Dançar a 'Macarena' em público e produzir vinho em casa: o que pode dar cadeia na Arábia Saudita

Reprodução do vídeo de dançarino saudita Direito de imagem TWITTER/@ahmed
Image caption O menino dançarino viralizou, mas agora se vê em maus lençóis

Um adolescente de 14 anos foi preso na Arábia Saudita por dançar a "Macarena" no meio de uma rua movimentada enquanto carros estavam parados em um sinal na cidade de Jedá.

Um clipe mostrando a dança, filmado no ano passado, viralizou no Twitter, mas o menino agora foi interrogado pelas autoridades sob a acusação de comportamento público inapropriado e de perturbação da ordem pública. Ele acabou liberado após assinar um termo se comprometendo a não "colocar sua vida e a de outros em risco novamente".

Mas essa não é a única razão que pode, surpreendentemente, levar alguém facilmente à cadeia no país árabe.

Aqui temos uma lista de outras cinco coisas que são sinônimo de encrenca na rigorosa nação do Oriente Médio.

1. 'Dabbing'

Direito de imagem NCNC
Image caption Agência saudita criou poster alertando para riscos do 'dabbing'

No início do mês, o cantor e apresentador de TV saudita Abdallah Al Shahani foi preso durante um show por fazer o "dabbing".

Trata-se de um passo de dança hip-hop em que se esconde o rosto em um dos braços, mas que está ligado ao consumo de maconha.

O "dabbing", nenhuma surpresa, é banido na Arábia Saudita. E as autoridades do país têm até um poster em que alertam o público sobre "os perigos que o passo representa para a juventude e a sociedade".

2. Bruxaria

Um homem saudita foi executado em 2012 sob a acusação de bruxaria e feitiçaria. As autoridades não forneceram maiores detalhes sobre os delitos, mas o homem também confessou adultério, crime capital no país.

Há relatos de que pelo menos duas outras pessoas foram executadas por feitiçaria em 2011.

3. Produção de vinho

O álcool é proibido na Arábia Saudita. E, em 2015, um idoso britânico foi preso por mais de um ano por produzir vinho em sua casa.

O homem, de 74 anos, também foi condenado a receber 360 chibatadas, mas foi libertado e repatriado depois de uma campanha online.

4. Direção feminina

Direito de imagem Getty Images
Image caption Manal al-Sharif é uma mulher saudita que faz campanha pelo direito irrestrito de direção na Arábia Saudita

Autoridades sauditas justificam que liberar totalmente mulheres ao volante poderia encorajá-las a "deixar suas casas mais vezes do que precisam".

Atualmente, elas só podem dirigir em estradas no deserto ou em condomínios, o que força a contratação de motoristas particulares pelas famílias.

Diversas mulheres já foram sentenciadas a chibatadas por desafiar a legislação, incluindo em protestos contra a regra.

5. Contrabando de chocolates com álcool

Image caption Chocolates alcóolicos renderam chibatadas a cidadão filipino em 1999

Em 1999, um imigrante filipino foi preso por quatro meses e levou 75 chibatadas, depois que duas barras de chocolate recheadas com licor foram encontradas em sua bagagem no aeroporto de Riad, a capital.

O homem argumentou que havia comprado os chocolates durante uma escala, sem saber que eram alcoólicos. Em vão.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas