Crise prejudica projetos de reciclagem

Player

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

A crise econômica também chegou no lixo. O desaquecimento na economia derrubou em até 70% o preço de muitas sucatas e materiais recicláveis e reduziu drasticamente a renda de catadores e trabalhadores de cooperativas de reciclagem.

A queda nos preços ocorreu por conta da depressão geral nos valores de muitas commodities e produtos básicos, como o alumínio e o papel.

No caso do Brasil, os catadores sofreram principalmente com a redução no preço do papel, que é comprado apenas por algumas poucas empresas de grande porte.

“É um problema social muito grave porque atinge diretamente trabalhadores muito desprotegidos e ameaça a existência de cooperativas que fizeram muito para melhorar as condições de catadores de rua e de gente que vivia nos lixões”, diz a diretora de projetos do Instituto de Projetos e Pesquisas Sócio Ambientais (Ipesa), Luciana Lopes.

Os membros de cooperativas costumam receber o lixo recolhido na coleta seletiva para separar e vender as diversas categorias de recicláveis. O material circula por um galpão em uma grande esteira e os trabalhadores separam, por exemplo, papel, plástico, colorido, plástico branco, garrafas pet, latas, etc.

O lucro conseguido com a venda da sucata é depois rateado entre os cooperados de acordo com a quantidade de horas trabalhada por cada um.

CooperYara

Na CooperYara – em Barueri, na Grande São Paulo – a renda média de cada um dos 90 cooperados chegou a cerca de R$ 1.500 por mês – trabalhando 8 horas por dia - em meados de 2008. Mas com o início da crise veio caindo e agora não passa de R$ 600 por mês.

“Muita gente desistiu da cooperativa mas nós que viemos do lixão e fundamos isso daqui não desistimos. O lixo me deu tudo o que eu tenho hoje e eu tenho orgulho do que eu faço”, diz Carlos Roberto Azevedo, mais conhecido como “Carlinha” ou “Vovó”.

Trata-se de um travesti que vivia dentro do lixão, onde conquistou, a duras penas, o respeito dos outros catadores e se tornou uma das lideranças na criação da cooperativa.

“Nós que viemos do lixão e estamos aqui faz tempo sabemos da importância que esse nosso trabalho de reciclagem tem para o mundo. Mas o pessoal mais novo, que veio pra cá agora, não entende direito o que é isso”, conta.

“Quando o salário cai, eles vão atrás de um outro emprego, porque têm suas famílias para alimentar. Mas eu sei que as coisas vão se recuperar”, disse.

José Maria Gonçalves trabalha numa das prensas da cooperativa preparando os fardos de papel e plástico e conta que antes da crise conseguia levar para casa quase R$ 800 reais só no pagamento do “vale”, o adiantamento quinzenal do salário.

“Agora no mês inteiro não chega nem a R$ 400”, diz. “A gente tem esperança de que vai melhorar, mas está demorando muito.”

Papel

Os diferentes tipos de papel foram os produtos que tiveram as maiores quedas de preço com a crise.

O papel misto (misturando diversas cores) caiu de R$ 0,10 o quilo em maio de 2008 para R$ 0,03 em fevereiro deste ano e teve uma ligeira recuperação (R$ 0,05) em maio.

“Tem papel sobrando por aí. Pode reparar que mesmo os catadores nas ruas não estão mais muito interessados em papel”, diz Donizette de Oliveira, diretor comercial da CooperYara, que há 35 anos trabalha com a comercialização de sucata.

Ele conta que o comércio de papel para reciclagem é dominado por algumas poucas empresas, que têm muito poder de reduzir o preço a qualquer momento.

Outro produto com queda expressiva foi o alumínio, cujo preço caiu de R$ 3,00 o quilo em maio de 2008 para R$ 1,20 em fevereiro deste ano e R$ 1,70 em maio.

“Foram os catadores de latinha que tornaram o Brasil um dos lideres mundiais na reciclagem do alumínio. Agora este produto já está se tornando bem menos atrativo para os catadores”, diz a ambientalista Luciana Lopes.

Plásticos

Os plásticos foram os recicláveis que menos sentiram, nos preços, os impactos da crise. O principal motivo para isso seria a pulverização do mercado: são muitos compradores pequenos, o que permite que catadores e cooperativas tenham mais poder de barganha na hora de negociar as vendas.

Mas Luciana Lopes observa que em Itapecerica da Serra cursos de formação para os separadores do lixo chegaram a aumentar o preço conseguido pelo plástico.

“Se o plástico é mais bem separado em categorias, pra ficar como os recicladores chamam ‘boca de moinho’, dá para conseguir bem mais dinheiro com ele. É como agregar valor à sucata”, explicou.

Mas apesar destas iniciativas muitas cooperativas estão enfrentando problemas para manter as portas abertas.

“Nós só conseguimos continuar porque nossas contas estão em ordem e sempre guardamos uma parte do dinheiro em nosso fundo de reserva”, diz a presidente da cooperativa Avemare, em Santana do Parnaíba, Claudiene Pereira.

“Agora está difícil mas eu sinto que já está melhorando e tenho certeza que bem rápido vai melhorar ainda mais.”

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.