Motorista joga van sobre multidão em Barcelona; polícia confirma 13 mortos

A polícia em Las Ramblas na noite desta quinta Direito de imagem EPA
Image caption A polícia em Las Ramblas na noite desta quinta; episódio é tratado pela polícia como atentado terrorista

Uma van foi lançada por um motorista contra uma multidão de pedestres na avenida Las Ramblas, um dos pontos turísticos mais importantes da cidade de Barcelona, na Espanha, na tarde desta quinta-feira.

O número de vítimas fatais, até o início da noite no horário local, subiu para 13, segundo a polícia catalã, e há temores de que esse número aumente. Há também mais de 100 feridos, sendo 15 deles com gravidade.

As autoridades tratam o incidente como um "atentado terrorista", e duas pessoas foram presas ainda nesta quinta-feira.

A autoria do ataque ainda não está plenamente esclarecida, mas uma agência ligada ao Estado Islâmico afirma que o grupo radical reivindicou responsabilidade pelo episódio, dizendo que ele foi perpetrado por "soldados do EI".

Testemunhas afirmaram que o motorista estava deliberadamente dirigindo a van em direção às pessoas no calçadão de 1,2 km.

Suspeita-se que ele tenha fugido a pé do local.

Também segundo a imprensa espanhola, um suspeito de envolvimento com o caso foi morto em um tiroteio com a polícia nos arredores de Barcelona. Sua identidade não foi confirmada até o momento.

O suspeito de ter alugado a van teve sua foto divulgada pela polícia. Ele foi identificado como Driss Oukabir, homem de pouco mais de 20 anos nascido no Marrocos, segundo a imprensa espanhola.

Desde então, porém, a imprensa espanhola afirmou que Oukabir se apresentou à polícia ao ver sua foto sendo divulgada. Ele diz, segundo o jornal La Vanguardia, que seus documentos foram roubados por seu irmão e que ele próprio estava 100 km distante de Barcelona no momento do ataque. A polícia investiga se essa versão se sustenta.

Direito de imagem Polícia de Barcelona
Image caption Foto do suspeito de ter alugado a van usada em ataque em Barcelona

Vários veículos de comunicação espanhóis afirmaram que um ou dois homens armados haviam se entrincheirado em um bar na área onde o episódio aconteceu, mas a polícia desmentiu esse boato.

Logo após o ataque em Las Ramblas, serviços de emergência foram mobilizados para atender as vítimas e orientaram moradores e turistas para que ficassem longe da área ao redor da Praça da Catalunha.

Pessoas usaram lojas e cafés para se proteger. A agência Reuters afirmou que autoridades pediram o fechamento de estações de trem e metrô.

Marc Esparcia, estudante de 20 anos que vive na cidade e estava próximo ao local, afirmou à BBC: "Houve um barulho forte e todo mundo correu para se proteger. Havia muitas pessoas, muitas famílias, esse é um dos locais mais visitados de Barcelona".

"Acho que muitas pessoas foram atingidas. Foi horrível, houve pânico. Terrível", afirmou o estudante, que ficou abrigado em uma loja Starbucks nas redondezas.

Detalhes sobre o incidente ainda não estão claros, mas veículos têm sido usados para atropelar multidões em uma série de episódios violentos na Europa desde julho de 2016.

O americano Tom Markwell havia acabado de descer do táxi em Las Ramblas quando o ataque ocorreu. Ele disse ter ouvido a multidão gritar "como se tivesse visto uma estrela de cinema".

"Eu vi a van, já com o capô batido. Ela estava ziguezagueando, tentando atingir as pessoas o mais rápido que conseguisse. Havia pessoas no chão."

O premiê espanhol, Mariano Rajoy, afirmou pelo Twitter que "os terroristas nunca derrotarão um povo unido que ama a liberdade frente à barbárie. Toda a Espanha está com as vítimas e (suas) famílias".

Direito de imagem EPA
Image caption Polícia acode ferido em Barcelona; testemunha diz ter visto van 'ziguezagueando' em direção às pessoas