A obra-prima de Oscar Niemeyer que foi abandonada e usada para execuções durante guerra no Líbano
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

A obra-prima de Oscar Niemeyer abandonada e usada para execuções em guerra no Líbano

Na cidade de Trípoli, no Líbano, um conjunto de prédios de concreto está há anos abandonado. Não são edifícios comuns, mas sim verdadeiras obras de arte da arquitetura, assinadas por Oscar Niemeyer.

O arquiteto brasileiro que projetou os edifícios de Brasília foi escolhido na década de 1960 para desenhar o centro comercial internacional de Trípoli. Na época, o Líbano vivia seu auge econômico e era considerado a capital financeira do Oriente Médio.

A construção começou em 1967 e só foi concluída quase dez anos depois, em 1974. Mas a obra-prima de Niemeyer nunca chegou a cumprir sua função.

A Guerra Civil do Líbano interrompeu o boom econômico. O conjunto de prédios projetado pelo arquiteto brasileiro chegou a ser alvo de ataques e ocupado por milícias.

"Todos esses prédios que estavam prontos para funcionar nunca foram usados. Há histórias até de execução de pessoas nesse prédio (durante a guerra civil). Dá para ver balas nas paredes", conta o arquiteto libanês Wassim Naghi.

As belas curvas de concreto resistiram às agressões da guerra, mas foram abandonadas após o fim do conflito.

Em vez de congressos e feiras de comércio e tecnologia, o que impera dentro da cúpula redonda projetada por Nieyemer é o silêncio.

"É como um oásis, um oásis de concreto. Eu posso enxergar a obra como um útero com um bebê dentro, um bebê que nunca chegou a nascer", diz Wassim Naghi.

"Trípoli teve sorte de receber esse projeto no coração da cidade. Mas o projeto teve o azar de estar em Trípoli."

Tópicos relacionados