Do heroísmo à penúria: protagonistas em protestos, crianças de rua de Caracas agora brigam por latas de lixo mais cheias

David, Caramelo e Nanye dividem uma galeria subterrânea por onde passam cabos de alta tensão, sob uma das avenidas mais movimentadas de Caracas Foto: Yan Boechat
Image caption David, Caramelo e Nanye dividem uma galeria subterrânea por onde passam cabos de alta tensão, sob uma das avenidas mais movimentadas de Caracas Foto: Yan Boechat

Desde que se encerraram as manifestações de protesto que sacudiram a Venezuela entre abril e julho deste ano, a vida das crianças de rua de Caracas anda mais difícil.

Nos quatro meses em que milhares de pessoas foram às ruas protestar contra o governo do presidente Nicolás Maduro, jovens moradores de rua ganharam a atenção da classe média pelo protagonismo que assumiram nos embates contra a Guarda Nacional Bolivariana.

Portando escudos, os jovens que passaram a se auto-intitular "A resistência" seguiam na linha de frente dos protestos da capital venezuelana e de outras cidades do país, que deixaram mais de 140 pessoas mortas.

Doações

Em reconhecimento pela participação, passaram a receber uma rara atenção, com fartas doações de comida, roupas, sapatos e carinho. "Foi o melhor momento de nossas vidas, com certeza", conta Caramelo, uma menina de 15 anos, moradora das ruas de Caracas desde os 11.

"De repente, todo mundo que (antes) olhava pra gente com medo, que fugia da gente achando que íamos roubar, passou a nos dar atenção, a olhar para nós como pessoas como elas, foi bom demais", diz a adolescente, grávida de seis meses de sua primeira filha e moradora em uma galeria subterrânea por onde passam cabos de alta tensão, sob uma das avenidas mais movimentadas da capital venezuelana.

Não raras vezes, os jovens eram chamados publicamente de heróis por líderes políticos de oposição que incentivavam os protestos e por moradores de bairros mais ricos da cidade, epicentro da oposição ao regime socialista implantado em 1999 pelo ex-presidente Hugo Chávez (1954-2013).

Image caption Beba (esquerda), grávida de seu primeiro filho aos 14 anos, e Edouard (centro), de 9, que fugiu de casa porque comia apenas uma vez por dia Foto: Yan Boechat

Fim dos protestos

Uma nova eleição foi convocada para dezembro, e os partidos oposicionistas decidiram participar do pleito. Com isso, mudaram sua estratégia anterior, abandonando os protestos. Como resultado, a vida dos jovens voltou à rotina de sempre.

"Nos diziam que éramos heróis da pátria porque estávamos defendendo o povo, éramos o futuro da Venezuela, nos davam comida, nos davam tudo e agora nos esqueceram de novo", diz Beba, uma jovem, grávida de 14 anos.

"Eu queria a volta dos protestos porque tinha muita comida, a gente não precisava ficar procurando no lixo o que comer", conta Edouard, de apenas 9 anos.

Ele deixou sua casa e decidiu viver na rua após ser estimulado pelo primo sobre a fartura de comida disponível nas ruas. "Mas ainda assim aqui está melhor, em casa eu só comia uma vez por dia, aqui como até quatro vezes", diz o menino.

Image caption Nanye, de 12 anos, na entrada de uma galeria subterrânea que usa como esconderijo em uma das áreas mais movimentadas de Caracas Foto: Yan Boechat

Transparentes

Praticamente invisíveis para a classe média de Caracas, as crianças e adolescentes que trocam a casa pelas ruas não param de crescer em número na capital da Venezuela.

Não se sabe ao certo quantos eles são, mas o consenso entre especialistas e a população local é de que jamais a Venezuela viu um fenômeno como esse - sinal do empobrecimento agudo pelo qual passa o país desde que o preço do petróleo encerrou um longo ciclo de alta e mudou radicalmente de patamar a partir de 2013.

"Houve um crescimento sem precedentes no número desses meninos. Eles surgiram como um grupo organizado agora nos protestos. É algo novo", conta Óscar Misle Terrero, diretor e fundador da Cecodap, uma ONG criada há 32 anos em Caracas para trabalhar com a questão da violência contra menores.

"Sempre houve jovens nas ruas de Caracas, mas em geral eles trabalhavam ou mendigavam durante o dia, e voltavam à noite para suas casas", diz ele. "Agora é diferente".

Traumas

Terrero diz estar preocupado com os reflexos da mudança brusca do tratamento que os jovens de rua receberam das famílias de classe média de Caracas durante as manifestações.

"É fundamental entender o impacto disso na vida e nas expectativas dessas crianças, que viveram o tempo todo à margem, apanhando dos pais, das mães, da polícia, dos maiores", diz ele, psicólogo especializado no tratamento de crianças traumatizadas pela violência.

"Sair desse patamar de exclusão e ser alçado rapidamente ao papel de herói e, logo em seguida, retornar ao posto de pária social pode ter consequências devastadoras".

"Não é muito difícil prever como essas crianças e adolescentes vão se comportar, é claro que haverá uma dose alta de frustração".

Image caption Óscar Terrero é psicólogo especializado no tratamento de crianças traumatizadas pela violência Foto: Yan Boechat

Retorno

Para Nanye, um menino de 12 anos que, de tão pequeno, parece ainda não ter chegado aos 10, a volta ao antigo cotidiano quase lhe custou a vida.

Acostumado aos meses de fartura e comunhão com os outros moradores de rua, cometeu um erro fundamental nas ruas de Caracas nos tempos de escassez: tentou buscar alimento em uma lixeira fora do domínio de seu grupo.

"Estava morrendo de fome, a lixeira estava cheia, pensei que não haveria problema, mas eles vieram e começaram a me bater, até que um deles me esfaqueou no pescoço", conta o menino.

Socorrido por uma mulher que passava pela rua no momento, foi levado ao hospital e recebeu 15 pontos no ombro e na nuca, onde foi golpeado.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Crianças de rua participaram de protestos contra o governo

"Tive sorte, não conseguiram enfiar a faca muito fundo."

Briga pelo lixo

A violência entre grupos de moradores de rua tem se intensificado em Caracas. Agora, cada um domina um território, buscando as latas de lixo que são mais fartas.

As mais disputadas são as lixeiras do bairro Las Mercedes, onde está concentrada boa parte dos melhores restaurantes da cidade.

"Os meninos que são donos das lixeiras ali são muito fortes e violentos. Se você tentar pegar o lixo deles, te matam", diz David, um jovem de 16 anos.

Ele mostra um ferimento na perna direita e diz também ter sido apunhalado enquanto tentava buscar comida em uma lata de lixo em uma área dominada por um grupo diferente do seu.

"A vida dos jovens venezuelanos pobres sempre foi violenta", conta Leonardo Rodriguez, diretor nacional da Rede de Casas Dom Bosco na Venezuela, uma organização de atendimento a crianças e adolescentes administrada pela ordem católica dos Salesianos.

"O que está mudando agora é que eles estão se tornando vítimas deles mesmos e, logo, passarão a ser vítimas da sociedade que lhes deu reconhecimento, alimentos e os elevou a uma posição de heróis durante os protestos", conta ele.

Image caption Crianças que trocam a casa pelas ruas não param de crescer em número na capital da Venezuela Foto: Yan Boechat

Para Rodriguez, houve uma mudança no perfil dos meninos e meninas que deixavam suas casas para ir para a rua.

"Até o ano passado, essas crianças eram absorvidas pelas gangues de marginais tão comuns em Caracas, víamos isso com muita frequência", conta ele.

"Mas de um ano para cá o número de crianças chegando nas ruas é tão grande que as gangues não têm estrutura para recebê-las."

Acordo tácito

Rodríguez teme que a Venezuela comece a assistir a casos de extermínio e limpeza social de menores que vivem nas ruas. Cada vez mais, diz ele, comerciantes e moradores das áreas mais nobres da cidade, para onde o fluxo de crianças de rua sempre migra, começarão a se tornar impacientes e incomodados com a presença deles.

"Mesmo durante os protestos, um grupo de moradores de Altamira (bairro nobre de Caracas) me convidou para uma reunião para que eu tentasse intermediar uma maneira de retirar os meninos das ruas do bairro", conta Rodríguez.

"Estavam cansados de vê-los por ali, sempre pedindo dinheiro, pedindo comida para a 'Resistência', enfim, não os queriam mais ali".

A solução encontrada foi fazer um acordo com centros comercias da região, que passaram a oferecer alimentação às crianças desde que eles não se concentrassem nas áreas mais nobres ou entrassem nos shopping centers.

"Mas é claro que esse acordo tácito não durará para sempre".

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas