'Financial Times': 'Vitória histórica' de Temer traz 'novas esperanças' a investidores

Michel Temer Direito de imagem SERGIO LIMA/AFP/Getty Image
Image caption Michel Temer conseguiu apoio do Congresso contra denúncia que poderia levá-lo a um processo de impeachment

O principal jornal de finanças da Europa, o britânico Financial Times, chamou o resultado da votação de quarta-feira no Congresso de "vitória histórica de Michel Temer" que traz "novas esperanças a investidores" de que o presidente "dará continuidade ao empacado programa reformas econômicas".

"O programa...que tinha o objetivo de reduzir o déficit econômico, parecia estar no caminho certo", diz a publicação na sua edição online. "E incluía um plano impopular para rever o generoso sistema de pensões do país que permitia que trabalhadores se aposentassem com 50 e poucos anos".

O jornal diz que os mercados continuam otimistas de que o presidente "pode manter a estabilidade econômica" e possivelmente "tentar alguns ajustes no sistema previdenciário".

Já outros grandes jornais internacionais focaram na farta distribuição de verbas para emendas parlamentares antes da votação, em que os deputados aprovaram - por 263 a 227 - o relatório que recomendou a rejeição da denúncia de corrupção passiva contra o presidente.

O americano New York Times cita a ONG Contas Abertas para dizer que o governo concedeu mais de US$ 1,3 bilhão em emendas parlamentares a determinados Estados brasileiros.

"Esta é uma quantia excepcionalmente alta", diz o jornal, "especialmente em um período de austeridade em que hospitais, universidades e departamentos de segurança tiveram seus orçamentos cortados".

Segundo o NYTimes, Temer "distribuiu milhões de dólares em dinheiro federal para Estados chave de congressistas nas últimas semanas, no que alguns críticos consideraram como um esforço para influenciar legisladores".

Direito de imagem EVARISTO SA/AFP/Getty Images
Image caption Congresso lotado rejeitou denúncia contra Temer

Na mesma linha, o Washington Post diz que "o presidente estava determinado a permanecer no poder e agressivamente cortejou o apoio de legisladores na sessão, que se estendeu por mais de 11 horas na quarta-feira".

Com aprovação de apenas 5% da população, ressalta o Wall Street Journal, Temer "se baseou em suas habilidades como negociador nos bastidores para sobreviver, atraindo legisladores com recursos para seus Estados empobrecidos".

O jornal americano diz ainda que a vitória de Temer permite que as reformas econômicas sejam levadas adiante, "aliviando a crise fiscal do Brasil".

O jornal francês Le Monde diz que Temer "prometeu favores" a alguns deputados, e para outros "desbloqueou emendas", mas destacou também que o presidente escapou de um processo em meio a "indiferença generalizada".

Já o espanhol El País deu atenção à condução da sessão plenária na Câmara de Deputados. "Se a imagem dos políticos no Brasil está em baixa, o debate não contribuiu muito para melhorá-la", diz a publicação e descreve: "Um dia inteiro de bizantinas discussões processuais, truques obstrutivos e episódios grotescos".