Por que mulheres raptadas pelo Boko Haram estão voltando para o grupo

Mulher de guerrilheiro do Boko Haram com bebê Direito de imagem Adaobi Tricia Nwaubani
Image caption Aisha conta que tinha vida de rainha no esconderijo do Boko Haram

O mundo recebeu de forma incrédula a notícia de que algumas das "Meninas de Chibok", um grupo de 276 estudantes sequestradas por militantes do grupo extremista muçulmano Boko Haram - se recusaram a voltar para casa após serem libertadas.

A divulgação de um vídeo mostrando algumas das meninas usando véus muçulmanos e rifles Kalashnikov em punho dizendo-se felizes com a nova vida, deu margem a alegações de que elas tinham sido coagidas a dar o depoimento ou mesmo desenvolvido Síndrome de Estocolmo (empatia de cativos por captores).

O que mais poderia explicar a razão para qualquer mulher ou menina optar por permanecer com um grupo de extremistas, cujas atrocidades podem ter matado mais de 100 mil pessoas na Nigéria em apenas oito anos?

Conto de fadas

Em janeiro, a jornalista africana Adaobi Tricia Nwaubani conheceu Aisha Yerima, de 25 anos, que foi sequestrada pelo Boko Haram há mais de quatro anos. No cativeiro, ela se casou com um comandante que a mimou com romance, presentes caros e canções românticas árabes.

A vida de conto de fadas descrita por ela foi interrompida pela chegada do Exército nigeriano, no início de 2016, quando seu marido estava no front.

Na primeira vez em que Adaobi entrevistou Aisha, ela estava sob custódia das autoridades havia oito meses, tendo passado por um programa de desradicalização do governo.

"Eu sei agora que o Boko Haram me contou mentiras. Quando os ouço no rádio agora, dou risada", conta a jovem.

Em maio, porém, apenas alguns meses depois de ser devolvida para sua família, na cidade Maiduguri (norte do país), ela resolveu voltar ao esconderijo do Boko Haram, na Floresta de Sambisa.

Direito de imagem EPA
Image caption Insurreição do Boko Haram teve início em 2009

A psicóloga Fatima Akilu é a fundadora do programa de desradicalização da Nigéria. Nos últimos cinco anos, ela trabalhou com ex-integrantes do Boko Haram - incluindo alguns líderes, suas esposas e crianças - além de centenas de mulheres resgatadas.

"O tratamento que as mulheres recebem em cativeiro depende do campo em que estiveram. Depende de quem comandava o campo", ela explica.

Readaptação

"As mulheres que receberam melhor tratamento foram aquelas que se casaram com integrantes do Boko Haram ou que se juntaram ao grupo voluntariamente. Mas essa não é a maioria dos casos. A maioria das mulheres não recebeu o mesmo tratamento".

Aisha, por exemplo, gabava-se dos escravos que tinha em Sambisa, do respeito que recebia de outros líderes do Boko Haram, e da influência que tinha sobre o marido. Ela conta até tê-lo acompanhado em batalha um vez.

"São mulheres que em sua maioria nunca trabalharam ou tiveram voz em suas comunidades. De repente, estão no comando de dezenas de mulheres, sempre à disposição", conta a psicóloga.

"Quando retornam para a sociedade, grande parte dessas mulheres não terá esse poder novamente".

Choque

Além da perda de poder, Fatima acredita que as mulheres que retornam ao Boko Haram temem ser estigmatizadas e tratadas como párias por causa da associação com o grupo. E também pelos rigores econômicos na Nigéria.

Direito de imagem Reuters
Image caption Meninas de Chibok foram sequestradas em 2014

"A desradicalização é apenas uma parte. Há ainda o processo de reintegração. Algumas dessas mulheres não têm como se sustentar", explica a psicóloga.

"É comum elas saírem de programas bem-sucedidos de desradicalização mas terem problemas de adaptação. E esses problemas as fazem retornar (ao Boko Haram)".

A família de Aisha ainda está chocada com a decisão da jovem. Isso apesar de a mãe, Asha, conhecer pelo menos outras sete mulheres, todas amigas da filha, que também voltado à Sambisa.

"Todas as vezes em que alguma delas desaparecia, os parentes vinham até nossa casa perguntar se elas haviam se comunicado com Aisha", conta.

Algumas das mulheres mantiveram contato com Aisha depois de voltar para o Boko Haram. A irmã mais nova, Bintu, testemunhou pelo menos duas conversas.

"Elas falaram para Aisha se juntar a elas, mas minha irmã se recusou, dizendo que não queria voltar."

Vida normal

Ao contrário de outras esposas do Boko Haram, Aisha parecia estar levando uma vida normal. Ganhava a vida comercializando tecidos, frequentava eventos e postava fotos nas mídias sociais. E, segundo a família, tinha uma fila de pretendentes.

"Pelo menos cinco homens queriam se casar com ela", explica a mãe, para quem não poderia haver forma melhor de aceitação da sociedade e de evidência que a filha não enfrentava discriminação.

"Um dos homens vive em Lagos (capital da Nigéria). Ela estava pensando em casar com ele".

Tudo mudou, no entanto, quando Aisha recebeu uma ligação de uma mulher em Sambisa, informando que seu marido do Boko Haram tinha se juntado com uma rival da jovem.

A partir daquele dia, Aisha virou uma reclusa.

"Ela parou de sair, falar ou comer. Estava sempre triste", diz Bintu.

Direito de imagem AFP
Image caption Condições econômicas ruins em algumas regiões da Nigéria fazem com que mulheres voltem para o Boko Haram

Duas semanas mais tarde, ela saiu de casa e não voltou. Algumas de suas roupas tinham sumido e seus telefones estavam desligados. Aisha levou com ela o menino de dois anos oriundo do relacionamento com o líder do Boko Haram. Deixou para trás o menino mais velho que teve com o ex-marido, de quem se divorciara antes de ser raptada.

"A desradicalização é complicada pelo fato de que temos uma insurgência em andamento. Nos casos em que um grupo chegou a um acordo com o governo e entregou as armas, é mais fácil", diz Fatima.

"Mas quando há pais, maridos e filhos participando do movimento, as pessoas querem se juntar a eles. Especialmente mulheres".

Asta, outra "ex-esposa" do Boko Haram, conta que ouviu falar de diversas mulheres voltando para o grupo, mas que ela não tem planos de fazê-la. No entanto, a jovem de 19 anos admite que sentes saudades do companheiro e que gostaria de voltar a viver com ele. Mas não em Sambisa.

"Direi a ele para vir ficar conosco aqui e viver uma vida normal."

Só que, assim como aconteceu como Aisha, o desejo de estar com o homem que ama pode falar mais alto que sua aversão pelas atividades do grupo.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas