Quem são os suspeitos dos atentados na Espanha

Moussa Oukabir, principal suspeito de ser motorista da van Direito de imagem Reprodução
Image caption Moussa Oukabir, de 18 anos, principal suspeito de ser motorista da van

Pelo menos quatro pessoas foram presas pela polícia catalã após o ataque com uma van em Barcelona que matou 13 pessoas e feriu pelo menos cem na quinta-feira.

Até a manhã desta sexta-feira, a polícia tinha informado que os dois primeiros suspeitos detidos não eram o motorista da van, que tinha fugido após o ataque. Não se sabe ainda se um dos outros dois presos seria o motorista.

Segundo o chefe da polícia, Josep Lluis Trapero, nenhum dos presos - três marroquinos e um espanhol - tem antecedentes criminais ligados a práticas terroristas.

A mídia espanhola diz que o "principal suspeito" de ter dirigido a van seria Moussa Oukabir, de 18 anos, irmão de Driss Oukabir, que é um dos suspeitos detidos e que teria se apresentado à polícia após o ataque se dizendo inocente e alegando que seus documentos tinham sido roubados.

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo
Vídeo mostra desespero de turistas fugindo durante atentado em Barcelona

A van branca usada no ataque tinha sido alugada com os documentos de Driss Oukabir. Em um primeiro momento, a polícia divulgou uma foto dele, identificando-o como um dos suspeitos do atentado em Las Ramblas e dizendo que ele era cidadão marroquino com direito a residência permanente na Espanha.

Segundo a polícia, isso indica que ele morava no país há mais de cinco anos.

"Prendemos duas pessoas envolvidas diretamente no ataque, mas nenhuma delas era o motorista da van", disse Josep Lluís Trapero, chefe da polícia catalã.

Direito de imagem Polícia Nacional da Espanha
Image caption Driss Oukabir, apontado inicialmente pela polícia como suspeito, diz que seus documentos foram roubados e usados para alugar a van, segundo relatou a imprensa espanhola

De acordo com as autoridades, o outro suspeito detido é de Melilla, cidade autônoma espanhola localizada no norte da África.

Motorista fugiu

Às 17h (horário local) de quinta-feira, uma van avançou sobre pedestres que caminhavam na avenida Las Ramblas, próximo à Praça Catalunha, e percorreu cerca de 600 metros até colidir em uma banca de jornal.

O motorista que dirigia o veículo fugiu logo em seguida.

A polícia não descarta que outras pessoas estejam envolvidas no atentado e segue buscando outros possíveis suspeitos.

As autoridades acreditam que o objetivo do ataque era "tentar matar a maior quantidade de gente possível".

O grupo extremista autodenominado Estado Islâmico disse que o ataque foi realizado por "soldados" seus, sem dar mais detalhes.

Uma explosão e um morto

Direito de imagem AFP
Image caption Policiais fizeram buscas na vizinhança à procura de suspeitos

De acordo com as autoridades, o ataque tem uma conexão "clara" com uma explosão ocorrida na quarta-feira à noite, na cidade de Alcanar, a cerca de 200 quilômetros ao sul de Barcelona. A explosão destruiu uma casa, deixando uma pessoa morta e sete feridas.

Suspeita-se que os inquilinos estavam preparando explosivos no interior da residência com gás butano.

Segundo a polícia, um dos presos por envolvimento no atentado em Las Ramblas, o natural de Melilla, teria relação direta com essa explosão.

Horas após o ataque em Barcelona, a polícia anunciou que matara cinco suspeitos em um carro na cidade turística de Cambrils. Os homens - que usavam cintos-bomba falsos - atropelaram civis antes de serem parados a tiros pela polícia. De acordo com as autoridades, uma mulher morreu e sete pessoas ficaram feridas neste incidente. A polícia não deu mais informações sobre os cinco suspeitos mortos, mas disse que este episódio estava ligado ao ataque de Barcelona. Com isso, chega a 14 o número de civis mortos nos atentados.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas