A reviravolta no caso Grégory Villemin, menino de 4 anos cujo assassinato intriga a França há 3 décadas

Foto de arquivo de Grégory Villemin Direito de imagem AFP
Image caption Grégory Villemin tinha 4 anos quando foi encontrado morto no rio Vologne, na França.

O assassinato do pequeno Grégory Villemin, há 32 anos, é um dos maiores enigmas policiais da história moderna da França.

Em 16 de outubro de 1984, o corpo do menino de 4 anos apareceu com as mãos e os pés atados no rio Vologne, perto de sua casa, no nordeste do país.

Sua morte desencadeou uma trama de rivalidades familiares, cartas anônimas com ameaças, pistas falsas e erros judiciais que geraram um grande interesse midiático.

Mas o culpado do crime jamais foi encontrado.

Na última terça-feira, o juiz Jean-Michel Lambert, que desempenhou um papel fundamental na investigação, foi encontrado morto em sua casa com uma sacola de plástico na cabeça.

Segundo a polícia, não há indícios de violência.

Lambert, que tinha 32 anos quando foi designado para julgar o caso de Villemin, havia admitido que cometeu erros naquele que foi o primeiro trabalho de sua carreira como juiz.

Direito de imagem AFP
Image caption Tanto o pai quanto a mãe da criança passaram anos na prisão e depois foram compensados pelos erros judiciais

"É um caso que me perseguiu por toda a minha carreira, toda a minha vida", disse o magistrado durante uma entrevista em 2014.

A Justiça reabriu as investigações no mês passado diante do surgimento de novas evidências que levaram à detenção de três familiares do pai da criança.

Como foi a investigação?

O primeiro suspeito do caso foi Bernard Laroche, um primo do pai do menino. Foi uma cunhada sua, Muriel Bolle, quem depôs contra ele e o mandou para a prisão.

Um ano depois, porém, Bolle retirou sua declaração - e Laroche foi solto.

Semanas depois, ele morreu baleado pelo pai do menino, Jean-Marie Villemin, que foi preso pelo crime.

Após alguns meses, o juiz Lambert focou a investigação na mãe da criança, Christine Villemin.

A mulher acabou acusada de infanticídio em 1985, mas as acusações foram retiradas em 1993.

Direito de imagem AFP
Image caption O primeiro caso de Jean-Michel Lambert como juiz foi o do assassinato de Grégory Villemin

Em 1987, Lambert foi substituído por outro juiz, Maurice Simon, cujas pesadas críticas sobre o trabalho de seu antecessor vieram a público nesta quarta-feira.

Segundo o canal francês de notícias BFMTV, Simon havia escrito sobre o que descreveu como "desordem intelectual" de Lambert em suas anotações pessoais.

"Estou em meio a um erro judicial em todo o seu horror", escreveu ele sobre as acusações contra a mãe de Grégory Villemin.

O mesmo Lambert havia admitido que não estava preparado para lidar com o enorme interesse que o caso despertou e se queixado do escasso apoio judicial que recebeu.

Por que o caso foi reaberto?

A ciência forense evoluiu bastante nas últimas três décadas, e os avanços na tecnologia de DNA deram novas esperanças aos investigadores do caso.

Direito de imagem AFP
Image caption Christine Villemin (terceira a partir da esquerda) esteve presa entre 1985 e 1993 pelo assassinato do filho

Em junho, três membros da família do pai do filho assassinado foram detidos pela polícia.

O tio-avô do menino, Marcel Jacob, e sua esposa, Jacqueline, passaram por uma investigação formal por sequestro seguido de morte - e acabaram soltos.

A terceira detida foi Muriel Bolle, que enfrenta acusações parecidas.

Os investigadores acreditam que a mulher, que tinha 15 anos na época do assassinato, retirou o depoimento que deu em 1984 devido a pressões familiares.

Bolle se declarou inocente e fez uma greve de fome que terminou nesta terça, o mesmo dia em que o juiz Lambert foi encontrado morto.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas