fiz entrevistas capciosas com candidatos à Presidência do Egito e com outros porta-vozes do governo, mas desta vez, fiquei sem palavras. "É para aquele período todo mês…", continuei, ainda sem saber como lidar com a situação.

"É para a menstruação", disse em árabe. Ao que a segurança respondeu: "E como você usa?".

Aqui fiquei envergonhada de vez e meu rosto ficou vermelho. Agradeci aos céus por estar viajando sozinha.

Expliquei o princípio de funcionamento do absorvente e, mais uma vez, ela parecia perplexa tentando entender como esse pequeno objeto branco poderia ser capaz dessa função.

Minha mala, enquanto isso, saiu do raio-X e outro segurança, homem desta vez, estava esperando para me fazer perguntas sobre os fios e microfones que estavam nela.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Absorventes externos são muito mais comuns que os internos no Egito

Perguntei à mulher que me questionava se ela gostaria de ver as instruções da caixa dos absorventes internos - eu tinha isso na minha mala. Ela me olhou admirada: "Você tem mais desses? Temos que passá-los separadamente no raio-X".

Absorventes internos não são considerados uma opção para as mulheres no Egito, porque eles temem que isso possa acabar com a virgindade de uma mulher - ou romper seu hímen.

O que aconteceu no aeroporto é, na verdade, uma reação muito comum das mulheres egípcias quando são apresentadas a um absorvente interno ou quando descobrem como eles funcionam.

Eu passei por uma situação semelhante quando ofereci um desses a uma colega no trabalho e ela negou com veemência após entender como funcionava. Eu mostrei a ela um vídeo com instruções sobre como usar o absorvente que também a deixou perplexa. E quando contava essa história para outras amigas egípcias ou estrangeiras vivendo no Egito, eu vivi a mesma coisa, com as reações de perplexidade e as inúmeras perguntas.

A falta de informação domina as mulheres do país. Educação sexual é assunto somente para os pais tratarem e, quando se fala em puberdade na escola, isso normalmente acontece quando algumas das meninas já começaram a menstruar.

Até a língua reflete o tratamento que dão a esse tipo de assunto no Egito - a matéria é denominada ma'ib, que significa "vergonhoso". Mulheres preferem usar palavras em inglês, porque simplesmente não houve o desenvolvimento de expressões coloquiais egípcias - o que sobra para tocar no assunto são palavras em inglês ou termos árabes "oficiais".

Absorventes internos não são nem tema de discussão no Egito. Principalmente por causa do medo de que levem à perda da virgindade na mulher.

Isso provoca situações esquisitas até mesmo nas farmácias. Uma amiga me contou que uma vez perguntaram se ela era casada antes de lhe mostrarem os absorventes. A imprensa nacional também acaba fomentando esses mal-entendidos - por exemplo, um artigo recente trazia três mães discutindo os perigos dos absorventes internos.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Absorventes internos representaram uma conquista de direitos para as mulheres

Mas como diz a egípcia-britânica Shereen el Feki, ativista de direitos das mulheres, há diversas questões complexas ligadas ao uso desse tipo de absorvente no país: o controle do próprio corpo, mobilidade e o medo que envolve a perda da virgindade antes do casamento, por exemplo. Ela acredita que a medição da extensão de seu uso poderia ser usada pela ONU como termômetro do nível de emancipação das mulheres em cada país.

De volta à entrada do aeroporto do Cairo, o segurança queria analisar cada pedaço do meu kit de rádio, mas a segurança tinha uma questão mais importante que a dele. Ela jogou minha caixa de absorventes internos para as mãos dele chorando. "Olha só quantos ela tem! Acho que precisamos passá-los de novo pelo raio-X". Ele concordou e dito e feito, tudo foi passado novamente pelo raio-X, enquanto ela olhava as instruções de uso na caixa.

Ela me devolveu os absorventes, aproximou-se de mim e perguntou em voz baixa: "É possível conseguir isso no Egito?".

Eu disse que sim e deixei as instruções de uso com ela. Ela aceitou, e eu, depois, me arrependi de não ter dado alguns absorventes também.

Agora, sempre lembro de manter um desses no meu bolso quando vou passar pela segurança do aeroporto para levar o assunto a mais e mais mulheres por lá.