Começa a contagem de votos da eleição presidencial no Afeganistão

Player

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

As autoridades eleitorais do Afeganistão começaram a contar, nesta quinta-feira, os votos da segunda eleição presidencial no país desde a queda do regime liderado pelo grupo extremista Talebã, em 2001.

O pleito, que foi cercado de medidas de segurança por parte das forças internacionais e afegãs, se passou sem grandes episódios de violência, apesar de ataques esporádicos atribuídos ao Talebã.

Mais de 300 mil homens, entre membros das forças afegãs e internacionais, fizeram a segurança do pleito.

Informações iniciais apontam que o comparecimento de eleitores nas urnas foi desigual, com uma participação mais alta no relativamente pacífico norte do país e menor no sul, mais violento.

A comissão eleitoral do país estendeu por uma hora o período de votação, e as urnas foram fechadas oficialmente às 17h de quinta-feira, horário local (9h30, em Brasília), e a contagem foi iniciada.

Os primeiros resultados parciais devem ser anunciados no sábado, mas os resultados oficiais só devem ser divulgados no dia 17 de setembro.

Caso nenhum dos candidatos à Presidência consiga mais de 50% dos votos, os dois primeiros colocados participarão de um segundo-turno.

O atual presidente afegão, Hamid Karzai, concorre a um segundo mandato contra dezenas de rivais, mas o candidato que parece ter mais chances contra ele é o ex-chanceler de seu governo, Abdullah Adullah.

Violência

Apesar de o pleito ter se passado sem grandes episódios de violência, dezenas de ataques atribuídos ao Talebã foram registrados em diversas partes do país durante a votação.

Em uma entrevista coletiva após o fechamento das urnas, o presidente Hamid Karzai classificou as eleições como “um sucesso”, apesar de episódios de violência.

“Ações subversivas foram empreendidas contra as eleições em 15 Províncias. De acordo com informações do Ministério do Interior, 73 incidentes foram registrados. (Mas) nosso povo não abandonou o voto em todas as partes, pelo contrário, mais pessoas participaram das eleições”, disse Karzai.

Foguetes teriam sido lançados contra casas nas Províncias de Khost e Kandahar, matando ao menos duas mulheres, além de crianças.

Também em Khost, uma bomba em uma estrada teria atingido um carro, matando uma pessoa e ferindo outras três. Já na Província de Baghlan, um chefe da polícia local teria sido morto após um ataque do Talebã a um posto policial.

O enviado especial das Nações Unidas para o Afeganistão, Kai Eide, se disse “satisfeito” com as eleições, apesar dos incidentes.

“Houve incidentes dispersos aqui e ali, mas, no geral, parece ter corrido bem, e estou satisfeito com isso”, disse Eide a repórteres, em Cabul.

Comparecimento

O pleito desta quinta-feira – que também vai eleger os integrantes dos Conselhos Provinciais do país – é o primeiro organizado pelos próprios afegãos.

De acordo com a Organização das Nações Unidas, a grande maioria das 6.969 seções eleitorais do país tinha condições de funcionar, apesar das ameaças de segurança.

Em um pronunciamento à TV estatal, o diretor da Comissão Eleitoral Independente do Afeganistão, Azizullah Loudin, afirmou que o comparecimento foi “alto”.

Na capital Cabul, o clima durante o dia estava calmo, com um grande comparecimento em algumas seções eleitorais e pouca atividade em outras.

Em Lashkar Gah, capital da Província de Helmand – considerada um reduto de insurgentes – muitos eleitores foram às urnas.

Já em Jalalabad, capital da Província de Nangarhar, alguns distritos não registraram o comparecimento de nenhum eleitor.

Segundo repórter da BBC Martin Patience, três quartos da população afegã vive em vilarejos rurais, então o comparecimento de eleitores nestas regiões será importante para os resultados.

O governo afegão proibiu que veículos de imprensa nacionais e estrangeiros reportassem episódios de violência no dia das eleições, para não desestimular os eleitores.

Dois repórteres da BBC estavam entre os jornalistas detidos brevemente pela polícia de Cabul, na última quinta-feira por violarem a proibição. Algumas fitas de videotape que estavam com eles foram confiscadas antes que eles fossem liberados.Clique

Clique Leia mais na BBC Brasil: Investigação identifica provas de corrupção e fraude em eleição afegã

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.